sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

O Fim da Era Mubarak no Egito: "O povo derrubou o regime"


 Comemorações na Praça Tahrir, no Cairo após a renúncia do presidente egípcio
Imagem capturada na Internet (Fonte: Terra/Mundo - Foto: AFP)


A perspectiva era grande e o entusiasmo contagiou os mais otimistas, mas o desfecho da crise no Egito com a renúncia do seu presidente – esperada ontem com o seu pronunciamento em cadeia nacional – não aconteceu. Ela só veio a ocorrer mesmo, hoje, levantando o ânimo e as esperanças da população egípcia.
 
Muhammad Hosni Sayyid Mubarak, de 82 anos de idade, que estava no poder a quase três décadas deixou o cargo, hoje (11/02), embora em seu pronunciamento, ontem, o mesmo tenha ratificado, mais uma vez, a sua intenção real em aguardar a sucessão presidencial nas próximas eleições deste ano (setembro).


                                                     Ex-presidente Hosni Mubarak
                                                        magem capturada na Internet (Fonte: G1.Globo)


O anúncio de sua renúncia foi feito pelo vice-presidente egípcio Omar Suleiman na TV estatal egípcia Al Arabiya, provocando forte comoção e comemorações na praça Tahrir, no Cairo, onde milhares de manifestantes se encontravam reunidos.
De acordo com os últimos noticiários, o presidente Hosni Mubarak não aguentou a pressão popular e a crise instalada no país, cedendo aos apelos da população a sua saída do governo.
Pelo menos essa é a versão apresentada nas mídias, contradizendo radicalmente o seu discurso até ontem.
Com a sua renúncia (espontânea ou forçada, vamos saber ao certo!), Mubarak passou o poder ao Conselho das Forças Armadas. Segundo o porta-voz do Partido Nacional Democrático (NDP), do governo, Mubarak e sua família viajaram para o balneário de Sharm el-Sheikh, no mar Vermelho.
O Egito respirou aliviado e as comemorações se espalharam não só em território nacional, mas em outros países através dos seus imigrantes egípcios.
 Para quem não está acompanhando os noticiários, vou tentar explicar a crise no Egito, movida por protestos populares, os quais tiveram início no dia 25 de janeiro deste ano, na praça Tahrir, no centro do Cairo, capital do país.
A primeira manifestação popular contra o governo egípcio foi convocada por meio da rede social Facebook pelo ativista e director de marketing da Google para o Médio Oriente, Wael Ghonim.
Outros protestos em massa se sucederam pelas principais cidades do país. Além da capital (Cairo), Alexandria, Suez e Ismaília serviram de palco às manifestações populares.
O número oficial de mortos são bastante divergentes, mas segundo a estimativa da Organização das Nações Unidas (ONU) cerca de 300 pessoas já morreram em decorrência das manifestações, nos confrontos com a polícia e o Exército.
Na tentativa de conter os protestos, o governo estabeleceu toques de recolher das 16h às 8 h (horário local) e o bloqueio de telefonia e da internet. O ativista Wael Ghonim ficou preso por 11 dias, sendo solto recentemente.
Até o ponto que eu tomei conhecimento, a telefonia celular estava sendo gradualmente restaurada, mas a Internet permanecia bloqueada no país. Com a saída do presidente, certamente, a situação vai se normalizar. Pelo menos é o que se espera!
Hosni Mubarak assumiu a presidência após o assassinato do então presidente egípcio, Anwar Sadat, em 1981, por militantes islâmicos durante uma parada militar no Cairo. Mubarak, na época, era o vice-presidente e mesmo estando presente no local, ele conseguiu sair ileso do ataque.
Desde que assumiu o governo do Egito, no dia 14 de outubro de 1981 (8 dias após o assassinato de Anwar Sadat), Mubarak já sobreviveu a pelo menos seis tentativas de assassinato.

Com um perfil anti-popular e sob um regime autoritário, durante a sua gestão como presidente (cerca de 30 anos), Mubarak se tornou um importante aliado dos países ocidentais e configurando-se como um estadista internacional com base na mesma questão que motivou a morte de Sadat: a busca da paz com Israel.
O Egito e a Jordânia são os dois únicos países árabes a terem Tratados de Paz com Israel. E a preocupação existente residia na possibilidade do levante popular no Egito se transformasse em uma revolução. Se tal situação caminhasse e se concretizasse como tal, seria um golpe duro para o já enfraquecido processo de paz no Oriente Médio.
Os manifestantes egípcios exigiam a saída imediata do presidente e a implantação de reformas democráticas no país, já que a repressão, a corrupção, inclusive, fraudes eleitorais sempre estiveram associados a sua gestão nestes anos todos. Além destes aspectos, a população atribui - ao governo - a responsabilidade pelos níveis de pobreza e do desemprego que assolam o país.
A respeito das próximas eleições, os manifestantes também impuseram garantias de que o seu filho, Gamal Mubarak, chefe do comitê político do Partido Nacional Democrático (NDP), não fosse o seu sucessor na presidência (o presidente egípcio também tem outro filho, Alaa Mubarak).
No domingo passado (06/02), no entanto, foram promovidas algumas mudanças na cúpula do partido governante do país (NDP) e uma delas foi a destituição de Gamal Mubarak do cargo de chefe do comitê político do NDP, sendo nomeado – em seu lugar - o senador Hosam Badrawi.
Tal medida foi entendida por muitos como sinal de que o filho de Mubarak não irá disputar o cargo de presidente nas próximas eleições de setembro.
Todas estas mudanças realizadas, pelo então presidente egípcio, serviram para acalmar os ânimos da população insurgente e garantir a sua permanência no poder. De nada adiantou, pois os protestos continuaram mesmo com a presença e atuação dura das forças da polícia e do Exército.
Com tudo isso, outro aspecto merecia devida atenção e preocupação, segundo os analistas, pois os protestos populares poderiam dar bases e/ou ascender um movimento por parte de grupos islâmicos ou, pior ainda, estarem sendo instigados por estes numa tentativa de chegar ao poder mediante a crise política ou por meio de eleições livres.
O maior e mais organizado grupo de oposição no país é a Irmandade Muçulmana, grupo fundamentalista islâmico, ligado ao Hamas palestino. Este foi colocado na clandestinidade pelo presidente Mubarak sob pressão do Ocidente (EUA e a Europa), que teme que o referido grupo islâmico possa assumir o governo do país.

A Irmandade Muçulmana defende a adoção de leis religiosas no Egito, baseadas na sharia (código islâmico, fundamentado no Corão). Mas, o grupo – a princípio - se manteve em uma posição discreta durante os protestos e os confrontos que se sucederam no país por temer retaliações por parte do governo.
Na verdade, os manifestantes não representavam um determinado segmento da população; representava a sociedade egípcia, independente de classe social, religião, sexo e faixa etária. Era uma manifestação popular, geral, por reformas democráticas no país.
Nestes últimos dias, até o posicionamento do Exército e do Conselho Militar Supremo do Egito deu bases para a cogitação de um possível golpe militar.
A Comunidade Internacional também reagiu face à crise no país. Os EUA, responsáveis por bilhões de dólares em ajuda para o Egito, se manifestaram contra a crise, pedindo uma “transição ordenada” de poder.
 Os líderes da ONU, da Grã-Bretanha, da França e da Alemanha chegaram a solicitar o fim da violência e a realização de reformas no país.
Em contrapartida, tanto o rei da Arábia Saudita, Abdullah Bin Abdulaziz Al Saud, quanto o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, manifestou apoio a Mubarak, condenando os manifestantes por colocarem em risco a segurança e a estabilidade do país.

Como podemos perceber, a crise no Egito foi marcada não só pelos diversos aspectos associados ao regime autoritário versus o clamor popular por reformas democráticas, como havia em jogo, também, aspectos políticos, religiosos (extremos) e econômicos de amplitude mundial.
Durante os 18 dias de protestos, os efeitos da crise foram sentidos nos mercados globais, provocando a queda dos valores das ações nas principais bolsas do mundo e a elevação do preço do petróleo.
Com a renúncia de Mubarak, as ações nas bolsas de valores voltaram a subir.
Além do presidente egípcio, o Secretário-Geral do Partido Nacional Democrático, Hossam Badrawi, renunciou. Este havia assumido o posto, recentemente (06/02), após a renúncia do ex-Secretário-Geral, Safwat el-Sharif e de Gamal Mubarak, filho do presidente, mediante as mudanças políticas implantadas por Mubarak na tentativa de se manter no poder mesmo sob a pressão popular.

A renúncia do presidente Hosni Mubarak por pressão popular tem um significado muito forte e consolida a crise por qual perpassa o mundo árabe. O governo egípcio representa a segunda ditadura a ruir no Norte da África e na região sob influência árabe, em menos de um mês.
Para quem não recorda, a Tunísia passou por uma crise análoga, de insatisfação popular por motivos semelhantes (corrupção, ditadura e alto índice de desemprego), a qual se solidificou na chamada Revolução do Jasmim, ocorrida no dia 14 de janeiro, que resultou na fuga do ditador Zine el Abidine Ben Ali (23 anos no poder) que acabou se refugiando na Arábia Saudita.
Sob este mesmo contexto, outros países da África do Norte e do Oriente Médio seguem o processo democrático em busca de liberdade e o fim do regime autoritário de seus governantes, tal como a Mauritânia, Argélia, Jordânia e Iêmen.
Hoje, um grito só foi ouvido por milhares de vozes... "O povo derrubou o regime".


Protestos no Egito - Imagem capturada na Internet (Fonte: Correio Braziliense)


Protestos no Egito - Imagem capturada na Internet (Fonte: Correio Braziliense)



Protestos na Praça Tahrir   (Fonte: A Tarde OnLine)



Fontes de Consulta:




. Jornal O Globo (impresso/várias edições) 

10 comentários:

Taiany Fonseca Abu Adiya disse...

O Mundo deve comemorar o fim de qualquer Ditadura. O direito a Liberdade deve se estender a todos os homens. Essa revolta popular, sem dúvida, inspirará outras. Pois agora é notável a força do POVO.
"O POVO QUE DERRUBOU O REGIME"

Parabéns professora. Ótimo texto.

Ricardo disse...

Egito para melhor ou pior ?

E para o Mundo ?

Não seria melhor você ter a sua opinião ?

E como você usa logim falso porque onde tem comentário falta conteído ou link de quem escreve. Nem orkut o infeliz tem

Marli Vieira de Oliveira disse...

Taiany,

Tal como você comentou, outras similares ocorrerão e o movimento já está sendo sentido em vários outros países, sobretudo, na África do Norte e no Oriente Médio.

Será, como os analistas afirmam,um efeito dominó.

Não esquecendo que o Egito foi o segundo país a derrubar o regime autoritário (após a Tunísia).

Abraços

Marli Vieira de Oliveira disse...

Ricardo,

A minha proposta neste Blog é voltado, sobretudo, a atender os segmento aluno e, como eu mesma citei no início do texto,ele foi escrito na intenção que os mesmos entendessem a crise no Egito.

Neste caso, cabe a qualquer educador deixar o usuário (seja aluno, professor ou outra pessoa) a tirar as suas próprias conclusões.

Quando falamos em Ditadura fica em evidência que é algo que vai na contramão do bom senso, da democracia que muitos povos almejam.

Obrigada por seu comentário.

Abraços

Pedro H. M. Gonçalves disse...

Na TV só mostrava violencia aqui explica tudo! muito bom!
Mais a pior parte para mim foi a violência. ):

Leonardo Maia disse...

eu não concordei muito com essa atitude de violência, do povo do Egito.
Pois acho que, eles tinham que ter um representante para cuidar desse assunto para eles, nao sair fazendo protestos na rua..

Gisele Guedes disse...

Eu acheii bem legal o povo do Egito ter protestado, eles não abaixaram a cabeça nem se deixaram a bater.O Problema realmente foi a violência, até compreendo que o povo estava revoltado mas violência não leva a nada a não ser a mais vioência e foi exatamnete isso que aconteceu u.u Graças a Deus que tudo terminou (:

Prof.: JOSÉ CARLOS disse...

Vim conhecer seu espaço e gostei muito! Muito seleto e diversificado. Parabéns. A educação é a base do ser humano para sua vida em sociedade e para uma vida feliz. Também sou educador e vejo que nossa base holística é o caminho mais ameno a seguir, repleto de aprendizados diários.
Obs: Também virei seu seguidor.
Prof. José Carlos
http://projetosead.blogspot.com/

Marli Vieira de Oliveira disse...

Pedro, Leonardo e Gisele,

Realmente, a violência gera violência. Ainda mais quando o regime repressivo e autoritário não permite que o povo se manifeste.

A crise por qual passa o mundo árabe tem que ser analisado sob diferentes facetas, pois envolve a falta de liberdade, da democracia, po regime de governo,a insatisfação popular e até o uso da Internet como instrumento para convocar e mobilizar o maior número de pessoas.

Muitos governantes, há décadas no poder, estão sendo pressionados a renunciar e, como estamos vendo, outros países sob as mesmas condições estão se mobilizando para reverter a situação deles. É o chamado "efeito dominó"...

O problema, mais uma vez, é a violência, já que ambas as partes "batem de frente".

Beijos,

Marli Vieira de Oliveira disse...

Prof. José Carlos,

Obrigada por sua visita e por suas palavras. A nossa intenção ao fazer uso deste ambiente, como educadores, sempre é voltado para a aprendizagem, inclusive, para a nossa mesma.

Afinal, nos obriga a acompanhar os fatos atuais, a elaborar artigos, postar tópicos da nossa disciplina específica,entre outros.

A troca é gratificante. O processo é lento, tendo em vista que muitos alunos não possuem, ainda, PC doméstico (e conectado), mas este é o caminho!

Não podemos desanimar!

Obrigada por me seguir e pode ter certeza, em razão da nossa área - comum - de atuação ser a Educação, eu também seguirei o seu Blog.

Em breve farei uma visita ao seu espaço e deixarei uma mensagem.

Abraços,