segunda-feira, 24 de agosto de 2009

22 de agosto: Dia do Folclore




Imagem capturada na Internet



Sábado passado, dia 22 de agosto, foi comemorado o Dia do Folclore. Eu havia rascunhado este texto, mas faltava terminá-lo, bem como complementar a segunda postagem referente às expressões folclóricas do nosso país, como as brincadeiras, as danças, as lendas etc.

Pensei até em não publicá-los, visto que a data já passou, mas resolvi terminá-los, colar as imagens, links de sites interessantes e postá-los. O que estou fazendo agora...




De acordo com Antonio Carlos Santos Perdigão, Brasilfolclore, a formação artística se divide em duas linhas: a erudita e a popular.

A linha erudita é aquela de cunho acadêmico, isto é, aquela que é ensinada nas Instituições e estabelecimentos de Ensino (e de Pesquisa), sendo expressa através das Artes Plásticas, propriamente ditas, como pintura,escultura, arquitetura, Teatro, Música e Dança.

A linha popular, por sua vez, abrange as manifestações populares que expressam tradições culturais transmitidas pelo povo, oralmente, de geração a geração.

Estas são as chamadas manifestações foclóricas, as quais compreendem danças, músicas, festas, brincadeiras infantis, superstições, lendas, mitos, entre outras.


ORIGEM DA PALAVRA FOLCLORE

De acordo com o DICIONÁRIO DE FOLCLORE PARA ESTUDANTES , a palavra Folclore foi criada pelo arqueólogo inglês, William John Thoms, no dia 22 de agosto de 1846, data em que foi publicado no jornal O Ateneu (Londres), uma carta de sua autoria, explicitando a necessidade da existência de um palavra específica para denominar o estudo das tradições populares inglesas.

E foi assim que surgiu a palavra folclore, que originalmente foi formada da união de dois termos do antigo inglês falado na Inglaterra: folk (povo) e lore (saber).

Após a publicação desta carta ficou estabelecido a data de 22 de agosto como o Dia do Folclore.

Sendo assi, define-se Folclore como a cultura popular, envolvendo sua sabedoria, a linguagem falada pelo povo, as adivinhações, os provérbios, a culinária, a medicina ortodoxa, o artesanato, as simpatias, as danças, as brincadeiras infantis, as superstições, as cantigas de ninar etc., enfim, tudo que o povo faz, acredita e transmite de geração a geração.

No Brasil, o Dia do Folclore (22 de agosto) foi instituído, oficialmente, em 1965.

Como o processo histórico de formação da sociedade brasileira se caracterizou pela miscigenação de três povos distintos, o indígena, o europeu e o africano, a nossa riqueza cultural é ampla e bastante diversificada.

Daí, o nosso folclore ser bastante rico, pois este não conjuga um padrão homogêneo de cultura, mas sim, uma pluralidade cultural caracterizada por distintas crenças, tradições e manifestações coletivas, bem como aspectos da vida cotidiana de cada região.

Hoje, podemos até dizer que algumas manifestações populares já não se restringem a determinadas regiões do Brasil face aos movimentos migratórios internos, ou seja, que ocorreram no âmbito do nosso território, sendo transmitidas para outros pontos do país.

Na atualidade, no entanto, a maior preocupação não reside nesta difusão, mas acredito que seja o inverso, isto é, o processo de renegar as tradições de um povo.

Em função do desenvolvimento e valorização das tecnologias na Sociedade Moderna, muitas manifestações populares nos grandes centros urbanos, principalmente envolvendo a dança, as brincadeiras e a música, tendem a perder - gradativamente - o seu valor na chamada memória social da população.

Como professora regente de alunos de 6° ao 9° ano, percebo bem esta desvalorização, quando o tema é sugerido para ser trabalhado, bem como por ocasião das festas juninas, considerada como festa do folclore brasileiro.

A referida festa e suas músicas típicas são, de forma geral, preteridas pela maioria dos adolescentes. Percebe-se muito bem que estes apreciam muito as novidades, as músicas ligadas à realidade deles, os ritmos mais atuais.

Muitas das vezes, o cenário do ambiente é mantido, com bandeirinhas e barracas, mas os trajes e as músicas não são condizentes à manifestação folclórica em si.

E, com isso, as tradições culturais de um povo, de povos e/ou de um país inteiro correm riscos de desaparecer, principalmente, no espaço urbano.

Cabe sim, às Instituições de Ensino resgatar estas tradições, seja através de debates, festas, projetos e/ou outras atividades pertinentes, capazes de assegurar a vivificação da memória cultural do povo.

A letra abaixo é uma paródia da música Asa Branca (Luiz Gonzaga), que explica - de forma bem criativa e animada - a definição de folclore.


FOLCLORE (Paródia de Asa Branca)



Você sabe o que é folclore?

Vou lhe dar a explicação:

É tudo aquilo que vem do povo.

E nasce livre no coração



Tem a lenda da mãe d'água

Tem a história do Saci

Do curupira, vitória-régia

E do caipora, jurupari



Tem cantigas de criança

Tem modinha, tem lundus

Tem muito samba,

baião e frevo

Cateretê e maracatu




La, la, la, la, la....




Nenhum comentário: