sábado, 30 de abril de 2011

O Poder da Mídia na Globalização

 
Imagem capturada na Internet (Fonte: Elo Mídia)
 
Atualizado em 01/12/2013 às 20:00h

Uma das características do processo da Globalização é a integração dos mercados com expansão de grandes multinacionais. Inclusive, no post anterior foi mencionado os problemas gerados na matriz de determinadas empresas japonesas, como a Toyota, Honda e Nissan - em consequência do terremoto seguido por tsunami - e os efeitos nas suas respectivas filiais, sobretudo, aquelas localizadas na América Latina.

Neste post, o foco é a propaganda, o marketing, estratégia bastante utilizada pelas grandes empresas face à concorrência no mercado e a política visando o aumento das vendas dos produtos.

Nós já falamos em sala de aula a respeito do marketing (propaganda), dos altos investimentos aplicados e da força de convencimento que esta adquire nas mídias sobre os consumidores.

Pois bem, como sugestão de leitura, indico o texto abaixo para os alunos do 8º e 9º Anos.


O Poder da Mídia na Globalização
 
Todos os homens são iguais perante Deus
E sem uma boa agência de propaganda,
todas as margarinas também.


As duas marcas de margarina mais vendidas no Brasil são praticamente idênticas no sabor e na cremosidade. Só que, curiosamente, uma delas vende quase o dobro da outra.

Como se leva o consumidor a preferir uma margarina, um shampoo, uma cerveja, ou qualquer outro produto, entre tantos tão iguais?

Sim, porque por mais dinheiro que se invista, nenhum laboratório de pesquisas do mundo seria capaz de criar diariamente um novo diferencial para a margarina.

Acontece que a comunicação pode.

Ela é, aliás, a maneira mais eficaz e poderosa de se criar o desejo de compra nas pessoas. E com uma enorme vantagem de custo.

É por isso que comunicação e marketing se transformaram nas atividades mais importantes de uma empresa.

Mais importantes que o produto, preço, distribuição, que, sozinhos, seriam incapazes de gerar volume de vendas. Mais importantes que a fábrica. (Nike é líder mundial e não possui uma fábrica).

Mais importantes até que a própria empresa. (O Laboratório Fontoura fechou há uma década, mas suas marcas Biotônico Fontoura e Detefon continuam sendo vendidas até hoje.)

Só que quem pode entender de óleos vegetais e hidrogenados e, ao mesmo tempo, cuidar da comunicação de uma marca? Qual a empresa que pode pensar criativamente o seu próprio produto, pensar nele conceitualmente, com uma visão menos afetiva e incestuosa, e muito mais realista?

É aí que nasce a relação entre uma empresa e uma boa agência de propaganda, talvez a parceria mais importante na história de qualquer produto vitorioso, de qualquer companhia de sucesso.

Se uma marca só pode acontecer através de uma boa comunicação, uma boa comunicação só pode ser produzida por uma boa agência e uma boa equipe.

Afinal, são essas pessoas que passaram dezenas de anos lidando com o marketing de grandes empresas. Aprenderam com a experiência o que funciona ou não. Já gastaram milhões de dólares testando novas idéias. E é por isso que ninguém como eles consegue fazer duas margarinas parecerem tão diferentes.

Talvez isso explique o respeito e o forte relacionamento de anos de uma Gessy Lever — fabricante da líder Doriana — com a sua agência de propaganda. Bem como tantos outros exemplos que se vêem no mercado.

Se você tem uma boa agência de propaganda, aprenda a utilizá-la. Tente extrair o máximo que ela pode oferecer. Divida com ela dúvidas, temores, alegrias, erros e acertos. Mas, acima de tudo, valorize sua agência.

Você não calcula quanto uma equipe dessas, estimulada, é capaz de fazer pela sua empresa.

Sem esse tipo de parceria, entretanto, talvez seja melhor nem tentar. A cada 10 novos produtos lançados, 7 deles fracassam porque, por uma razão ou outra, não conseguem sobressair junto ao consumidor.

O mercado, ao contrário de Deus, é bem exigente, seletivo e impiedoso.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGÊNCIAS DE PROPAGANDA
(20º Anuário do Clube de Criação de São Paulo)

Aldeia Global e seu Efeito em Cascata

Carregamento de carros para exportação atingido pela tsunami em Hitachinaka
Imagem capturada na Internet (Fonte: Autonews Notícias - Foto: AFP)


O processo de transformações econômicas, políticas, sociais e, também, culturais que se verifica no mundo todo é denominado de Globalização e, como muitos sabem, os seus efeitos podem ser tanto positivos quanto negativos.

