domingo, 31 de agosto de 2008

30 de Agosto: Aniversário da Ana Carolina




Imagem capturada na Internet

Texto atualizado em 12/09/2014 às 00h35
 
Ontem, dia 30 de agosto, minha filha fez 12 anos. Seu nome é Ana Carolina e, como ela é a grande riqueza da minha vida, vou compartilhar com todos a alegria que senti no momento em que ela entrou na casa de minha mãe e foi recebida por todos que a aguardavam na festinha surpresa que havia preparado.
Sinto-me a vontade de falar a respeito disso aqui, apesar da proposta principal ser outra, porque muitos alunos conhecem a minha filha e, outros tantos, a conheceram há muito tempo, quando esta era bem menor e freqüentava a escola quando ia para a fonoaudióloga.

A semana foi difícil para mim. Foram as últimas correções de provas, o Conselho de Classe na escola municipal, problemas particulares e de saúde, entre outros... Além destes, toda uma situação de segredo e compras às escondidas para que a minha filha não descobrisse que eu estava preparando uma festinha de aniversário para ela na casa da minha mãe.
A princípio, ela mesmo não queria nada de comemorações, pois como iria completar 12 anos, a fase infantil - para ela - desapareceu e, em seu lugar, surgiu a adolescência, com toda as suas características inerentes à fase.

Como sempre fora a sua habitual comemoração de aniversário - festa com motivos infantis - em sua concepção, o aniversário deste ano não poderia ter festa.

Ela não queria ser tratada mais como criança. Afinal, o próprio Estatuto da Criança e Adolescente (Lei no 8069 - 13 de julho de 1990) afirma que "Considera-se criança, para os efeitos desta Lei, a pessoa até doze anos de idade incompletos, e adolescente aquela entre doze e dezoito anos de idade" (Art. 2º).

Eu que sempre citava esta prerrogativa, quando ela afirmava não ser mais criança, ouvi da mesma sob o argumento que agora já era adolescente.

Foi difícil preparar a sua festa sem o conhecimento, inclusive, do meu marido e pai dela, pois ele também não estava muito afim de ter festa. Mas, ela é a minha única filha e sei que gosta. Daí, a minha idéia de ser surpresa. Quer dizer... surpresa só para os dois, pois todos da minha família (mãe, irmãs, sobrinhos, tia e primas) sabiam e me ajudaram muito.

Não houve motivo infantil, mas um infanto-juvenil: Hannah Montana.

Imagem capturada na Internet

Ela adora este seriado e por isso encomendei um bolo com papel de arroz sobre Miley Cyrus e Hannah Montana. A imagem foi a seguinte:

Imagem capturada na Internet


Achei material de festa com o tema; comprei apenas a vela e transformei o enfeite de mesa em poster (ele era grande). Tentei fazer o mínimo para não ficar caracterizado uma festa de aniversário infantil.

Mas e as bolas? Ah, qualquer festa de aniversário, seja de adolescente, tem lugar para bolas. E o dela, também, teve (brancas e vermelhas). Toalha sem o mesmo motivo, mas rosa para combinar.

Na sexta-feira havia passado mal e, mesmo assim, preparei à noite os docinhos e parte da organização da sala.
Meu sobrinho Luiz Felipe (Lipe) me ajudou muito, inclusive, colocando a faixa de "Feliz Aniversário"e centralizando o poster da Hannah Montana na arca da sala da minha mãe. Fui dormir às 4h da manhã.

Eu fiz os docinhos (brigadeiro, beijinho, de abacaxi e cajuzinho) e minha mãe me ajudou, passando o brigadeiro no granulado e o beijinho no açúcar. Ela foi dormir tarde, quase 2 horas da madrugada e, eu, às quatro.

Acordei às 6 h, arrumei a casa, aprontei as jujubas nos potes, fiz cachorro-quente, ovos de codorna e o molho. Ainda fui no supermercado.

Eu prometi chegar cedo em casa (eu teria que sair da casa da minha mãe às 9 h), mas só retornei às 10:40h.

Tinha que chegar cedo, pois nós tínhamos combinado de ir ao Shopping desde cedo. O Ivan chegou a me perguntar se eu estava preparando uma festa surpresa e eu neguei.

Estava morta de sono, também pudera, né! Ana Carolina reclamou do meu sono, mas eu não poderia justificá-lo. Pelo menos, não, naquele momento!

Fomos ao Shopping. Almoçamos, fizemos compras e retornamos quase no final da tarde. O Ivan soube da festa no Shopping. Ele não aprovou, mas eu estava firme na minha opção e projeto.

Dei um pulo na casa da minha mãe com a alegação que iria comprar um bolo no comércio para cantar o parabéns, à noite, só com a minha mãe (eu afirmei que iria dormir na casa dela no sábado, também).

Minha irmã Roseli e o marido dela (Juca) estavam chegando com os salgadinhos, que eu havia encomendado. Ela também pegou o bolo. Terminei de arrumar algumas coisas e voltei para casa.

A hora H nunca chegava, pois tínhamos que esperar que todos chegassem para garantir que ela não percebesse a minha real intenção.

Finalmente, saímos de casa e nos dirigimos à casa da minha mãe. No trajeto, a Ana Carolina ainda afirmou que o aniversário deste ano estava sendo o pior de todos. Eu instiguei mais ainda, dizendo que foi ela mesmo que não quis festa nenhuma. Continuamos em direção à casa da minha mãe...

Tocamos a campainha e foi a Fernanda que atendeu, chamando-a de chata (este é o tratamento habitual de ambas, rsrsrs).

A minha expectativa era grande e Ana Carolina na minha frente foi quem abriu a porta. Ao entrar, todos que estavam na sala, gritaram "Parabéns". Ela fez uma cara de supresa, que foi uma pena não ter filmado.

Ela demonstrou surpresa e, ao mesmo tempo, felicidade. Eu amei... acertei na mosca e em seu coração. Sem dizer no meu, como mãe. Tudo deu certo.

Estavam presente: minha mãe (é claro!), Roseli e filhos (Luís Felipe e Fernanda); Doroti, Luiz e filhas (Clara, Camila e Laís); Sueli e filhos (Carolina e André); minha tia Wilma; Guilherme (namorado da Fernanda) e sua irmã Mariana; Rodrigo (namorado da Clara) e Ana Cláudia (ex-aluna e "filha adotiva" da Sueli).

Ana Carolina adorou e brincou muito com a sua prima Laís. Esta foi até dormir em casa. Terminamos a festinha cedo devido a violência do bairro.

Saímos de lá depois que limpei tudo. Eram quase 23 horas. Algumas coisas menores ainda ficaram para terminar, mas reorganizei quase tudo.

Embora super cansada, eu estava muito feliz, pois vi a minha filha feliz também. E era isso que eu queria poder proporcionar à ela: alegria, felicidade...

Doze anos... minha menina já está uma moça. Percebe-se isso nos seus novos hábitos: gosta de ficar deitada ouvindo música no MP4; espalhou poster em seu quarto (HSM, Camp Rock, NX Zero, Hannah Montana, Selena); está preferindo roupas menos infantis (sem desenhos) e mais modernas e condizentes com a faixa de idade de adolescente etc.
 








Imagens capturadas na Internet


Agradeço a todos da minha família que me ajudaram direta e/ou indiretamente na organização da festinha de aniversário da minha filha. Estendo este agradeciementos à minha amiga Glaucia da escola Dilermando Cruz, que também se ofereceu a me ajudar. Obrigada a todos!
 

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Campanha de Solidariedade - 2008

 


“SOLIDARIEDADE AMIGOS,
NÃO SE AGRADECE, COMEMORA-SE!”
Herbert de Souza, o Betinho


É com estas palavras do saudoso Betinho, que estou aqui para avisar a toda a comunidade interna da E. M. Dilermando Cruz, que a Campanha da Solidariedade de 2008 foi um SUCESSO.
 
E o SUCESSO só foi possível graças à colaboração e solidariedade de todos os membros de sua comunidade interna, ainda mais, se levarmos em consideração que vivemos numa sociedade caracterizada, em sua grande maioria, pelo individualismo e egoísmo.
Estou só agora publicando e divulgando todo o processo da referida Campanha no Blog e sob a forma de cartazes na referida Unidade Escolar devido o atraso da entrega das autorizações de imagem por parte de alguns alunos.
Tal como aconteceu no ano passado, os alunos da atual Turma 1701 recomeçaram, em 2008, a Campanha e provaram que a Solidariedade foi ensinada, tendo tido sua semente lançada e semeada à partir da prática de uma antiga professora do segundo Ciclo de Formação da nossa Unidade Escolar.
 
A semente foi plantada e semeada com muito sucesso... Daí, o envolvimento maior dos membros da nossa Comunidade Escolar este ano.


H I S T Ó R I C O

Há três anos, a professora Eliane de Castro Santos iniciou uma campanha para arrecadação de latas ou sacos de leite em pó, caixas de gelatina vermelha e brinquedos usados para o Hospital Mário Kroeff, localizado na Penha (RJ). A campanha foi um sucesso, repetindo-se no ano subseqüente (2006).
 
Ano passado, em 2007, os alunos da referida professora ingressaram no 6º ano do 2º Ciclo (antiga 5ª série) e, sem a interfer6encia direta desta, tomaram a iniciativa própria de engendrar uma nova Campanha para arrecadação de alimentos e brinquedos, com os mesmos objetivos.
 
Na época, como eu era professora-representante da turma, os alunos solicitaram o meu apoio. O convite foi prontamente aceito, pois além do projeto estar representando uma ação nobre, ele me foi traduzido como o próprio desenvolvimento da semente, plantada, pela antiga professora do “Primário”.
 
Em 2007 foram realizadas duas Campanhas, porém o período de arrecadação de ambas foi muito curto. A primeira coincidiu com o período dos Jogos Internos da Escola e, além disso, calhou do preço do leite em pó estar em alta.
 
A segunda coincidiu com o período final do ano letivo, das provas, da formatura das turmas do último ano, entre outras situações internas à U.E. No entanto, apesar disso tudo, o total arrecadado foi satisfatório.
 
As doações foram destinadas a duas Instituições:


. Hospital Mário Kroeff - Penha (http://www.mariokroeff.org.br/)

. Casa de Apoio à Criança com Câncer - São Vicente de Paulo - Irajá (http://www.casaapoiocancer.org.br/).

As doações foram entregues por dois grupos, formados por diferentes segmentos da Comunidade Escolar (alunos, professores, funcionários e responsáveis), sendo que cada qual se dirigiu a uma das Instituições.



CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE – 2008


A Campanha deste ano iniciou de forma um pouco diferente, pois foi realizado também um Concurso de Desenho, aberto a toda a Comunidade Escolar, para escolha do Logotipo da Campanha de Solidariedade. O Concurso foi divulgado, inclusive, aqui, no Blog.
 
A definição de um Logotipo se fez necessário, uma vez que o sentimento solidário semeado nos corações dos alunos se expandiu muito e tomou conta de tantos outros, fazendo a Unidade Escolar ser reconhecida como uma Escola Solidária.



Imagens cedidas pela aluna Vitória Moraes - 2008
Data impressa incorreta




Nesta I Campanha do ano de 2008, o total arrecadado foi:

. 762 Caixas de Gelatinas;

. 38 Sacos e/ou Latas de Leite em Pó;

. 297 Brinquedos (boas condições de uso);

. 02 Peças de Roupas e

. 03 Acessórios (mochilas e sacola).


Produtos alimentícios e brinquedos arrecadados
Imagens cedidas pela aluna Vitória Moraes - 2008
Data impressa incorreta



A participação e o envolvimento da Professora Eliane de Castro Santos e de seus alunos (turmas 1301 e 1501), nesta Campanha, merecem destaque especial, pois só eles são responsáveis pela doação de 450 caixas de gelatinas do total arrecadado.

