sábado, 3 de julho de 2010

Artigo: Barragens: O problema é de quem?



Pernambuco após a última enchente - Imagem capturada na Internet
(Fonte: Opinião e Notícia)

No contexto das últimas chuvas e enchentes que ocorreram no Nordeste, sobretudo, nos estados de Pernambuco e de Alagoas, veio a tona a discussão sobre as obras de barragens, já que a enxurrada foi causada pelo acúmulo das águas pluviais (chuvas) e do rompimento das barragens.
 
Em razão disso e do tema bastante controverso e que de longe está de ser concluído, estou compartilhando - neste espaço - de um artigo publicado no Opinião e Notícia, de autoria de Carla Delecrode, que trata da construção destas barragens e da necessidade de haver manutenção das mesmas.
 
Na verdade, antes mesmo de sua implantação deveria haver, sim, uma fiscalização séria não só em termos do terreno como também do material a ser utilizado para a sua construção. Vejamos o artigo, que foi transcrito direto do Opinião e Notícia.


BARRAGENS: O PROBLEMA É DE QUEM?

As enchentes do Nordeste e o rompimento da barragem de Bom Conselho coloca em discussão os culpados.
 
Por Carla Delecrode

As enchentes em Pernambuco e Alagoas trazem à tona o despreparo das cidades diante de enchentes. A situação fica ainda pior quando, aliado ao volume de chuva, uma represa racha ou rompe, transbordando rios e varrendo cidades inteiras com a força da água.
 
Isso aconteceu no Nordeste, nesta semana, quando a barragem de Bom Conselho vazou, causando prejuízos e mortes. Nos últimos quatro anos, cerca de oito dessas estruturas artificiais quebraram. O recorrente problema da quebra de barragens coloca em evidência a polêmica que envolve a construção dos reservatórios e a falta de manutenção das estruturas.
 
A construção das represas implica em danos ambientais e remoção de famílias de áreas próximas, de acordo com o ‘Movimento dos Atingidos pelas Barragens’ (MAB). Os militantes reivindicam reassentamento para as famílias e indenização, além de questionarem as novas construções. Desde 1970, os atingidos se organizam e reivindicam direitos. Na época, a construção da Usina Hidrelétrica de Sobradinho deslocou mais de 70 mil pessoas, que até hoje lutam pela conquista dos direitos.
 
Ao mesmo tempo em que existe a controvérsia sobre a construção das represas, há a falta de manutenção após o estabelecimento das estruturas. “Não tinha um órgão que gerenciasse as barragens. A barragem foi embora por pura falta de manutenção”, afirmou o presidente do Instituto do Desenvolvimento do Piauí, Norbelino Lira de Carvalho, sobre a barragem Algodões I, que rompeu em maio de 2009 no Piauí, causando uma enxurrada que matou nove pessoas e deixou 2 mil desabrigadas.
 
As autoridades, geralmente, atribuem as rachaduras ou o rompimento de barragens ao grande volume de chuva. A questão é que essas estruturas são erguidas exatamente para conter a água. Logo, a desculpa oficial não convence.
 
 
 
 

Nenhum comentário: