domingo, 22 de maio de 2011

C.E. José Marti: O Bullying em pauta nas discussões e nas atividades

Eu havia prometido, mas como mencionei no post anterior, eu não tive tempo para parar e publicar no Blog, assim como as atividades na Comunidade do Orkut ficaram paralisadas.

No dia 06/05 (6ª feira), as turmas do Colégio Estadual José Marti (noturno) entregaram os trabalhos e realizaram outras atividades, em sala de aula, pertinentes ao Projeto “Em Movimento”.

Após a minha aula na turma 3001, eu e o professor Antonio Francisco (Artes) ficamos responsáveis pela turma 2002. ~

Embora a frequência, na referida turma, fosse muito baixa, a produção e discussões foram ótimas e bastante enriquecedoras.

O tema em discussão foi Bullying e, antes de iniciarmos o debate, com os pronunciamentos dos alunos acerca desta prática, foi realizado uma enquete com os alunos presentes a fim de traçar o perfil dos mesmos em termos de vítimas e/ou agressores na situação em discussão.

Para a nossa surpresa (minha e do prof. Antonio), 67% dos alunos presentes declararam que já foram agressores, enquanto 17% alegou sua condição de vítima e os outros 17% de telespectador.

Depois do pronunciamento de cada aluno e das discussões arroladas, cada aluno produziu uma atividade para a exposição: tivemos desde desenho, história em quadrinho, produção de textos.

Foi muito interessante as formas de representação e, sobretudo, de relatos pessoais, inclusive, a ponto de mexer com o emocional através das lembranças vividas e sofridas.

Neste dia, os alunos presentes e que participaram foram: Adrian George da Silva Parry, André de Souza Viana, Amadeu Simões Pereira, Francisca Maria Gomes Benjamim, Michel Cláudio Freitas de Oliveira e Rafael Inácio.

Verdadeiramente foi uma pena a baixa frequência verificada na turma, neste dia. Se o número de aluno fosse mais elevado, a produção e as discussões teriam um efeito bem maior.

   
Prof. Antonio (à direita) e alguns alunos da Turma 2002











Um comentário:

Shirlayne disse...

Esse tema é muito comentado nas escolas... Acho ridículo como tem adolescentes sem coração no mundo que tenha coragem de maltratar uma criancinha ou até mesmo gente do próprio ginásio são pessoas que precisam de cuidados especiais porque isso por uma palavrinha que seja, pode pegar no ponto fraco da pessoa e ferir os sentimentos desse jovem. E aí, esse menino ou menina pode crescer e fazer alguma besteira na rua com outras pessoas. tudo o que sofreu, quando estudava,na vida adulta pode vir à descontar em pessoas que não tem nada a ver. Igual ao Caso do homem que matou as crianças da escola de Realengo. Triste história. Shirlayne T. 1903