Mas, assim como eles, todos que participaram e abraçaram a Campanha merecem o reconhecimento e agradecimentos, pois fizeram a DIFERENÇA em uma sociedade ainda muito marcada pelo egoísmo.

A palavra que encerra o lado oposto do egoísmo é o Altruísmo, considerada como sinônimo de Solidariedade.

Segundo a Wikipédia, esta expressão foi criada pelo filósofo francês Augusto Comte, em 1830, para definir "o conjunto das disposições humanas (individuais e coletivas) que inclinam os seres humanos a se dedicarem aos outros".

Sendo assim, pode-se afirmar que, felizmente, as atitudes altruístas vêm sobressaindo e caracterizando, cada vez mais, a nossa Comunidade Escolar. E estas vêm sendo verificadas não apenas em termos de donativos (produtos), mas em atitudes também.

A data da entrega das doações foi no dia 19 de julho (sábado), dia em que se comemora o Dia da Caridade.
Não tivemos a participação de responsáveis nos dois grupos formados, mas as equipes – bem representativas – cumpriram com os seus devidos deveres.

Para o Hospital Mário Kroeff, no bairro da Penha, foram as alunas Bruna Kely, Sarah Alessandra e Karlla Rodrigues, a nossa Diretora Angela Gaeta e eu, profa Marli Vieira.



Hospital Mário Kroeff
Imagem do meu acervo particular - 2008
O outro grupo, formado pelas alunas Vitória Moraes, Victória da Silva e Tamiris Neves, além das professoras Sueli Vieira e Maria da Graça Cruz (equipe da Direção), foram para a Casa de Apoio à Criança com Câncer, localizado no bairro de Irajá.
 
No local estava acontecendo uma festa, patrocinada por um grupo de voluntários. O grupo da escola, inclusive, demorou ao retornar, pois gostaram muito do evento.

As alunas Vitória, Tamiris, Victória e a Profa. Graça
na Casa de Amparo à Criança com Câncer
Imagem cedida pela aluna Vitória Moraes - 2008


Parentes das crianças em tratamento no Rio
Ao fundo, as professoras Graça e Sueli Vieira
Imagem cedida pela aluna Vitória Moraes - 2008

Festividade promovida por um grupo voluntário
Imagens cedidas pela aluna Vitória Moraes - 2008
Ambas as Instituições assinaram um documento nosso com a relação dos produtos doados e o quantitativo. O Hospital Mário Kroeff enviou-nos, também, uma carta de agradecimento, já que no dia fomos atendidos por um outro funcionário (da manutenção), por ser sábado e, não, do Setor de Captação de Recursos Externos, como é o habitual.

No final do ano será realizada outra Campanha e esperamos contar, mais uma vez, com o apoio e a solidariedade de toda a Comunidade Escolar.

Parabéns a todos! Pois a diferença foi feita e desta estamos construindo uma
Escola mais Solidária...

CONCURSO DO LOGOTIPO DA
CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE
Apesar de o Concurso ter sido aberto a toda a Comunidade Escolar e tendo um número de inscrições elevado, o quantitativo de desenhos recebido até o dia 27 de junho (último dia para a entrega) foi de apenas vinte e três (23) produções artísticas, cuja representatividade se deu da seguinte forma: 22 (vinte e dois) alunos e 01 (um) professor.

No dia 01 de julho foi iniciado o processo de sufrágio através da exposição dos desenhos, devidamente enumerados, no Refeitório da escola, para apreciação de cada turma e escolha através do voto em urna.


Desenhos expostos na parede do Refeitório
Imagem do meu acervo particular - 2008


Seguindo as normas pré-estabelecidas, só o corpo discente teve direito ao voto, com registro de assinatura em ficha de controle, que foi realizado no local e/ou em sala de aula junto com o professor (principalmente no caso dos anos iniciais).

No entanto, dois alunos do terceiro Ciclo reclamaram que os seus respectivos desenhos não se encontravam entre os trabalhos expostos, na parede. Em razão disso, o processo eleitoral foi cancelado. Todos os votos foram invalidados e a eleição foi transferida para o dia 03 de julho.

Cumprindo o prazo reconstituído, no dia 03 de julho (5a feira), com os referidos desenhos agrupados, foi realizada a exposição dos desenhos e os procedimentos para o pleito eleitoral.

Tivemos um outro problema, pois um destes últimos desenhos se encontrava fora das Normas do Concurso (imagem já pré-existente). Diante disso, esta foi retirada da exposição e o seu autor devidamente informado.

O novo processo eleitoral transcorreu, normalmente, com apenas 22 desenhos. Os trabalhos foram expostos, pela manhã, na parede do Refeitório da Unidade Escolar, onde o corpo discente, enfileirado por turma, observou cada desenho concorrente e, logo depois, votou, depositando o seu voto na urna.

Turma sendo conduzida para votar no Refeitório
pela aluna Victória da Silva
Imagem do meu acervo particular - 2008



Apreciação e análise dos desenhos pelos alunos
Imagens do meu acervo particular - 2008


Os desenhos foram numerados de 1 a 22, ficando omitidos os nomes de seus respectivos autores.
 
A urna foi confeccionada sob uma caixa-arquivo devidamente identificada e lacrada com fita adesiva.

Em termos de organização do espaço e o próprio desenvolvimento do processo eleitoral, merecem destaque as alunas da turma 1701 (Bruna Kely, Juliana Pereira, Sarah Alessandra, Tamiris Neves, Thaynara dos Santos, Victória da Silva e Vitória Moraes) e as alunas da turma 1703 (Ana Carolina Pereira e Monique Martins Tricarico), que contribuíram, entre outras coisas, na preparação da urna (improvisada sobre uma caixa-arquivo).



Votação e depósito na urna
Imagem do meu acervo particular - 2008

Além destas, vale destacar os alunos do primeiro e segundo Ciclo, que demonstraram verdadeira responsabilidade cidadã, apesar da pouca idade.

A votação foi suspensa na hora do recreio e durante o intervalo entre o primeiro e o segundo turno (horário do almoço).

A apreciação dos desenhos e o sufrágio, no segundo turno, ocorreram no pátio da escola, uma vez que a distribuição de merenda no Refeitório, pela manhã, prejudicou muito o processo eleitoral.





Processo eleitoral realizado no pátio no segundo turnoImagem do meu acervo particular - 2008

Muitos alunos não participaram do processo eleitoral, uma vez que algumas turmas estavam realizando prova ou praticando atividades de Educação Física.

A votação foi encerrada minutos antes do término do segundo turno, quando se deu o início da apuração dos votos, no próprio Refeitório, sob a minha coordenação e de dois alunos da turma 1901, os quais atuaram como testemunhas e auxiliaram na contagem dos votos (Mayara Bezerra de Lima e Alex Mendes).

Devido o adiantado da hora e a quantidade elevada de votos ainda a ser apurado, as professoras Márcia Ruggi (Coordenadora Pedagógica) e Maria da Graça Cruz (Equipe de Direção) lacraram a urna e guardaram em local apropriado para a retomada da contagem no dia seguinte.

No dia seguinte, 06 de julho, prosseguiu-se com a contagem dos votos e, após o término da apuração, bem como do registro da mesma, foi divulgado o resultado do sufrágio e a autoria do desenho vencedor, sob a forma de cartaz, no pátio interno da Unidade Escolar.

Mil (1000) alunos participaram da eleição, representando trinta e uma (31) turmas, cujo resultado foi:

966 votos válidos (cerca de 97%);
32 votos inválidos/nulos (32%) e
02 votos em branco (0,2 %).

Os cinco desenhos mais votados e seus respectivos autores foram:

Primeiro Lugar: Kalina Matias da Silva (Turma 1902), com 366 votos (desenho no 08);
Segundo Lugar: Márcia Raposo (Professora - Sala de Recursos), com 111 votos (desenho no 09);
Terceiro Lugar: João Felipe L. Silva (Sala de Recursos), com 96 votos (desenho no 05);
 
Quarto Lugar: Bruna Silva Carvalho (Turma 1801), com 78 votos (desenho no 16);
 
Quinto Lugar: Igor Ricardo de A. Daltro (Turma 1902), com 76 votos (desenho no 10).



Desenho Vencedor - Kalina Matias (Turma 1902)




Documentos entregues às Intituições










Documento recebido do Hospital Mário Kroeff

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Mensagem: A Importância dos Detalhes

Imagem capturada da Internet


A IMPORTÂNCIA DOS DETALHES


Um homem rico estava muito mal, agonizando. Pediu papel e caneta.
Escreveu assim:

"Deixo meus bens a minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do padeiro nada dou aos pobres."

Morreu antes de fazer a pontuação.

A quem deixava ele a fortuna?

Eram quatro concorrentes.


1) O sobrinho fez a seguinte pontuação:

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

2) A irmã chegou em seguida. Pontuou assim o escrito:

Deixo meus bens à minha irmã. Não a meu sobrinho. Jamais será paga a
conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

3) O padeiro pediu cópia do original. Puxou a brasa pra sardinha dele:

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

4) Aí, chegaram os descamisados da cidade. Um deles, sabido, fez esta interpretação:

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro? Nada! Dou aos pobres.


Moral da Estória:

Assim é a vida.
Pode ser interpretada e vivida de diversas maneiras.
Nós é que colocamos os pontos.
E isso faz toda a diferença.

domingo, 24 de agosto de 2008

Encerramento dos Jogos Olímpicos da China


Primeiro e segundo lugares no Quadro de Medalhas
Olimpíadas de Beijing - 2008
Imagem capturada na Internet


Os Jogos Olímpicos de 2008 encerraram ontem com muita festa e cor. Eu mesma não pude assistir o encerramento, mas acompanhei os "flashes" pelos Telejornais.

Apesar de todos os problemas sob o contexto do próprio sistema político do país e da falta de liberdade inerente a este, temos que admitir que foi mais um grande evento esportivo, que reuniu atletas de diferentes modalidades e nações (204 países participantes), cada qual desempenhando “o seu melhor possível” diante de sua habilidade e competência, no qual a maior vitoriosa foi a própria China, que conquistou o primeiro lugar no quadro de medalhas com um total de 100 premiações, sendo 51 medalhas de ouro, 21 de prata e 28 de bronze.

Os EUA ficaram em segundo lugar e, apesar de terem conquistado o maior número destas (110 medalhas ao todo), eles perderam a liderança em razão do número na categoria de ouro (15 a menos que a China).

O terceiro lugar ficou com a Rússia (72 medalhas), seguida da Grã-Bretanha (47 medalhas) e Alemanha (41 medalhas), quarto e quinto lugar, respectivamente.

O Brasil encerrou os Jogos ocupando a 23a posição no referido quadro, tendo obtido 3 medalhas de ouro, quatro de prata e oito de bronze.

Não foi negar que fiquei meio decepcionada, mas considerando o aporte técnico e logístico que os países desenvolvidos oferecem face à estrutura e às condições proporcionadas aos nossos atletas, as equipes e os atletas individuais que conquistaram, bem como aqueles que apenas participaram merecem os nossos cumprimentos.

Para ver a posição de cada país no quadro geral de medalhas, Clique Aqui!

Embora os Jogos Olímpicos tenham sido encerrados neste último domingo, dia 24 de agosto, eu continuarei a postar tópicos acerca do referido país, inclusive, porque um outro lado da festa não apareceu, pelo menos, não foi exibido de forma clara nas mídias, o qual contrasta significativamente com a beleza e imponência do evento em si.

Alguns comentários e reportagens, no entanto, retrataram, mas a grande maioria dos alunos desconhece a situação da sociedade chinesa.

