segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Mick Jagger: Não zarpou por falta de informação quanto à crise na Grécia

Imagem capturada na Internet (Fonte: Google)



A importância da Geografia está em nosso dia a dia... E é por esta razão que eu a adoro!

Eu já comentei com as turmas a respeito das minhas peripécias enquanto graduanda em Geografia (UFF), quando me esqueci de tomar as referências em termos de localização geográfica e fiquei perdida em Maceió (Alagoas) das 20 h até mais de meia noite, andando nas ruas ou de ônibus (inúmeras vezes) sem saber o endereço da pousada, onde estava hospedada.

Ou quando, em Manaus (Amazonas), eu cometi o erro de esquecer da diferença de fusos horários e levei uma baita bronca da minha mãe por tê-la acordado a 1 hora da madrugada.

Outra situação semelhante de “equívocos geográficos” aconteceu com uma pessoa conhecida, que foi conhecer Cuba justamente no período dos furacões (Julho a Novembro) e, o pior, ela achou que não iria sair viva da ilha.

Sob este mesmo aspecto, passou Mick Jagger, vocalista dos Rolling Stones, recentemente, na Grécia.

A crise econômica por qual passa a Grécia, país membro da União Europeia (UE) mais afetado e endividado sob os efeitos desta, voltou a ser noticiada nas mídias, depois que Mick Jagger ficou sem poder zarpar com seu iate - ancorado na ilha grega de Santorini – por falta de combustível.

Isso se deu em consequência do racionamento do combustível e de outras medidas impostos pelo governo face à crise econômica.

Mick Jagger chegou à ilha, no dia 29 de julho. A data de sua partida não foi publicada (pelo que eu pude averiguar).

A ilha de Santorini, localizada no mar Egeu, é muito procurada por turistas e personalidades famosas. De origem vulcânica, a ilha foi formada após violenta explosão, ocorrida há cerca de 1625 a.C., a qual junto com outras ilhas compõem parte da antiga cratera do vulcão.

Se o vocalista dos Rolling Stones estivesse bem informado acerca da crise econômica, com certeza, pensaria duas vezes em passear de iate, com riscos de acabar o combustível de sua embarcação justamente no país que mais precisou das intervenções do Fundo Monetário Internacional (FMI) e da própria União Européia a fim de se evitar a sua falência.


Imagem capturada na Internet (Fonte: Google)





Imagem capturada na Internet (Fonte: GuiaGeo)



Imagem capturada na Internet (Fonte: GuiaGeo)




. Revista Quem

Nenhum comentário: