terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Mudanças no Ranking das Maiores Economias do Mundo

 Imagem capturada na Internet (Fonte: Lei de M.E.R.F.)


A todo instante, as mídias destacam a elevação do Brasil no ranking das maiores economias do mundo. O Brasil superou o Reino Unido (Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda do Norte), passando a ocupar a 6ª posição.
Esta mudança, segundo os especialistas da área econômica já era esperada mediante a crise que a Europa vem atravessando e o crescimento dos países emergentes (países subdesenvolvidos industrializados). E, em razão destes fatores, outras mudanças devem ocorrer nos próximos anos, fazendo com as novas posições (as atuais) também sejam alteradas.
Os países europeus vêm crescendo pouco em função, sobretudo, da crise econômica e financeira que estes estão passando (crise bancária de 2008). As previsões é que outros países europeus percam suas atuais posições em razão da situação vigente e as possíveis recessões a serem enfrentadas. A França, por exemplo, que ocupa – atualmente – a 5ª posição, em função da crise e a recessão econômica, deve cair - em 2020 - para a  9ª colocação. 
Os países emergentes, por sua vez, vêm mantendo um crescimento econômico. Entre os países-membros do G5 (grupo dos cinco líderes dos países emergentes), que são o Brasil, China, Índia, México e África do Sul, os três primeiros figuram entre as dez maiores economias, sendo a China, a segunda maior economia (só perdendo para os EUA) e a Índia posicionada na 10ª colocação, além do Brasil na 6ª posição.  
De acordo com os economistas, a crise por qual perpassa o continente europeu deve limitar a capacidade de crescimento dos países, o que possibilitará a projeção dos países emergentes, que vêm mantendo um ritmo de crescimento capaz de corresponder a estas previsões. Sendo assim, a Índia deve superar o Brasil no ranking e ocupar a 5ª posição, mas o nosso país deverá manter-se na atual colocação (6ª posição), uma vez que diante da crise europeia e os sérios riscos de uma recessão econômica, ele deverá ultrapassar a França.
A Rússia, país-membro da BRICS (países com maior destaque na área econômica, Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) deve sair da 9ª e ocupar a 4ª posição em 2020, superando – inclusive – o nosso país.
Torna-se importante ressaltar, aqui, que estes dados refletem o crescimento econômico dos países baseado no PIB nacional, isto é, a soma do valor de todos os serviços e bens produzidos no país. E, por isso, crescimento econômico não deve ser confundido com desenvolvimento, uma vez que este último reflete um incremento, sobretudo, na esfera social , em qualidade de vida (educação, saúde, habitação, transporte, limpeza urbana, segurança pública, redução da pobreza e da má distribuição de renda etc.).
Segundo o Centro de Pesquisa para Economia e Negócios, publicado no Jornal O Globo (27/12/2011, pag. 17 – Seção Economia), o ranking atual (2011) e o previsto para o ano de 2020 são, respectivamente:

2011

1º EUA
2º China
3º Japão
4º Alemanha
5º França
6º Brasil
7º Reino Unido
8º Itália
9º Rússia
10º Índia


2020

1º EUA
2º China
3º Japão
4º Rússia
5º Índia
6º Brasil
7º Alemanha
8º Reino Unido
9º França
10º Itália


Fontes de Consulta

. Administratores.com.br

. Jornal O Globo (27/12/2011, Seção Economia, pag. 17)

. Miriam Leitão.com

Nenhum comentário: