sábado, 7 de junho de 2008

Turma 1701: Esta faz a Diferença!


De acordo com as palavras do nosso saudoso Herbert de Souza, o Betinho, Solidariedade amigos, não se agradece, comemora-se!”. Com certeza! Ainda mais se levarmos em consideração que vivemos numa sociedade caracterizada, em sua grande maioria, pela competição sem limites e pelo individualismo.

Esta prática, no entanto, deveria ser incentivada por todos nós, profissionais da Educação ou simples cidadãos, por meio de projetos e/ou atividades sociais, bem como pela sensibilização através de exemplos, capazes de despertar, nos alunos, o espírito solidário e a importância de ajudar o próximo.

Tal como aconteceu no ano passado, os alunos da atual turma 1701 da E. M. Dilermando Cruz (Bonsucesso, RJ) retomaram a Campanha de Solidariedade e provaram, contrariamente às palavras de Rubem Alves, a solidariedade não é uma entidade do mundo de fora, ao lado de estrelas, pedras, mercadorias, dinheiro, contratos. Se ela fosse uma entidade do mundo de fora ela poderia ser ensinada. A solidariedade é uma entidade do mundo interior. Solidariedade nem se ensina, nem se ordena, nem se produz. A solidariedade, semente, tem de nascer”, que a solidariedade foi ensinada, tendo tido sua semente lançada e semeada em corações diversos: desde o solidário de nascença até aqueles que assim passaram a ser... Uma vez, que o grupo participantes aumentou em relação ao do ano passado.

Este papel de semeador e distribuidor de sementes de solidariedade para com os referidos alunos não coube a mim, mas sim a uma professora do segundo Ciclo de Formação (antigo primário) da referida escola municipal, na qual trabalho. Os fatos ocorreram da seguinte forma...

Há três anos atrás, a professora Eliane de Castro Santos iniciou uma campanha para arrecadação de latas ou sacos de leite em pó, caixas de gelatina vermelha e brinquedos usados para o Hospital Mário Kroeff, localizado no bairro da Penha, no mesmo município. A campanha foi um sucesso, tendo continuidade no ano retrasado (2006) e, mais uma vez, a arrecadação alcançou elevado número de donativos.

Em 2007, os alunos ingressaram no 6º ano do 2º Ciclo (antiga 5ª série) e, sem a influência direta da antiga professora do primário, algumas alunas da turma tomaram a iniciativa de engendrar uma nova Campanha para arrecadação de alimentos e brinquedos, com os mesmos objetivos.

Como eu era professora representante (eleita pela turma), as alunas solicitaram o meu apoio. Convite este, prontamente, aceito, pois achei linda e nobre a iniciativa delas e a traduzi como o próprio desenvolvimento da semente, plantada, pela antiga professora do primário.

Realizamos duas Campanhas no ano passado, contudo, o período de arrecadação em ambas foi curto. A primeira coincidiu com o período dos Jogos Internos da Escola e, devido a isso, a divulgação e o comprometimento maior da Comunidade Escolar ficaram prejudicados. E, além disso, a Campanha pegou à alta dos preços do leite em pó, o que acabou afetando as doações deste gênero alimentício.

A segunda, realizada no fim do ano, foi também prejudicada por ser período final do ano letivo, das provas, da formatura das turmas do último ano, entre outros problemas.
Embora o total arrecadado estivesse abaixo de nossa expectativa, o número de doações - mediante os respectivos períodos curtos das Campanhas - foi satisfatório.

Por sugestão minha, as doações passaram a ser distribuídas para duas Instituições:
. Hospital Mário Kroeff - Penha (RJ) (http://www.mariokroeff.org.br/) e
. Casa de Apoio à Criança com Câncer - São Vicente de Paulo - Irajá (RJ) (http://www.casaapoiocancer.org.br/).

Foram formados dois grupos, com diferentes segmentos da Comunidade Escolar (alunos, professores, funcionários e responsáveis) e cada qual se dirigiu a uma das Instituições.

A primeira Campanha deste ano (2008) terá início semana que vem. O número de alunos participantes, diretamente da Campanha, aumentou e grupos já foram formados. Para a próxima semana marcaremos um Encontro para definir as estratégias de divulgação (cartazes, divulgação nas salas de aula etc), os grupos de cada turno (manhã e tarde), os documentos a serem encaminhados a Supermercados e outros estabelecimentos comerciais (ofícios) etc.

Este ano, a Campanha vai ser bem mais organizada e com prazo longo para a arrecadação. O seu encerramento será em julho, tendo a data da entrega das doações fixada em 19 de julho (sábado).
Inicialmente, optou-se pelo dia 20 de julho por ser o Dia do Amigo, mas além deste ser um domingo, no dia 19 se comemora o Dia da Caridade. Por isso, a data foi antecipada. Nada mais pertinente com a ação dos alunos... Sendo assim, a entrega das doações será realizada neste dia, 19 de julho.

Tudo isso me faz refletir na importância do papel da ex-professora primária que, além de se envolver – por questões pessoais - em campanhas para ajudar os mais necessitados, despertou e desenvolveu o sentimento de fraternidade, o espírito solidário para com os próprios alunos. Esta professora fez a diferença!

A todos nós, professores e profissionais de Educação, que nossas palavras não transmitam só conteúdos do currículo, mas também palavras de amor, de solidariedade e de igualdade. Que nossas mãos não alcem apenas livros didáticos, cadernos, avaliações escritas, apagador etc., mas que se façam instrumentos de paz, de carinho e de união.

Parabéns, alunos da Turma 1701 da E. M. Dilermando Cruz! Vocês também fazem a diferença!
(Imagem capturada na rede)

2 comentários:

vitoria disse...

professora, muiito legal a senhora falar da nossa campanha!

Liana disse...

Cara Marli,

estou procurando informações sobre a Cidade dos Meninos, e encontrei o seu blog. Gostaria de saber qual é a população atual deste bairro. Será que você poderia me orientar como e onde eu posso encontar esta informação?
Aguardo retorno.
Meu email é:
liana.f@hotmail.com