Charge


A República Popular da China é governada pelo Partido Comunista da China (PCC), tendo como atual Presidente Hu Jintao e seu Primeiro-Ministro Wen Jiabao.

Presidente Hu Jintao - Imagem capturada na Internet


Embora, a Constituição da República Popular da China garanta direitos individuais, a sua política é considerada uma das mais restritas em termos de falta de liberdade de imprensa, de uso e acesso à Internet, de opiniões através de entrevistas e/ou manifestações e, também, de violações aos direitos humanos.

São comuns repressões a manifestações populares, torturas, prisões sem julgamento, a prática de confissões forçadas, maus-tratos a prisioneiros, entre outros.

Charge - Crítica ao Sistema Político - Imagem capturada na Internet

Além destes há outros aspectos, como as denúncias de práticas forçadas de abortos e de esterilização em face da política de Planejamento Familiar (“Uma criança por família” ou “Filho Único”), instituída na década de 70 do século passado para conter o crescimento vegetativo ou natural da população, uma vez que a China é o país mais populoso do mundo, apresentando uma População de mais de 1,3 bilhão de habitantes (estimativa de Julho/2008).

Em outra postagem falarei mais sobre a política de Planejamento Familiar baseada em “Uma Criança por Família” e as medidas adotadas pelo Governo após o número elevado de crianças mortas em conseqüência dos terremotos que sacudiram o país, neste ano, fazendo com que diversas famílias perdessem seus únicos filhos.

Outro aspecto, bastante criticado, e contestado pela própria China diz respeito à falta de liberdade religiosa. Segundo fontes bibliográficas (reportagens, em especial), a liberdade de religião no país é ainda mínimo, embora o Governo conteste.

A China também é acusada de violação de direitos trabalhistas e, neste aspecto, ela é bastante citada nas mídias.

Entre os abusos aos direitos trabalhistas, mais comuns, praticados no país, destacam-se a exploração do menor (trabalho infantil) e do trabalhador em termos de grande jornada de trabalho versus baixos salários, falta de garantias de carteira assinada e outros direitos trabalhistas, más condições de trabalho, horas extras forçadas etc.

Inclusive, a Folha Online publicou, recentemente, uma reportagem acerca da violação dos direitos trabalhistas, com referência a produtos voltados para as Olimpíadas de Beijing (Pequim).
A referida reportagem trata de uma denúncia, documentada através de Relatório, da Aliança Internacional de Sindicatos Playfair, que acusou o Comitê Olímpico Internacional (COI) de ter ignorado os abusos contra trabalhadores empregados para produzir, principalmente, souvenires olímpicos (bonés, bolsas, artigos de papelaria e escritório etc).

A denúncia havia sido feita no ano passado. Leia a reportagem na íntegra Aqui!

Estes são alguns aspectos negativos das características sócio-econômicas da China, país emergente, que tem apresentado um crescimento econômico vertiginoso, mas que não acompanha o desenvolvimento, pois este se sustenta ainda sob uma má distribuição de renda, tendo a maior parte de suas indústrias, multinacionais, além de conter graves violações de direitos humanos sob um contexto de relação homem versus homem e, também, de homem versus natureza bastante equivocada perante o que se almeja em termos de nação desenvolvida e democrática.

Por isso, em breve falarei também acerca da poluição e o Aquecimento Global, bem como dos conflitos com os tibetanos.

Assistam abaixo um vídeo sobre algumas destas questões abordadas, inclusive, das duas idosas que queriam protestar, como citei em sala de aula. Através deste pude entender as razões dos protestos delas, uma vez que a jornalista não citou na outra reportagem.


quinta-feira, 21 de agosto de 2008

As Diferentes Fases da História da China

 
República Popular da China em destaque 
Imagem capturada na Internet
A História da China, país cheio de contrates naturais e socioeconômicos vai ser contada a partir das seguintes fases, por quais perpassou o seu povo sob diferentes sistemas políticos:
 
. História da China Antiga;
 
. História Moderna da China;
 
. A Revolução da Nova Democracia na China;
 
. A República Popular da China.
 
Antes disso, em termos de hominídeos, de pré-história, é sabido que tanto a África quanto à Ásia é caracterizada por registros arqueológicos de grande importância para o estudo da evolução do homem.
 
O fóssil mais conhecido, encontrado em território chinês, é o yuanmounensis, datado de 1.700.000 anos, que foi descoberto em Yuanmou, na Província de Yunnan.
 
Outro registro de grande relevância científica, também na China, foi o Homo erectus pekinensis, denominado de “O homem de Pequim”.
 
Molde do "Homem de Pequim" - Imagem capturada na Internet
O “homem de Pequim” viveu na região de Zhoukoudian, nas proximidades de Pequim, há cerca de 400 e 500 mil anos. Denominado inicialmente como Sinanthropus pekinensis, este passou a ser chamado Homo erectus pekinensis, por se encontrar agrupado na espécie Homo erectus. Ele caminhava ereto, dominava a técnica de fabricação de instrumentos simples e utilizava o fogo.
 
Ele foi descoberto no início do Século XX, durante escavações em um local próximo à Pequim, no período de 1923 a 1927. No entanto, os fósseis originais desapareceram, em 1941, quando os mesmos foram enviados para os EUA.

Além destes achados arqueológicos, a China é apontada como um dos países do chamado “Velho Mundo” (Europa, Ásia e África), que apresenta uma das mais antigas civilizações do mundo. Há fontes históricas, escritas, de cerca de 4 mil anos.
 
 
. HISTÓRIA DA CHINA ANTIGA
 
Textos transcritos, na íntegra, da Fonte: China: Tudo sobre a China, tendo sido apenas enriquecida com imagens capturadas na Internet.

Durante o longo período da sociedade primitiva, até o século XXI a.n.e (antes da nossa era), apareceu a primeira dinastia da história da China, a Xia, com a qual começou o período da sociedade escravista.

Transcorreram as dinastias Shang (séc. XVI-XI a.n.e. aproximadamente) e Zhou do Oeste (séc. XI-770 a.n.e. aproximadamente) quando se desenvolveu a escravidão.

Depois vieram o Período de Primavera e Outono e o Período dos Reinos Combatentes (770-221a.n.e.).

Estes dois períodos são considerados como etapas de transição da sociedade escravista para a feudal.

A China é um dos países de mais antigo desenvolvimento econômico. Desde há 5 ou 6 mil anos, os habitantes da bacia do Rio Huanghe (Rio Amarelo) tinham a agricultura como ocupação principal e criavam gado.

Durante a dinastia Shang, há mais de 3 mil anos, se conhecia a técnica de fundir o bronze, usavam instrumentos de ferro e produziam utensílios de cerâmica branca e esmaltada.

A produção e tecelagem de seda também estavam bastante desenvolvidas e se inventou a mais antiga técnica de tecer seda com motivos em alto-relevo.

No período de Primavera e Outono (770-446 a.n.e.), surgiu a técnica de produção de aço.

Durante o período dos Reinos Combatentes (475-221 a.n.e.), Li Bing e seu filho dirigiram a construção da obra hidráulica de Dujiangyan, nos arredores da atual cidade de Chengdu, Província de Sichuan, ordenando racionalmente as atividades de irrigação, desvio de inundações e remoção de areia.

Esta obra pode ser considerada como um grande êxito da ciência e da tecnologia hidráulica da antiguidade e atualmente continua desenvolvendo atividade importante.

Durante o período de Primavera e Outono e o dos Reinos Combatentes, houve grande prosperidade acadêmica sem precedentes no setor ideológico.

As personalidades mais representativas manifestavam livremente suas doutrinas e publicavam obras de discussão política e análise da sociedade.

Deste modo, surgiu a situação na qual “concorriam cem escolas de pensamento”. Lao Zi, Confúcio, Mo Zi e Sun Wu foram representantes desse período.

No ano 221 a.n.e., Qin Shi Huang pôs fim às lutas dos dignitários que governavam no período anterior dos Reinos Combatentes e fundou a dinastia Qin.



Qin Shin Huang 
 Imagem capturada na Internet e introduzida no texto original

Foi este o primeiro Estado feudal pluriétnico unificado e com poder centralizado.

Qin Shi Huang unificou as letras, a unidade de medida e a moeda, estabeleceu o sistema de prefeituras e distritos, construiu a famosa Grande Muralha e também o palácio imperial, a tumba e a residência temporária para si próprio, em Xianyang e Lishan.

A Grande Muralha da China 
Imagem capturada na Internet e introduzida no texto original



Palácio Imperial
Imagem capturada na Internet e introduzida no texto original

As construções sobre o solo foram depois destruídas pela guerra, porém os objetos do subsolo ficaram guardados para o futuro.

Os “guerreiros e cavalos de terracota”, importante descoberta arqueológica do túmulo do imperador Qin Shi Huang, são conhecidos como a “oitava maravilha do mundo”; o conjunto grandioso e imponente muito impressiona os turistas.


Guerreiros de terracota 
Imagem capturada na Internet e introduzida no texto original

No final da dinastia Qin, Liu Bang, de origem humilde e Xiang Yu, general aristocrático, acabaram juntos o domínio de Qin e depois de alguns anos Liu Bang venceu a Xiang e criou a forte dinastia Han, no ano 206 a.n.e..
 
Durante a dinastia Han, a agricultura, o artesanato e o comércio tiveram grande desenvolvimento.

Durante o imperador Wudi, a dinastia Han passou pelo período mais próspero e poderoso.
 
Derrotou os hunos e mandou Zhang Qian ao Oeste, abrindo um caminho que, partindo de Chang’an (atual Xi’an, Província de Shaanxi) alcançava a costa oriental do Mediterrâneo, passando pela Província de Xinjiang e a Ásia Central, a chamada “Rota da Seda”, que possibilitava o transporte contínuo das belas sedas para o Ocidente.

No ano 33 a.n.e., a princesa Wang Zhaojun se casou com Huhanye, o chefe dos hunos e assim o país pluriétnico se unificou cada vez mais.
 
A dinastia Han durou 426 anos e no ano 220 começou a época dos Três Reinos (220-265) ou seja, Wei, Shu e Wu.

Durante o período dos Três Reinos, os políticos Cao Cao, Zhuge Liang e Sun Quan foram personagens famosas.

Cao Cao, fundador do Reino de Wei, empregou a política de aproveitar amplamente os talentos, esconder tropas e abrir terras férteis para defender as zonas de fronteira.

Zhuge Liang foi Primeiro Ministro do Reino de Shu. Sua nobre qualidade de não medir esforços para cumprir com seu dever passou a seus sucessores como modelo de sabedoria da antigüidade chinesa.

O fundador do Reino de Wu, Sun Quan, derrotou Cao Cao em Chibi junto com Liu Bei. Logo derrotou Liu Bei em Yiling, mandou funcionários para a agricultura e impôs uma política de cultivo da terra, impulsionando a exploração agrícola no Sul do Changjiang (Rio Yangtzé). As façanhas destas três personagens estão detalhadas no romance Crônica dos Três Reinos.

Depois deste período, da dinastia Jin (265-420), das dinastias do Sul e do Norte (420-589) e da dinastia Sui (581-618), Li Yuan estabeleceu em 6l8 a dinastia Tang (618-907).

Seu filho Li Shimin, o Imperador Taizong, foi um dos imperadores que tiveram mais êxito da história chinesa. Ele tomou uma série de medidas conhecidas como “Política de Zhenguan”, impulsionando a prosperidade na época feudal.

Na época dos Tang se desenvolveu muito a agricultura, o artesanato e o comércio.

A tecelagem, a tinturaria, a produção de cerâmica, a siderurgia e a construção naval apresentaram novos progressos técnicos.

As comunicações aquáticas e terrestres tiveram grande desenvolvimento e se estabeleceram amplos contatos econômicos e culturais com o Japão, a Coréia, a Índia, a Pérsia e os países árabes.

Depois da dinastia Tang veio o período das Cinco Dinastias e Dez Estados (907 a 960).

Em 960 o General Zhao Kuangyin, do Reino de Zhou Posterior, deu um golpe de Estado e subiu ao trono, fundando a dinastia Song (960-1279).

Em 1206, Gengis Khan unificou as tribos mongóis e estabeleceu o kanato mongol. Seu neto Kublai entrou no Sul, fundou a dinastia Yuan (1271-1368) e elegeu Dadu, atual Beijing (Pequim), como sua capital.

Durante as dinastias Song e Yuan, a indústria e o comércio interno e externo também se desenvolveram. Muitos comerciantes e viajantes vieram à China e o veneziano Marco Polo realizou extensa viagem pelo país.

No relato de sua viagem, ele descreveu de maneira viva e detalhada a prosperidade e o poder da China, bem como seu florescimento industrial e comercial.

A fabricação de papel, a imprensa, a bússola e a pólvora, durante as dinastias Song e Yuan, tiveram novos progressos e foram transmitidos a outras regiões como contribuições importantes para a civilização universal.

Em 1368, Zhu Yuanzhang iniciou em Nanjing a dinastia Ming (1368 a 1644). Após a morte, seu filho Zhu Di subiu ao trono e começou a construir em Beijing, em grande escala, palácios e templos.

Em 1421 transferiu a capital para Beijing. Durante a dinastia Ming, a produção agrícola e o artesanato conseguiram notável desenvolvimento e no final dos Ming apareceram sinais do capitalismo.

Ao mesmo tempo, os contatos amistosos com outros países asiáticos e africanos tornaram-se cada vez mais frequentes.

No final da dinastia Ming, se fortaleceu o poder da etnia Manchu do Nordeste da China, que, sob a direção de seu chefe Nuerhachi, empreendeu expedições ao Sul e depois de três gerações, em 1644, foi fundada a dinastia Qing (1644 a 1911).

Kangxi e Qianlong foram os imperadores mais célebres desta dinastia, cujo reinado é chamado de “sociedade próspera de Kangxi-Qianlong”.

Durante este período foi publicado o longo romance Sonho das mansões vermelhas, no qual Cao Xueqin descreveu o processo de mudança da prosperidade para a decadência de uma família nobre feudal.


. HISTÓRIA MODERNA DA CHINA


Guerra do Ópio 
Imagem capturada na Internet e introduzida no texto original

A Guerra do Ópio, em 1840, constituiu um ponto de mudança para a história chinesa.

Como a corte Qing era corrupta e incapaz, buscou algumas vezes a reconciliação com os agressores estrangeiros e terminou firmando com o Governo inglês o “Tratado de Nanjing”, o qual humilhou a nação e fez perder sua soberania.

Desde esse momento, a China caminhou na direção de uma sociedade semi-colonial e semi-feudal.
 
Depois da Guerra do Ópio, a Inglaterra, os Estados Unidos, a França, a Rússia, o Japão e outros países obrigaram o governo Qing a firmar tratados injustos, se apoderaram pela força de “concessões” e delimitaram “esferas de influência”, realizando uma frenética repartição da China entre si.

O povo chinês, para se opor à opressão feudal e à agressão externa, desencadeou lutas heróicas nas quais se revelaram numerosos heróis nacionais.

Em 1851, Hong Xiuquan dirigiu a Revolução do Reino Celestial Taiping, o maior movimento revolucionário camponês na história da China.

Em 1911, Sun Yatsen dirigiu uma revolução democrática burguesa que derrotou a dominação da dinastia Qing. Com isto, se acabou a monarquia, que havia durado mais de dois mil anos e se estabeleceu o Governo Provisório da República da China.

A Revolução de 1911 foi um acontecimento de grande significado na história moderna do país. Entretanto, devido à conciliação e debilidade da burguesia, os resultados desta vitória foram aproveitados por Yuan Shikai, chefe dos caudilhos militares do Norte. O povo chinês continuava vivendo com grandes sofrimentos.

. A REVOLUÇÃO DA NOVA DEMOCRACIA NA CHINA

Presidente Mao Zedong
 Imagem capturada na Internet e introduzida no texto original
 
Em 1 de Outubro de 1949, o Presidente Mao Zedong proclamou a República Popular da China na tribuna de Tian’anmen.
 
Sob o impacto da Revolução de Outubro da Rússia, em 1919, instalou o Movimento de 4 de Maio, anti-imperialista e anti-feudal, com o qual o proletariado chinês passou a aparecer no movimento político do país.

O Movimento de 4 de Maio constituiu uma mudança da revolução democrática do velho tipo para a revolução de uma nova democracia.

Este acontecimento possibilitou a propagação do marxismo-lenismo e sua combinação com a prática da revolução chinesa, preparando a ideologia e os dirigentes para a fundação do Partido Comunista da China.

Em 1921, como representantes dos grupos comunistas das diversas regiões, Mao Zedong, Dong Biwu, Chen Tanqiu, He Shuheng, Wang Jinmei, Deng Enming, Li Da e outros, realizaram em Shanghai o I Congresso Nacional, com o qual nasceu o Partido Comunista da China.

Em 1924, Sun Yatsen, precursor da revolução democrática e fundador do Kuomintang, começou a cooperar ativamente com o Partido Comunista, organizando as massas operárias e camponesas para a Expedição do Norte.

Após o falecimento de SunYatsen, o grupo direitista do Kuomintang, com Chiaag Kai-shek como representante, deu um golpe de Estado contra-revolucionário em 1927, massacrando os membros do Partido Comunista e as massas revolucionárias.

Pouco depois fundou-se o governo do Kuomintang em Nanjing.

