terça-feira, 27 de outubro de 2009

Mensagem: De Violência e Paz

Outro texto que encontrei na Internet e achei oportuno para a temática do dia fala sobre a reunião dos animais para tratar a questão da violência e da paz.

DE VIOLÊNCIA E PAZ

Adelmario Sampaio

As piores armas,
são as que os violentos
tem nos corações.



A reunião dos animais, era presidida pelo velho, carrancudo, e aborrecido leão. Os bichos já tinham se reunido outras vezes, na tentativa de resolver o problema da violência na mata. E na última dessas reuniões, tinham resolvido eleger um Ministro Para Assuntos da Paz na Mata.

O pombo, conceituado em todo mundo como símbolo da paz, aceitou o convite para participar, mas como convidado de honra, e por isso seu nome não foi incluído na lista dos oradores. Esteve no palanque, mas assim que o primeiro orador ia começar o seu discurso, voou para um lugar mais alto, onde seu filhinho já estava pousado.

O leão com seu conhecido rugido de mau humor, disse:

- Vamos ouvir agora a primeira candidata a ministra. A dona cobra.

O réptil arrastou-se até o púlpito, e falou:

- Eu represento o PR, ou Partido dos Répteis, e acredito que só nós podemos comandar este novo ministério, porque somente nós, podemos analisar a terra tão de perto. E é porque conhecemos o chão como ninguém, que queremos os votos de todos...

O discurso foi interrompido por aplausos, mas logo as aves começaram a vaiar, e foram seguidas pelos mamíferos, e logo todos os que não se davam com as cobras estavam vaiando.

A inda no meio do barulho, o pombinho inclinou-se e perguntou ao pai:

- Que acha da cobra como candidata, pai?

- A paz meu filho, não vem nunca de quem rasteja, é surdo, e tem veneno na boca.

No palanque, o leão rugiu sua raiva, e a vaia cessou. E com um gesto irritado, chamou a onça, que passou a falar:

- Senhores animais moradores desta floresta!... Só mesmo o PF, Partido dos Felinos, vai garantir a paz neste lugar, porque só nós temos o pulso forte necessário para manter a ordem. Somente nós temos condições de fazer cumprir as leis, que são boas, mas não são cumpridas...

Os aplausos começaram fracos, e foram abafados pelas vaias.

Do alto, o filhote do pombo perguntou ao pai:

- Você concorda com esse discurso, pai?

- Pulso forte e leis, meu filho, é uma combinação que até hoje só resultou em tirania, e legalizaram os crimes dos poderosos.

Como prova de força, o leão rugiu sua impaciência, e ninguém mais teve coragem de vaiar. E chamou o tatu, que falou:

- Senhores animais da mata. Nós do PP, Partido das Profundezas, coligados com o PM, Partido das Minhocas, conhecemos a terra a fundo, e por isso mesmo, podemos ver os problemas pela raiz. E com os nossos conhecimentos profundos, temos condições...

- Nem chegou a completar, e já chovia objetos acompanhados das vaias.

O pombinho disse ao pai:

- Parecia ir bem, não pai?

- Não, filho. Conhecer o avesso do mundo, não é conhecer o mundo com profundidade. E quem se alimenta de terra, não sabe o gosto do azedo...

O leão mostrou os caninos, e a platéia calou. Então, chamou a águia e ela falou:

- Amigos todos da floresta!... O P.A.R , Partido das Aves de Rapina, representado por mim, trás uma mensagem encorajadora a todos, porque nós de fato temos todas as condições de assumir o novo ministério, porque além da força, vemos as coisas do alto, e enxergamos longe...

E acima de tudo, temos o apoio do P.O.A, o famoso Partidos das Outras Aves, que são todas as que não voam, e são especialistas na terra, e na água... Por isso pedimos seu voto...

Desta vez a vaia começou do lado dos batráquios.

O filho do pombo comentou com o pai:

- Pareceu a mim que esta última coligação era a melhor, não pai?

- Muitos que se dizem do céu filho, são os predadores mais perigosos...

Lá embaixo, o leão pôs fim à bagunça, com seu rugido sinistro... E chamou a ema para falar:

- Senhores, eu sou contra partidos políticos, e compreendo perfeitamente porque é que vocês vaiaram todos os outros que falarem aqui. Tenho certeza que eleição nenhuma vai resolver o problema da violência na mata.

O que todos estes político querem é o poder e nada mais que isso...

A solução está em começarmos conscientizar a todos, com faixas e cartazes, campanhas nos meios de comunicação da floresta... E também, temos que promover o Dia Mundial da Paz dos Animais, como os humanos que não devoram uns aos outros, tem...

Desta vez, houve aplausos. E enquanto aplaudiam, o sapo levantou o braço e coaxou bem alto:

- Protesto, senhor presidente!...

O leão virou-se feroz, mas chamou o sapo, que continuou:

- Nem eleição, nem campanha resolve coisa nenhuma. Tenham um pouco de inteligência e vejam o que é que nos metem medo aqui na floresta!...

São as armas. Desarmem a todos e acabam todos os conflitos, dentro e fora das matas.

Desta vez, o aplauso foi maciço. Todos aplaudiam de pé. E desta vez, até o leão rugiu mais manso, e disse:

- Continue, senhor sapo!... E o sapo gaguejou:

- ...Quê?... continuar?... não, eu já terminei. Agora é só colocar em prática o que eu disse...

- E qual a sugestão que o senhor tem para colocar seu sábio discurso em prática seu sapo? - perguntou o leão.

- Ué!... é só cortar os bicos, as garras, os dentes de todos os que nos atacam e, pronto, será mantida a paz!... Assim, leões, cobras, águias, onças... e todos os outros predadores, serão inofensivos!...

A confusão que se seguiu, foi muito grande. E a violência tomou conta de todos, e o sapo só não foi linchado, porque de um salto só, pulou do palanque direto na lagoa que estava perto, e se escondeu.

De longe, o velho pombo comentou com o filho:

- As piores armas, meu filho, são as que os violentos escondem dentro de seus corações. Não adianta desarmar um violento, porque ele criará novas armas. Se forem destruídas todas as fábricas de armas, os violentos construirão novas e enquanto isso, usarão as pedras e os punhos ou, mesmo, os venenos de suas línguas.

A guerra se faz por decreto, filho, mas a paz não. Por enquanto filhinho, nos mantenhamos longe do tumulto dos violentos, como um exercício de prudência.

O tumulto lá em baixo continuava. Nisso, o lobo saiu do meio dos outros animais, todo ferido. Quando passava, viu os pombos, e uivou:

- Que é que vocês fazem pela paz, seus covardes!... Ficam de longe, e ainda dizem que são o símbolo da paz, seus covardes!... Desçam daí que vocês vão ver se hoje não tenho ensopados de pombos!...

Os pombos continuaram calados como estavam.

O lobo saiu furioso, decidido que um dia, ainda jantaria os dois.

Então o pombo disse ao filho:

- Vamos, filhinho!...

- Para onde, pai?...

- Visitar um nosso amigo que não tem nada com essa confusão.

E voaram para a casa do carneiro. Lá, não falaram da violência que viram. Nem mesmo de paz, precisavam falar.

O carneiro estava mastigando sossegado e eles pousaram perto, em paz. E o pombo ficou roronando:

"Não se discute a paz onde ela reina. A paz é como as jóias de um tesouro descoberto. Mas se mostradas aos violentos, eles pensam que é bijuteria."

Nenhum comentário: