sábado, 22 de agosto de 2009

Senado Federal: Arquivamento, Falta de Ética e Moral, Racha e renúncia no PT... O Show deve continuar!

Imagem capturada na Internet


"Se quiser por à prova o caráter de um homem,

dê-lhe poder".

Abraham Lincoln


Há muito tempo estou para escrever acerca do Senado Federal. Mas, eu mesma não pude mais acompanhar todas as plenárias através do Canal Senado (118, na TV fechada), assim como em outras situações de forma integral, pois me encontrava envolvida com os preparativos para o reinício das aulas, com os cuidados com a minha mãe, afazeres domésticos, com médicos (eu e minha mãe), entre outras coisas mais.

Depois de tomar conhecimento que o Presidente do Conselho de Ética, Paulo Duque (PMDB-RJ) rejeitou e arquivou mais sete ações contra o senador José Sarney e Presidente do Senado (4 representações e 3 denúncias), eu desisti de assistir. Ele já havia arquivado quatro...

Para assistir comédia é preferível selecionar alguns DVDs com atores mais novos, como Adam Sandler, Will Smith, Ben Stiller ...




Infelizmente, a coisa se repete e – como sempre – admitimos que nossa expectativa não era tão grande assim, mediante a previsão antecipada de fracasso, ou melhor, de sabermos que o desgaste do discurso é grande, mas seus efeitos não são sentidos e nem capazes de mudar o cenário vergonhoso que caracteriza o grande circo que é a política no país.

Eu sei que, como cidadã comum e educadora, as minhas palavras não deveriam ser estas. Mas, é justamente como cidadã comum e educadora que não posso fazer do silêncio a minha postura.

Triste é ver, como seriado de TV, as mesmas histórias marcadas por corrupções, nepotismo, atos secretos, prevaricações, entre tantos outros, cujos finais sempre são os mesmos, isto é, arquivamento das denúncias, provas concretas questionadas quanto a sua legitimidade, discursos elaborados para surtir efeito de seriedade, mas ao mesmo tempo, escamoteando, uma segunda intenção, subestimando a capacidade do povo em perceber a manobra sobre a opinião pública...

Enfim, tudo termina em pizza... E por trás dos “bastidores”, rola as mediações e o apoio do governo do PT.

Alguns senadores e a quase totalidade da população brasileira (à exceção da família Sarney e de outras aliadas), esperavam que os três senadores do PT, que integram o Conselho de Ética, Delcídio Amaral (MS), Ideli Salvatti (SC) e João Pedro (AM) votassem a favor da abertura dos processos contra José Sarney. Contudo, sob as orientações do partido, os mesmos votaram pelo arquivamento.

Como a frase já diz: "O que atrapalha o governo não é a incompetência do PT para fazer a coisa certa; é a competência para fazer a coisa errada" (Jésus Rocha, jornalista e humorista mineiro).

Em razão destas “manobras”, novos protagonistas entraram e roubaram à cena desta vez. E isso se deu em razão do racha que se desencadeou no partido entre os petistas a favor do arquivamento e aqueles que mantiveram uma postura coerente com a situação crítica do Senado e que tinham a intenção de levar a adiante as denúncias contra o presidente do Senado.

O Senador Flávio Arns (PT-PR) anunciou a sua intenção em sair do PT. De acordo, com as mídias, ele afirmou que iria procurar a Justiça Eleitoral para pedir “justa causa” para sair do partido e alegou estar se sentindo envergonhado de pertencer à legenda.

O Senador pretende justificar a seu favor, que o partido mudou o seu programa e um dos fatos foi a falta de Ética através do apoio ao José Sarney. Se o seu pedido for aceito, ele poderá trocar de partido sem o risco de perder o mandato.

“Eu me envergonho de estar no PT, com esse direcionamento que o partido está fazendo. Quero dizer isso de maneira muito clara para todos os meus eleitores que as bandeiras que hoje movem o PT são bandeiras eleitorais, bandeiras visando à eleição do ano que vem". (Globo.com).

A mesma atitude tomou a Senadora Marina Silva (PT-AC), que deve se filiar ao Partido Verde (PV) e se candidatar à Presidência da República em 2010.

Sua decisão em deixar o PT foi, inclusive, noticiada nos principais jornais estrangeiros, tendo em vista a sua possível candidatura às eleições presidenciais no ano que vem e dos problemas que, com certeza, dificultarão as intenções do presidente Lula com a candidatura de Dilma Rousseff.

E, neste contexto, como de praxes, tivemos também cenas irreais... o líder do Partido dos Trabalhadores (PT), o Senador Aloízio Mercadante (PT-SP), igualmente, decidiu deixar a liderança.

Este chegou a dizer que sua decisão era irrevogável e até adiou o dia do seu pronunciamento quanto a sua renúncia. Mas, como não duvidar que o circo já estava montado...

Após adiamento de seu discurso, eis que este - por fim – ontem (21/08) tomou o microfone na plenária do Senado Federal para tecer comentários sobre a trajetória do PT, das mudanças que o país passou face o governo do Lula, o apoio e os pedidos recebidos de seus “companheiros“ de partido, incluindo nestes, o do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, que além de ter conversado com o mesmo, lhe enviou uma carta pedindo a sua permanência.

Por fim, mesmo tendo admitido que sua saída da liderança do PT fosse uma decisão irrevogável, este recuou, manifestando a sua intenção em permanecer no cargo. O referido Senador chegou a ler a carta do presidente Lula na plenária do Senado.

Dando continuidade ao “show de interpretações”, o senador manteve as suas críticas à decisão do comando do PT de orientar o arquivamento de todas as denúncias contra o senador José Sarney, mas sustentou sua permanência na liderança do PT, como se alguém tivesse acreditado.

E nós, telespectadores do grande circo montado e patrocinado pelo PT, assistimos a tudo, mais uma vez...

Para saber mais, acessem:

. "Não me sinto culpado por nada", diz Sarney a TV

. Decisão de Mercadante não apaga crise no PT, afirma Marina Silva

. Mercadante usa apelo de Lula para recuar na renúncia ao cargo de líder

. Aécio diz que PT se desfigurou e abriu mão da ética para ficar no poder

. Leia íntegra do discurso de Mercadante sobre permanência no cargo






Imagem capturada na Internet

Nenhum comentário: