sábado, 27 de novembro de 2010

27 de Novembro: Dia Nacional de Combate ao Câncer




Imagem capturada na Internet (Fonte: Jornal Extra)


Texto modificado no dia 27/11/2010 - Introduzida a imagem

Hoje é comemorado o Dia Nacional de Combate ao Câncer e, como muitos sabem, nós (E.M. Dilermando Cruz) promovemos uma Campanha de Solidariedade voltada para duas Instituições ligadas ao tratamento desta doença e, sobretudo, à faixa de idade infantil.

Duas vezes ao ano fazemos campanhas de arrecadação de gelatinas e leite em pó integral, além de brinquedos.

O projeto teve início em 2007 e não é de minha autoria. Ele, na verdade, foi uma proposta de projeto apresentado a mim por três alunas do 6º ano, na época e que, hoje, se encontram separadas – cada qual em uma turma – tendo apenas uma sido reprovada ao longo deste tempo (hoje, ela cursa o 8º ano).

Pois bem, o projeto inicial era para atender – exclusivamente – o Hospital Mário Kroeff, localizado na rua Magé, 326, na Penha Circular, no município do Rio de Janeiro.

A ideia de incluir mais uma Instituição foi minha, após ter conhecido em um restaurante “Self Service”, na Penha, a presidente da Casa de Apoio à Criança com Câncer São Vicente de Paulo, localizado na Estrada do Colégio, 1.185, em Irajá, no mesmo município.

E foi devido a este encontro casual com a presidente e fundadora da referida Institiuição, Maria Leonor, que eu quero tratar a presente postagem, neste dia dedicado ao combate ao Câncer.

Não posso precisar o dia exato que nos encontramos, mas ela se sentou a mesma mesa que eu já me encontrava almoçando (o restaurante estava cheio) e à partir do detalhe de sua blusa (com o nome da Instituição) começamos a conversar.

Eu falei da iniciativa dos alunos e ela comentou sobre as atividades da casa e do seu “filho adotivo” (paciente da casa) que havia falecido. As lembranças do menino e a perda não conseguiram conter suas lágrimas no ambiente.

Ela me convidou a conhecer à Casa de Apoio e eu guardei o endereço comigo.

Pois bem, ainda durante a nossa conversa, a Maria Leonor comentou a respeito de um detalhe, bastante visível, nas fotografias que pode ser um indicativo de câncer.

Muitas das vezes, os olhos (pupilas) das pessoas saem vermelhos - nas fotos - quando tiradas com flash. E ela comentou que quando as mesmas saem brancas, pode ser um sinal de câncer, devendo as pessoas procurar um médico.

Eu cheguei a comentar com os alunos e alguns professores, amigos e familiares acerca desta informação, mas não postei nada a respeito no Blog, porque não tinha nada de concreto que confirmasse tal suposição.

Quero deixar claro, aqui, que em nenhum momento eu duvidei das palavras da Maria Leonor, mas eu precisava de algo mais concreto que confirmasse tal hipótese, com vistas a postar como “utilidade pública” neste espaço.

Pois bem, em outubro passado, saiu uma reportagem sobre a descoberta de câncer em uma criança de 2 anos, na Inglaterra, identificado à partir de uma foto da mesma publicada no “facebook”.

Na referida foto, uma das pupilas da criança aparece branca ao invés da coloração vermelha, tal como acontece sob o efeito do flash.

Com esta publicação, me sinto mais segura em comentar o primeiro momento – do encontro com a presidente e fundadora da Casa de Apoio à Criança com Câncer – São Vicente de Paulo e indicar o link da reportagem.

E eu só agora estou publicando, pois como já mencionei anteriormente, estive com sérios problemas que me fizeram ausente – um tempo – deste meu espaço. Acabei optando por aguardar a data de hoje para compartilhar o mesmo no Blog.

Vejam a reportagem AQUI!

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Desabafo: A geografia que amo está me tirando o sossego da alma

Imagem capturada da Internet (Fonte: O Dia On Line)



Não sei se a tristeza que me aperta o peito é um reflexo e consequência apenas dos atos criminosos que se espalharam pela cidade do Rio de Janeiro ou das lembranças da impotência diante da perda do meu pai pela própria violência urbana, a mesma e mais intensa, hoje, a qual nos coloca como vítimas permanentes.

Vivemos numa Cidade Maravilhosa, cujo povo é feliz, mas que aos poucos estão sendo sucumbidos seja pela geografia da criminalidade seja pela sandice e barbárie humana movida pelos efeitos e comércio rentável de drogas ilícitas.

Estamos vivendo e assistindo uma verdadeira guerra civil. Na verdade há tempo ela já havia sido anunciada, só nós que não queríamos ter que admitir.

Alguns alegam que este discurso é sensacionalista, com o intuito de produzir o medo na sociedade; outros - por sua vez – reagem de forma bastante passiva, pois o seu dia a dia sob o fogo cruzado no embate entre policiais e criminosos já elevou a situação a um grau de banalidade rotineira.

Mas, um grande percentual da população tem consciência da gravidade e teme pela situação vigente e pelas possíveis consequências.

Moro na Penha e, da minha janela, tenho a vista da  Igreja de Nossa Senhora da Penha de França, mais conhecida como Igreja da Penha, com seus 365 degraus.

É triste ter a fé sem poder chegar perto da janela, pois os tiros disparados do outro lado da linha férrea, na Vila Cruzeiro (favela integrante do Complexo do Alemão) chega a fazer efeito dentro de casa. O barulho das balas e dos helicópteros sobrevoando ratificam a situação de guerra em que estamos vivemos.

Este pode significar o "fim" da violência na cidade do Rio de Janeiro, com a incursão efetiva da polícia e de outras forças militares, com a instalação de mais uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) ou o começo de uma onda maior de violência por parte do crime organizado, dos traficantes de drogas.

Esperamos que seja a primeira, mesmo sabendo que o fim é uma utopia. Mas, de qualquer maneira, a população está em risco permanente, até mesmo dentro de casa.

Fico imaginando o quanto deve ser angustiante para quem mora nestas comunidades, sem opção concreta de sair e vivenciando lado a lado com o perigo... Talvez a minha imaginação não consiga retrata e avaliar no mesmo patamar da sensação.

Estamos em guerra! Guerra não só ligada à geografia dos conflitos urbanos, do narcotráfico, do crime organizado, mas também de valores humanos, onde a vida de um inocente não vale nada.

Eu amo a minha cidade e a sua geografia, seja esta física ou humana, mas com os conflitos urbanos e a violência crescente, tenho que admitir as palavras do meu marido... Não dá mais para viver no Rio de Janeiro.

Espero poder mudar de opinião e achar graça da ideia desmedida...

domingo, 21 de novembro de 2010

Mensagem: Encontrei Minhas Origens



Ontem, eu sai com a minha filha às 11 h e só retornei às 16h. À noite (19 h) fui para a casa da minha mãe e só retornei, hoje, às 17 h. Queria postar mais sobre a data de ontem, Dia da Consciência Negra, mas não tive como.

Pensei em algo diferente, ainda mais, que já postei sobre a origem da data no ano passado (vide matéria). Daí, veio-me a ideia de procurar o poema da propaganda da Caixa, o qual achei muito bonito. Seu autor é o professor de Língua Portuguesa, poeta e pesquisador gaúcho, Oliveira Ferreira da Silveira, que justamente foi um dos idealizadores da data em homenagem aos povos afrodescendentes e toda a sua cultura.

Pesquisei e achei não só o poema como o vídeo, os quais estou compartilhando neste espaço a fim de que todos o conheça.




ENCONTREI MINHAS ORIGENS
Oliveira Ferreira da Silveira


Encontrei minhas origens
Em velhos arquivos
Livros

Encontrei
Em malditos objetos
Troncos e grilhetas
Encontrei minhas origens
No leste
No mar em imundos tumbeiros

Encontrei
Em doces palavras
Cantos

Em furiosos tambores
Ritos

Encontrei minhas origens
Na cor de minha pele
Nos lanhos de minha alma

Em mim
Em minha gente escura
Em meus heróis altivos

Encontrei
Encontrei-as, enfim
Me encontrei.



Assistam o vídeo!


Haiti: a luta de um povo pela sobrevivência




Campos de refugiados no Haiti - Imagem capturada na Internet (Fonte: Terra Notícias)


Por falar da contribuição ímpar do negro africano e seus descendentes em nossa sociedade e, ao mesmo tempo, do sentimento de solidariedade de nossa Campanha na escola (postagens anteriores), os dois temas se unem e nos remetem à situação caótica por qual está passando o Haiti, o mais pobre país do continente americano.

País caribenho, primeiro ponto de desembarque de Cristóvão Colombo, em 1492. Sua história mescla a cobiça dos colonizadores europeus, primeiramente os espanhóis e depois os franceses. Este despontou como maior produtor mundial de açúcar, cuja produção era baseada no sistema escravagista. Foi uma das mais ricas colônias do continente americano, recebendo o título de "Pérola do Caribe".

Em sua história, ele ainda traz o marco de ter sido o primeiro país latino-americano a se tornar independente, em 1 de janeiro de 1804, graças aos diversos movimentos insurrecionais da população escrava.

Todavia, sua trajetória política, econômica e social se caracterizou instável, perdurando até hoje. Trajetória similar a muitos países latino-americanos, mas outros aspectos agravaram mais ainda a sua situação como país insular da América Central, inclusive de risco de catástrofes naturais.

Se já não bastassem os efeitos trágicos do terremoto que sofreu, em janeiro deste ano, o país agoniza - desde meados de outubro passado - com os avanços da epidemia de cólera.

De acordo com os últimos dados divulgados, hoje, no Terra Notícias, a epidemia de cólera no país já matou mais de 1.250 pessoas. O número de internações contabilizado até o momento é de 20.687 pacientes infectados desde o início da epidemia (meados de outubro).

Mais recentemente, outro situação está preocupando as autoridades locais e até a Organização das Nações Unidas, a violência. A violência instigada por alguns grupos de manifestantes, revoltados, que responsabilizam às tropas de Paz da ONU pela epidemia de cólera que atinge o país.

Manifestações violentas que chegam a interromper o trabalho das autoridades na área da Saúde com os infectados pela cólera. Eles arremessaram pedras contra as tropas de paz da ONU, atacaram carros de estrangeiros, atearam fogo em pneus e usaram estes para bloquear as ruas, assim como derrubaram postes de luz e montaram barricadas para confrontos com a polícia e com os soldados das tropas da paz. Na maioria das vezes, a polícia os enfrenta com bombas de gás lacrimogêneo a fim de dispersá-los.

A Organização das Nações Unidas está investigando se realmente a origem da epidemia de cólera no Haiti foi causada por soldados de procedência nepalesa da Minustah, isto é, da missão de paz da ONU no país.

As suspeitas procedem em razão do tipo da doença que surgiu no Haiti ser o mesmo do existente no Nepal, mas alega não ter encontrado provas suficientes de que seus soldados sejam os portadores da doença.

A cólera é uma infecção intestinal aguda causada pelo vibrião colérico (Vibrio cholerae), que é uma bactéria em forma de vírgula ou bastonete. Esta bactéria, vencendo a acidez do estômago, alcança o intestino delgado (meio alcalino), onde se multiplica intensamente, principalmente, no duodeno e jejuno, produzindo uma entetoxina que provoca intensa diarreia.

O indivíduo infectado elimina o vibrião colérico (Vibrio cholerae) através dos dejetos fecais (cistos). A precariedade na infraestrutura de saneamento básico é a condição propícia para a contaminação e a transmissão fecal-oral do vibrião colérico através de água e/ou alimentos contaminados.

De acordo com o Centro de Informação em Saúde para Viajantes (Cives), na maioria das vezes (mais de 90%), a infecção pelo vibrião colérico é assintomática ou produz diarreia de baixa intensidade.

Por outro lado, em outras pessoas (menos de 10% dos infectados) pode ocorrer uma diarreia aquosa profusa e súbita, de evolução rápida (em questão de horas), que pode ocasionar desidratação grave e uma diminuição acentuada da pressão sanguínea, provocando o óbito.

Como as condições socioeconômicas do Haiti são as mais precárias do continente americano (país mais pobre da América), tendo sido agravadas após o terremoto de 12 de janeiro deste ano, o ambiente estava favorável para a contaminação que se deu de forma rápida e epidêmica.








Comunidades mais carentes - Imagem capturada na Internet





Criança haitiana _ Imagem capturada na Internet (Fonte: Cultura do controle)




Criança com sintomas do cólera - Imagem capturada na Internet (Fonte: Último Segundo)








Haitianos contaminados aguardam atendimento no Hospital em Saint Marc, no Haiti
Imagem capturada na Internet (Fonte: Último Segundo)




E os riscos da epidemia já ultrapassam o território haitiano, localizado na ilha Hispaniola, atingindo a porção leste da mesma ilha, onde se localiza o seu país vizinho, a República Dominicana, que já registrou três casos de cólera.

Em consequência disso e do temor do avanço da mesma, o governo da República Dominicana aumentou o controle de entrada e saída de pessoas e de mercadorias (comércio bilateral) em seus 376 Km de fronteira com o Haiti.

Ilha Hispaniola: o Haiti, a Oeste e a República Dominicana, a Leste




Segundo fontes jornalísticas, além destes registros na vizinha República Dominicana, os EUA também registraram um caso de infecção de cólera na Flórida. De acordo com o jornal "The Miami Herald", o referido caso foi de uma moradora do condado de Collier (Flórida), que regressou do Haiti após ter visitado a família que mora por lá.


Pacientes repousam enquanto homem espalha desinfetante em volta das macas
Imagem capturada na Internet (Fonte: Último Segundo)


Fontes:

. Centro de Informação em Saúde para Viajantes

. Terra Notícias

. Último Segundo (e outros)

. Wikipedia

sábado, 20 de novembro de 2010

20 de novembro: Dia Nacional da Consciência Negra





Imagem capturada na Internet (Fonte: Google)




"Para que a nação brasileira consiga se abrir
para um novo caminho e uma nova direção
na constituição de uma
sociedade
verdadeiramente democrática e inclusiva de todos,
superando o “sortilégio da cor”,
o fetichismo das feições
e o essencialismo racial."

Carlos Moore Wedderburn*

Hoje comemoramos o Dia Nacional da Consciência Negra. Esta data foi estabelecida em homenagem a Zumbi, o líder do Quilombo dos Palmares (Alagoas). Personalidade que representa a saga dos negros africanos que viveram sob condições subumanas durante o regime escravocrata do período do Brasil Colônia.

A referida data condiz com o dia da morte do Zumbi, 20 de novembro de 1665, mas além de homenagear o líder da maior e mais importante comunidade de escravos fugidos nas Américas, esta data marca a luta de igualdade, de maiores oportunidades, inclusão social e de indignação e aversão ao preconceito racial que, ainda, persiste nos dias de hoje em nossa sociedade.

Sociedade esta constituída pela miscigenação de povos indígenas, europeus (brancos) e africanos (negros), assim como outros que vieram depois e contribuíram na formação desta.

O dia de hoje é para resgatar e valorizar a importância do negro africano e dos afrodescendentes na vida política, econômica, social e cultural do nosso país, Brasil.

*O Racismo através da História:da Antiguidade à Modernidade

12 de novembro: Dia D da II Campanha de Solidariedade 2010




"Letina", a mascote da Campanha de Solidariedade


Dando prosseguimento à Campanha de Solidariedade 2010...
Nesta semana, alguns alunos me cobraram acerca da postagem sobre o Dia D da Campanha da Solidariedade, mas estive muito atarefada e sem tempo para sentar e escrever (aulas, provas em minhas turmas, sobretudo, as do nono ano e as da minha filha, além dos demais afazeres como esposa, mãe e filha).
Mas, aqui estou eu para divulgar os resultados obtidos neste grande dia.
Como todos sabem o Dia D da Campanha da Solidariedade em nossa escola ocorreu na sexta feira retrasada, dia 12 de novembro. Apesar da nossa nova mascote não ter saído como o esperado, a boneca de lata fez um sucesso no pátio da Unidade Escolar, princip almente, entre os alunos menores.
Alguns alunos dos primeiros anos do I segmento do Ensino Fundamenta, inclusive, me cobraram - nesta semana - sobre a presença dela no pátio e se haveria outro Dia D.
Por isso, assim como eu respondi, ratifico aqui que na semana que vem promoveremos outro Dia D para atender os pedidos e, especialmente, porque estamos em reta final da Campanha.
Aqueles que ainda não participaram e não doaram vão ter mais uma oportunidade para fazê-lo. Apesar de que a entrega dos donativos pode ser feita, qualquer dia e hora, diretamente comigo ou com qualquer aluno da turma 1901.
Mas, realmente, os efeitos de um dia especial são outros...
Pois bem, tal como ocorreu na experiência anterior, o Dia D da Campanha da Solidariedade foi um sucesso.
O turno da manhã é mais participativo em decorrência da visitação dos alunos da turma responsável pelo projeto ser mais efetiva, mas no turno da tarde tivemos grandes doações, principalmente, por parte da ProfªAngela Gaetta (Diretora Geral) e do esposo da Profª Valéria (EI).
Na parte da manhã, em razão da aula de Química (revisão para prova), apenas os alunos Larisse Paiva e Lucas Melo se prontificaram - sob a autorização da professora - a ficar no posto de arrecadação, localizado no pátio da escola.
A aluna Ana Carla, da turma 1904, também os ajudou, sob a minha autorização e dispensa da aula de Geografia.

O total arrecadado no Dia D da Campanha da Solidariedade foi o seguinte:


. Turno da Manhã
- 108 unidades de gelatinas em pó;
- 08 unidades de sacos e/ou latas de leite.


. Turno da Tarde

- 207 unidades de gelatinas em pó;
- 101 unidades de sacos e/ou latas de leite.

Totais:
- 315 unidades de gelatina em pó;
- 109 unidades de leite em pó.


Com este total de donativos arrecadados no Dia D da II Campanha de Solidariedade (12/11), o montante atingido e contabilizado - até agora - alcançou os seguintes números:


. 948 unidades de gelatina em pó (vermelha);
. 07 unidades de diversos sabores;

. 152 unidades de leite em pó integral;
. 01 caixa de pudim;
. 01 caixa de pudim diet;
. 03 Compostos Lácteo (200 gr);
. 01 Composto Lácteo (230 gr).



Imagens do Dia D da II Campanha da Solidariedade (Turno da Manhã)



Letina (mais afastada), Ana Carla, Larisse e Lucas Melo







Grave problema urbano: pombos (vigilância constante e o medo de ser "carimbado")








Novo grupo no recreio do II segmento: da esquerda para direita,
Bruna Kelly, Letícia Silva e Sara



A aluna Larissa Batista se juntou ao grupo, ao lado da Sara







Bruna Kelly, Letícia Silva e Larissa Batista (tímida?)



Da esquerda para direita, Tamiris Neves, Bruna Kelly, Letícia,
Larissa Batista (novamente mostrando-se tímida) e, em pé, Sara.





Larissa perdeu a timidez ...


Turno da Tarde











O grupo foi bem maior: Karlla (com a irmã do Lucas Melo no colo), Marcos Vinícius, Camila Nascimento, Victória, Juliana Lima (em pé, escondida), Raquel e Thaynara









De repente, as doações se multiplicaram...
É o milagre do ser solidário (caixas de leite em pó e de gelatinas)





Letina agradou a criançada





O sorriso de sempre das "meninas" (Karlla Rodrigues, Juliana Lima e Camila Nascimento)





Durante o intervalo do recreio do II segmento




Quem fez mais o papel de mascote da Campanha foi a Heloísa,
irmã mais nova do aluno Lucas Melo

II Campanha de Solidariedade 2010: Primeiros Resultados da II Arrecadação dos donativos





Logotipo de nossa Campanha de Solidariedade

Demorei, mas estou aqui para atualizar os dados da nossa II Campanha de Solidariedadea do ano de 2010, a qual está chegando ao fim.

Ainda sob os efeitos dos cartazes e, neste aspecto, aproveito para expor mais dois cartazes feitos pelos alunos, eu e os alunos Juliana Lima e Lucas Melo realizamos a primeira contagem do total arrecadado de gelatinas e do leite em pó no dia 10 de novembro passado (4ª feira).

Só lamento que por causa do adiantado da hora e da mudança do local da contagem, eu acabei esquecendo de fotografar todo o processo.

Neste dia, eu dei aula até às 14h30, mas tive que aguardar até a hora do término do recreio do II segmento do Ensino Fundamental, pois os alunos Karlla Rodrigues, Raquel Santos, Thaynara dos Santos, Juliana Lima e Lucas Melo estavam visitando as salas de aula para avisar às turmas acerca do Dia D da Campanha, agendado para a 6ª feira seguinte (12/11) e, ao mesmo tempo, para recolher os donativos, os quais foram incluídos na contagem.

As três primeiras alunas estavam vestidas - de "forma estilosa" - a fim de chamar mais a atenção da nossa causa.

Por sugestão da Profª Andrea Paiva, nós fizemos a contagem dos donativos na sua própria sala, onde os mesmos estavam armazenados em caixas e em sacolas plásticas. Ela sugeriu o local devido ao calor (poderíamos ligar os ventiladores) e, também, para evitarmos o transporte (e peso) dos mesmos até o refeitório.

Ela, assim como os demais professores do I segmento, estava reunida em Centro de Estudo no Auditório da escola, previsto no calendário oficial da Secretaria Municipal de Educação.

Pois bem, em razão do adiantado da hora e da mudança do local de contagem (sempre realizamos no refeitório), eu acabei esquecendo de fotografar. Foi uma grande lástima, pois gosto de registrar todo o processo e compartilhar com a comunidade.

Demoramos mais porque além da contagem em si, nós tivemos a preocupação de verificar a data de validade dos produtos e, mais uma vez, tivemos produtos descartados. Inclusive com data vencida de abril do ano em curso.

Nós saímos além da hora (17h40) e eu fiquei até preocupada com os alunos envolvidos (Juliana e Lucas), mas graças a Deus, eles chegaram bem em casa.

Na verdade, nós tínhamos que contar antes do dia 12, pois a intenção era divulgar o resultado a todos os membros da comunidade interna acerca do quantitativo apurado antes do Dia D. Até mesmo para justificar a necessidade e importância do evento específico.

Apesar do quantitativo apurado estar abaixo de nossa meta (1000 unidades de gelatinas em pó e 100 unidades de sacos e/ou latas de leite), eu mesma fiquei surpresa com a primeira contagem. Eu esperava bem menos, mas muitos professores ajudaram através da inclusão dos mesmos como uma das tarefas da gincana promovida junto às turmas do I segmento.

Pois bem, o resultado apurado foi divulgado em cartazes, fixados na escola, só faltando detalhar neste espaço. O que faço agora...
 
TOTAL DA PRIMEIRA APURAÇÃO DA II CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE 2010

PERÍODO: 13 de outubro a 10 de novembro.

GELATINAS EM PÓ
. 633 unidades (cor vermelha);
. 07 unidades de diversos sabores.

LEITE EM PÓ INTEGRAL
. 43 unidades
(34 sacos de 400 gr; 04 latas de 400 gr e 06 sacos de 200 gr)


Além destes produtos foram doados:
. 01 caixa de pudim;
. 01 caixa de pudim diet;
. 03 Compostos Lácteo (230 gr);
. 01 Composto Lácteo (230 gr).

 
Um número significativo de donativos estavam fora do prazo de validade e/ou com embalagens abertas, expondo o produto sob risco de contaminação. Os mesmos foram separados dos demais e condicionados em um saco com a devida identificação dos problemas para posterior descarte. Ao todo foram 32 unidades de gelatinas; 04 sacos de leite em pó (sendo 1 saco de 1Kg) e 01 Composto Lácteo.

No dia seguinte tivemos muitas doaçòes que não foram contabilizadas para efeito desta primeira apuração, pois eu já havia divulgado o resultado em cartaz na escola. Muitos trouxeram donativos, como por exemplo, o prof. George (Geografia) que doou gelatinas e, inclusive, eu que trouxe leite em pó tanto da minha parte quanto da minha mãe.

Cartazes confeccionados pelos alunos e espalhados na Unidade Escolar


segunda-feira, 15 de novembro de 2010

II Arrecadação da Campanha de Solidariedade 2010: Chamada para o Dia D da Campanha




Logotipo da Campanha de Solidariedade da E.M. Dilermando Cruz


No dia 08 de novembro, 2ª feira passada, mobilizamos a Campanha da Solidariedade através de cartazes espalhados pela escola (E.M. Dilermando Cruz). Os alunos aprontaram quatro cartazes, ao todo, e eu fiz dois baseados nos ídolos teens, tanto na categoria de cantores quanto atores.
 
O nosso objetivo era chamar a atenção dos alunos para o "Dia D da Campanha da Solidariedade" (Dia de Doar; Dia de Dividir e, como um alunos afirmou, Dia de Deus), agendado para o dia 12, na última 6ª feira.
 
Como era de se esperar, os cartazes com os ídolos fizeram que eu fiz - embora bem simples - atingiu em cheio a proposta, pois chamou bastante atenção pelas imagens atrativas (Miley Cyrus,Jonas Brothers, Justin Bieber, Demi Lovato, Selena Gomez, Luan Santana, Fiuk, Restart, Vanessa Hudgen, Taylor Lautner, Robert Pattinson e outros.
 
Pode até ser que a mensagem sobre o Dia D da Campanha não tenha surtido o mesmo efeitoa das mensagens, mas uma coisa é certa, a maioria leu a mensagem na tentativa de associar ambos (a imagem e a mensagem).








Mensagem do Cartaz




Cartaz fixado no prédio em anexo


















O outro cartaz fixado no prédio principal da Unidade Escolar, de acesso ao pátio interno








Ambos os cartazes tiveram que ser colados em outros pontos devido ao "histerismo" de algumas alunas, que gritavam ao ver a imagem de seu ídolo. Por esta, eu não esperava!









Mensagem: Isto é Virtual?



Imagem capturada na Internet (Fonte: Caixa de Textos)

Estou retornando depois de um bom tempo ausente, mas não tive como publicar nada durante este período. Apesar de ter acessado o Blog várias vezes, estive super ocupada com provas, Campanha de Solidariedade, minha mãe, meus afazares domésticos, filha, marido e um curso on line.


Mas, estou de volta! E para começar, uma mensagem atualizada... era digital, desigualdades sociais, ilusões, criança pedinte etc.



ISTO É VIRTUAL?

Rosa Pena


Entro apressada e com muita fome na confeitaria. Escolho uma mesa bem afastada do movimento, pois quero aproveitar a folga para comer e passar um e-mail urgente para meu editor.

Peço uma porção de fritas, um sanduíche de rosbife e um suco de laranja.

Abro o laptop.

Levo um susto com aquela voz baixinha atrás de mim.

- Tia, dá um trocado?

- Não tenho, menino.

- Só uma moedinha para comprar um pão.

- Está bem, compro um para você.


Minha caixa de entrada está lotada de e-mails. Fico distraída vendo as poesias, as formatações lindas. Ah! Essa música me leva a Londres.

- Tia, pede para colocar margarina e queijo também.

Percebo que o menino tinha ficado ali.

- Ok, vou pedir, mas depois me deixa trabalhar. Estou ocupadíssima.

Chega minha refeição e junto com ela meu constrangimento.

Faço o pedido do guri e o garçom me pergunta se quero que mande o garoto “ir à luta”. Meus resquícios de consciência me impedem de dizer sim.

Digo que está tudo bem, que o deixe ficar e traga o pedido do menino.

- Tia, você tem Internet?

- Tenho sim, essencial ao mundo de hoje.

- O que é Internet?

- É um local no computador, onde podemos ver e ouvir muitas coisas, notícias, músicas, conhecer pessoas, ler, escrever, sonhar. Tem de tudo no mundo virtual.

- E o que é virtual?

Resolvo dar uma explicação simplificada, na certeza de que ele pouco vai entender e vai me liberar para comer minha deliciosa refeição, sem culpas.

- Virtual é um local que imaginamos, algo que não podemos pegar, tocar. É lá que criamos um monte de coisas que gostaríamos de fazer, criamos nossas fantasias, transformamos o mundo em quase como queríamos que ele fosse.

- Legal isso. Adoro!

- Menino, você entendeu o que é virtual?

- Sim, também vivo neste mundo virtual.

- Nossa! Você tem computador?

- Não, mas meu mundo também é desse jeito...virtual.

Minha mãe trabalha, fica o dia todo fora, só chega muito tarde, quase não a vejo. Eu fico cuidando do meu irmão pequeno que chora de fome e eu dou água para ele imaginar que é sopa. Minha irmã mais velha sai todo dia, diz que vai vender o corpo, mas não entendo pois ela sempre volta com o corpo. Meu pai está na cadeia há muito tempo, mas sempre imagino nossa família toda junta em casa, muita comida, muitos brinquedos, ceia de Natal, e eu indo ao colégio para virar médico um dia.

- Isso é virtual, não é tia?

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Censo 2010: Somos mais de 185 milhões de habitantes



Imagem capturada na Internet (Fonte*)

Os primeiros resultados do XII Censo Demográfico do Brasil (2010) estão sendo publicados hoje, segundo o site do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.
 
E o que eu destacaria, neste primeiro momento, já prometendo divulgar os dados oficiais assim que estes forem publicados, diz respeito à população absoluta.
 
A estimativa anterior pairava em torno de 193,2 milhões de habitantes, tal como eu mesma publiquei em matéria neste espaço, contudo, com os resultados do levantamento demográfico deste ano, realizado no período de 01 de agosto a 31 de outubro, os números apontam um queda na projeção (estimativa).
 
Como muitos sabem, o Censo Demográfico é realizado a cada década, ou seja, de 10 em 10 anos. Após a realização do mesmo, uma nova recontagem é feita nos anos subsequentes, através das quais temos uma projeção estimada do aumento do número de habitantes.
 
Como este levantamento trabalha com probabilidade, os dados são estimáveis, podendo apresentar uma margem de erro para mais ou para menos. E, tal como vem se configurando os indicadores sociais, com o declínio das taxas de natalidade e de fecundidade, o número total de habitantes do Brasil também apresentou uma queda.
 
De acordo com os dados preliminares do IBGE, divulgados nos principais meios de comunicação, hoje, a população atual do Brasil é de cerca de 185.712.713 haitantes.
 
No Censo anterior (2000), a população brasileira era de 169.590.693 habitantes. Em 2009, a estimativa era de 191.480.630 habitantes e, mais recentemente, cerca de 193,2 milhões. Estas últimas estimativas contrairam as taxas de crescimento da população presumíveis.
 
Obs.: Fonte* (a imagem foi capturada da fonte Eu na Europa, onde os respectivos autores não dispuseram a fonte de onde extrairam a imagem)