sexta-feira, 10 de abril de 2009

Terremotos na região Central da Itália

Mapa da Itália
Imagem capturada na Internet



Nestes últimos dias tenho acompanhado as notícias dos terremotos (segunda e quinta feira passada), que sacudiram a cidade histórica de Áquila, capital da região de Abruzzo, na parte central da Itália.

O número de mortos divulgado foi em torno de 290 vítimas fatais, mas este número pode aumentar em função do número de pessoas desaparecidas, das buscas e remoção dos destroços.

A intensidade do primeiro terremoto, que ocorreu às 3h45 do dia 06 de abril (segunda feira), ainda, é um ponto controvérsio entre as Instituições responsáveis. Chegou-se a cogitar que a sua magnitude chegou à 5,8 graus na escala Richter, outras fontes, contudo, afirmam que a mesma marcou 6,3 graus na mesma escala.

Controvérsias à parte, o que se sabe é que o epicentro ocorreu a 95 km de Roma, em Arischia, entre as regiões de Lazio e Abruzzo, a uma profundidade de 10 km.

Na quinta feira (09/04) foram registrados mais dois tremores, sendo o primeiro de intensidade de 4,3 graus na escala Richter, o qual ocorreu às 00h55 local (19h55 em Brasília, na quarta-feira) e o segundo abalo, ainda mais forte, às 02h55 local (21h50), que foi percebido, inclusive, em Roma e em boa parte do centro do país.

Não há como ignorar o desastre e suas conseqüências. As cenas do enterro coletivo das vítimas dos terremotos e a dor expressa no rosto dos familiares e amigos presentes foram comoventes, mas a pior de todas as cenas foi a do caixão branco, pequeno, disposto em cima de um caixão maior. Caixão de uma criança e de sua mãe, respectivamente.

L' Áquila ou Áquila é uma cidade histórica, medieval, com mais de 60 mil habitantes, localizada em um vale cercado pelos Montes Apeninos. Seu nome L'Áquila significa "A Águia".

A região de Abruzzo é conhecida por suas histórias de bruxas, feiticeiros e encantadores de serpentes, membros de uma tribo conhecida como Marsi.

Considerada como um dos maiores tesouros arquitetônicos da Itália, a cidade de Áquila abriga diversos monumentos históricos, como fortalezas medievais, igrejas etc., os quais remontam ao Renascimento e à época do Império Romano. Inclusive, na região podemos encontrar as ruínas da cidade romana de Amiternum.

Entre os seus diversos monumentos históricos, destacam-se a basílica de São Bernardino de Siena, construída em 1472, onde se encontra o túmulo do santo e apóstolo da Itália e a de Santa Maria di Collemaggio, que abriga o mausoléu do Papa medieval Celestino V, o único a ter renunciado ao pontificado na história da Igreja.

A cidade de Áquila foi fundada em 1240 (Séc. XIII). Sua construção foi "ordenada" por Frederico II e seu filho Conrado IV, imperadores alemães do Sacro Império Romano-Germânico. Áquila passou a integrar o reino de Nápoles,que era um dos estados independentes que existiam no atual território da Itália.

Em razão dos monumentos medievais se apresentarem em ótimo estado de preservação, a cidade já foi cenário de filmes, como "O Feitiço de Áquila" (1985) e "O Nome da Rosa" (1986).

Contudo, grande parte deste patrimônio histórico foi danificada ou destruída parcialmente e/ou totalmente com os tremores que ocorreram nos dias 06 e 09 de abril. Nenhuma rua do centro histórico se salvou, a catedral da cidade sofreu danos e a cúpula da igreja da Alma Santa caiu completamente.

Como a maioria das edificações da cidade e de toda a região de Abruzzo é antiga, estas se mostram vulneráveis aos abalos sísmicos mais fortes. Segundo informações na rede, até mesmo as construções mais modernas se mostraram pouco resistentes aos tremores. Suspeita-se, inclusive, com relação ao cumprimento das normas oficiais para tornar as construções mais resistentes aos tremores e do material utilizado.

De acordo com diversas fontes de pesquisa, Giampaolo Giulianidias, pesquisador e especialista em Física do Laboratório Nacional de Física e Astrofísica Gran Sasso, localizado na regiâo de Abruzzo, havia alertado as autoridades sobre a iminência de haver um grande terremoto na cidade de Áquila.

Segundo o referido pesquisador, nos dois últimos meses, já haviam sido registrados cerca de 200 tremores de terra em Áquila pelo Instituto Italiano de Geofísica. Por conta destes registros, ele próprio, morador também da cidade, alertou às autoridades que, possivelmente, a série de pequenos tremores de terra verificados na região poderia ser o anúncio de um abalo sísmico de maior intensidade.

No entanto, este fora criticado e acusado de brincar com assuntos sérios e por alarmar a população local, tendo em vista que sua "tese" foi colocada on line.

Segundo, especialistas em Geofísica e em Sismologia, é impossível prever a ocorrência de um abalo sísmico. O próprio diretor do Departamento de Proteção Civil da Itália, Guido Bertolaso, declarou à imprensa, que embora a região seja sujeita a abalos sísmicos, não era possível prever o grave terremoto que aconteceu no último dia 06 de abril.

De acordo com o mesmo, os próprios especialistas em terremotos da Itália haviam se reunidos em Áquila, na semana passada, para discutirem os diversos registros de tremores de terra na região e concluíram que não era possível prever o ocorrido na última segunda-feira.

Giampaolo Giuliano, no entanto, discorda desta avaliação e afirmou, ao jornal Corriere della Sera, que o seu sismógrafo indicava um forte terremoto e que esta informação estava on line. Segundo o mesmo, o Laboratório Nacional usa um sistema de análise chamado "Revelador Gama", cujo método se baseia na observação da emissão de gás radônio, um gás nobre, no solo da região. E como há três dias, eles verificaram um forte aumento do radon, a previsão era de fortes terremotos.

Por causa da série de tremores de terra, registrados nas últimas semanas, algumas escolas de Áquila chegaram a permanecer fechadas por precaução.

A polêmica está, ainda, no ar! Eu mesma não saberia dizer, pois não sou especialista na área, mas acredito sim, que a Terra pode dar alguns sinais antes.

Imagens da cidade de Áquila após os tremores (todas as imagens foram capturadas da Internet):

Vista aérea de parte da cidade de Áquila





Os detroços e os Montes Apeninos ao fundo






Cúpula da Catedral de São Massimo destruída










Fortaleza Rocca Calascio - Cenário do filme "O Feitiço de Áquila"
Imagem capturada da Internet




Enterro coletivo e, em detalhe, os caixões de uma criança e de sua mãe


Fontes:

BBC Brasil

Folha OnLine


Google AFP


UOL Notícias

Último Segundo

2 comentários:

Taami , disse...

foi muito triste os terremotos na Itália :\

Tamiris - 1801

André M. M. Junior disse...

Nossa!Fiquei realmente assustado com as fotos, o estrago foi muito grande na Itália.