Este fato causou o fracasso da grande revolução e a partir deste momento o Partido Comunista dirigiu o povo na luta contra a dominação do Kuomintang, isto é na Guerra Revolucionária Agrária, a chamada “Guerra Civil de Dez Anos”.

Em julho de 1937, o Japão invadiu a China e as tropas do Kuomintang efetuaram uma série de batalhas frontais e deram duros golpes no exército japonês.

O Oitavo Exército e o Novo Quarto Exército, dirigidos pelo Partido Comunista, abriram frentes na retaguarda e, em condições difíceis, lutaram contra a maioria das tropas japonesas e quase todo o exército títere chinês, desempenhando um papel decisivo na vitória contra os japoneses.

A partir de 1946, as tropas do Kuomintang lançaram um ataque de massa sobre as regiões libertadas e dirigidas pelo Partido Comunista e se desencadeou uma verdadeira guerra civil.

Para libertar definitivamente o povo chinês, o Partido Comunista da China dirigiu o povo e o exército das regiões libertadas para iniciar a Guerra de Libertação Nacional.

Com a vitória nas três batalhas de Liaoshen, Huaihai e Beiping-Tianjin, em 1949, foi derrubado o governo do Kuomintang e o povo chinês conquistou a vitória na revolução da nova democracia.
 

Imagem capturada na Internet e introduzida no texto original

. A REPÚBLICA POPULAR DA CHINA


Imagem capturada na Internet e introduzida no texto original
De 21 a 30 de setembro de 1949, realizou-se a I Sessão Plenária da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês e dela participaram representantes dos diversos partidos, grupos e círculos sociais e democratas sem filiação partidária.
 
Nessa ocasião foi elaborado o Programa Comum, que desempenhou a função da Constituição Provisória e se elegeu o Conselho do Governo Popular Central da República Popular da China, com Mao Zedong como Presidente e Zhou Enlai como Primeiro Ministro do Conselho Administrativo do Governo e Ministro das Relações Exteriores.

Em 1 de outubro de 1949 se reuniram 300 mil habitantes de Beijing na Praça Tian’anmen para a proclamação da República.

Mao Zedong proclamou solenemente de cima da Tribuna Presidencial de Tian’anmen a República Popular da China.

Os primeiros anos da República Popular constituíram etapa de restabelecimento da economia nacional.

Ao mesmo tempo que se desenvolvia a produção, a China empreendeu grandes esforços para o estabelecimento gradual da propriedade pública dos meios de produção.

De 1953 a 1956, efetuou-se a transformação socialista, anteciparam-se os trabalhos do I Plano Quinquenal para o Desenvolvimento da Economia Nacional (1953-1957), construiu-se um grupo de indústrias de base não existentes no passado e imprescindíveis para a industrialização estatal, incluindo a produção de aviões e automóveis, de máquinas pesadas e de precisão, de equipamento de geração de eletricidade, da siderurgia e das instalações para minas, como também de aço de alta qualidade, a fundição de metais não ferrosos, etc.

Na etapa de 1957 a 1966, antes da “revolução cultural”, realizou-se a construção socialista em grande escala.

Comparando-se 1966 com 1956, o ativo fixo industrial do país, aos preços originais, aumentou quatro vezes e a renda nacional cresceu 58% a preços comparáveis.
Aumentou muitas vezes o volume dos principais produtos industriais e foram estabelecidas novas séries de ramos da indústria.

A infraestrutura agrícola e sua transformação tecnológica se realizaram em grande escala. O número de tratores e fertilizantes químicos aumentou mais de sete vezes.

Foi antecipada a realização do “Programa perspectiva de desenvolvimento da ciência e tecnologia de 1956 a 1967″ e se desenvolveram rapidamente muitos setores científicos e tecnológicos recém criados.
 
Nestes dez anos, o Partido Comunista e o Governo tiveram grandes falhas nos princípios de orientação, colocando em graves dificuldades a economia nacional em certos períodos.

A “revolução cultural”, que se realizou de maio de 1966 a outubro de 1976, foi iniciada e dirigida por Mao Zedong, Presidente do Comitê Central do Partido Comunista da China.

As camarilhas contra-revolucionárias de Lin Biao e Jiang Qing se aproveitaram dos erros cometidos por Mao Zedong nos fins da sua vida e às escondidas realizaram grande quantidade de atividades prejudiciais ao Estado e ao povo, levando-os a sofrer os mais graves golpes e perdas suportados desde 1949.
Apesar de que Mao Zedong tivesse cometido graves erros durante a “revolução cultural”, analisando-se sua vida em conjunto, são muito maiores os seus feitos e méritos do que suas falhas.

Em outubro de 1976, com apoio das grandes massas populares, o Partido Comunista desbaratou a camarilha contra-revolucionária de Jiang Qing e a China entrou em nova etapa de desenvolvimento de sua história.

Deng Xiaoping foi reconduzido a todos os cargos dentro e fora do Partido Comunista dos quais havia sido destituído durante a “revolução cultural”.
Com a convocação da III Sessão Plenária do XI Comitê Central do Partido Comunista da China, em fins de 1978, realizou-se uma mudança de longo alcance nunca vista desde a fundação da Nova China.

Em 1979, o país começou a aplicar a política de reforma e abertura formulada por Deng Xiaoping, a corrigir em todos os setores e conscientemente os erros de tendência esquerdista cometidos pela “revolução cultural” e nas épocas anteriores, a transferir o centro básico do trabalho para a modernização, a reajustar com energia as proporções da economia nacional, a reformar as estruturas da economia e da política, podendo assim definir gradualmente um caminho para a modernização socialista com peculiaridade chinesa.

A partir de 1979, com a reforma e a abertura, a fisionomia do país apresentou profundas mudanças.

Estes 20 anos foi o melhor período desde a fundação da República Popular da China e também o de mais benefícios conseguidos pelo povo.



Imagem capturada na Internet e introduzida no texto original

Texto transcrito, na íntegra, da Fonte: China: Tudo sobre a China, tendo sido apenas enriquecida com imagens capturadas na Internet.