Sob o aspecto negativo estamos presenciando, mais uma vez, o efeito dominó que é desencadeado após um país ser afetado, economicamente, por algum problema, o qual vai intervir direto e/ou indiretamente nos demais países inter-relacionados e integrados na rede de mercados comerciais e, sobretudo, de atuação de multinacionais (filiais de empresas estrangeiras).


O fato o qual me refiro não se trata de uma crise, mas de um desastre natural, capaz de gerar uma grande instabilidade econômica e financeira (sem falar das perdas humanas).  Estou falando do terremoto seguido por tsunami que ocorreu no Japão, em março deste ano.

Em 2001, presenciamos os efeitos imediatos do ataque terrorista nos EUA, nos sistemas eco-nômico e financeiro em território estadunidense e em diversos países espalhados no mundo todo.


Na época, a Bolsa de Nova Iorque (EUA) ficou interrompida por quatro dias e, imediatamente, o impacto do ataque terrorista e a insegurança se alastrou no mundo, fazendo com que muitos investidores vendessem suas ações, sobretudo, as de companhias aéreas e seguradoras. Sob o mesmo efeito seguiram as bolsas de valores de Tóquio, Paris, Londres e Frankfurt, consideradas as mais importantes do mundo, assim como a de São Paulo e de outros países da América Latina, como a do México, Venezuela, Chile e Argentina.


Sem falar dos riscos e das ocorrências de falências de empresas, da implantação de planos de redução de custos, sobretudo, na indústria aeronáutica mundial, como em outros ramos inter-relacionados, os quais geraram - consequentemente - o desemprego.

São os efeitos em cascata na chamada Aldeia Global.

Pois bem, em razão do forte terremoto (8,9 na escala Richter) que ocorreu no Japão, no dia 11 de março, as grandes montadoras japonesas Toyota, Honda e Nissan foram obrigadas a suspender as atividades nas fábricas do país. Até porque todas elas sofreram diretamente os efeitos dos sismos, com registro de uma morte e de 30 feridos na Honda e de incêndios em duas unidades da Nissan.

Em consequência das interrupções em território japonês, além dos prejuízos locais, na produção de peças e, sobretudo, em termos de exportação, principalmente, para os Estados Unidos, a Toyota anunciou a parada temporária de sua produção no Brasil e na Argentina.

Pela primeira vez, a produção de veículos da Toyota é afetada na América latina por efeito de um desastre natural.

A produção do carro Corolla, em Indaiatuba (SP), foi suspensa no dia 25 de março e a previsão é que seja novamente interrompida nos próximos dias 06 e 20 de maio.

Está também prevista que a produção argentina da picape Hilux e do utilitário esportivo SW4, em Zárate, será paralisada nos dias 13, 20 e 27 de maio.

A Toyota, por sua vez, garantiu que as suspensões não causarão desemprego em suas fábricas em ambos os países. Assim esperamos...

30 de Abril: Dia da Baixada Fluminense

 Imagem capturada na Internet (Google)


Hoje, alguns municípios do estado do Rio de Janeiro tiveram um motivo a mais para festejar, além de homenagear as mulheres pelo Dia Nacional da Mulher.

Municípios como Duque de Caxias, Nova Iguaçu, Mesquita, Belford Roxo e mais outras nove cidades estão em festa até agora, com shows, em razão do  Dia da Baixada Fluminense. 

Estes 13 municípios se localizam na faixa de terras que abrange toda a região metropolitana que faz limite com a cidade do Rio de Janeiro. São eles: Belford Roxo, Duque de Caxias, Nova Iguaçu, Guapimirim, Itaguaí, Japeri, Magé, Mesquita, Nilópolis, Paracambi, Queimados, Seropédica e São João de Meriti.

A minha ligação maior foi com o município de Duque de Caxias, onde atuei como professora primária e do II Segmento do Ensino Fundamental. Trabalhei nas seguintes Unidades Escolares: E.E. Hélio Rangel (Jardim Primavera); E.E. Guadalajara/ hoje Colégio Estadual (Olavo Bilac) e, por último, E.E. Assis Chateaubriand (Cidade dos Meninos).

Por todos elas guardo um enorme carinho e, em especial, pela cidade, na qual transitava não apenas para pegar ônibus.

Baixada Fluminense - Imagem capturada na Internet (Google)

Dica de Sites: Biografias

Dando continuidade às Atividades Dirigidas acerca do Dia Nacional da Mulher, o uso do computador e da Internet se mostram necessários para os grupos do 7° ano (Turmas 1704 e 1705), tendo em vista a pesquisa biográfica de personalidades femininas brasileiras. Para facilitar a pesquisa, estou indicando os endereços abaixo, mas a Internet tem várias outras opções:

1. Biografias UOL Educação

2. ISTO É On Line

3. NetSaber Biografias

4. Wikipedia

Atividades Dirigidas: Dia Nacional da Mulher


Em razão da semana de provas da Secretaria Municipal de Educação (SME/RJ) e a dos professores da Unidade Escolar (E.M. Dilermando Cruz), o prazo da entrega dos trabalhos acerca do Dia Nacional da Mulher ficou estabelecido para a semana do dia 08 de maio (com turmas entregando até o dia 13).

Como eu havia prometido - aos alunos - um post para elucidar quaisquer dúvida ainda existente, aqui estou a atendê-los. Cada ano do Ensino Fundamental fará um tipo de atividade, a saber:

. 6º Ano (Turmas 1601 e 1602): Trabalho em grupo

Entrevista com mulheres integrantes da nossa Comunidade Escolar (responsáveis, professoras, pessoal de apoio e administrativo), além da esposa do sorveteiro e a caseira. A escolha das pessoas foi feita por sorteio.

. Passo a passo:

- Formação do grupo (livre; de acordo com a escolha dos alunos);

- Sorteio da mulher a ser entrevistada;

- Formulação de 4 a 5 perguntas extras pelo grupo;

- Entregar as perguntas formuladas pelo grupo à professora para avaliação e/ou retificação;

- Entrar em contato com a pessoa e marcar o dia para a realização da entrevista;

- Tirar xérox da folha com a entrevista pré-formulada na papelaria e anexar as perguntas estabelecidas pelo grupo;

- Realizar a entrevista munidos de máquina fotográfica para o registro do grupo com a pessoa entrevistada;

- Passar a limpo a entrevista (manuscrito) e anexar a foto.



. 7º Ano (Turmas 1704 e 1705): Trabalho em grupo

Levantamento biográfico de duas personalidades femininas brasileiras de diferentes áreas de atuação (política, artes cênicas, literatura, artes plásticas, cantoras, economistas etc.). A escolha das personalidades foi feita por sorteio.


. Passo a passo:

- Formação do grupo (livre; de acordo com a escolha dos alunos);

- Sorteio das personalidades femininas a serem pesquisadas (duas por grupo);

- Uso da Internet: pesquisa quanto à biografia das respectivas personalidades;

- Leitura e síntese (resumo) da vida das personalidades;

- Copiar e colar a imagem desta (foto da mesma) para identificação;

- Digitar a síntese, tomando o cuidado de colar a imagem no alto da folha;

- A síntese deverá ser digitada em papel branco A4 e em uma só face da folha, pois esta vai ser fixada na parede. Não se esquecer de anexar a foto na parte superior da folha e posicionada de forma centralizada;

- A digitação deverá estar de acordo com as seguintes regras de apresentação:

. Fonte: Georgia;

. Tamanho da Fonte: 14 (para leitura na parede);

. Espaçamento entre linhas: 1,5 linhas (ver em parágrafo);

. Margens (superior, inferior, esquerda e direita): 1,5 acm (ver Configurar Página).



. 8º e 9º Ano (Turmas 1804, 1901, 1902 e 1903): Trabalho em grupo

Entrevista com mulheres integrantes da População Economicamente Ativa (PEA) e que não façam parte da nossa Comunidade Escolar.


. Passo a passo:

- Formação do grupo (livre; de acordo com a escolha dos alunos);

- Escolha da mulher a ser entrevistada;

- Formulação de entrevista, com um mínimo de 10 perguntas, sabendo que outras poderão ser criadas durante a realização da mesma (em situação complementar e/ou de curiosidade por parte do grupo);

- Entregar as perguntas formuladas pelo grupo à professora para avaliação e/ou retificação;

- Entrar em contato com a pessoa, entregar a autorização de uso de imagem (xérox na papelaria) e marcar o dia para a realização da entrevista (caso, ela não concorde com o uso de imagem, escolher outra pessoa);

- Antes da entrevista, o grupo deverá anotar os seguintes dados pessoais da entrevistada:

. Nome;

. Idade;

. Escolaridade;

. Naturalidade (estado onde nasceu):

. Religião;

. Estado Civil:

. Número de filhos;

. Profissão.


- Realizar a entrevista munidos de máquina fotográfica para o registro do grupo com a pessoa entrevistada em seu local de trabalho;

- A entrevista deverá ser digitada em papel branco A4 e em uma só face da folha, pois esta vai ser fixada na parede. Não se esquecer de anexar a foto na parte superior da folha e posicionada de forma centralizada.

- Adotar as seguintes regras de apresentação do trabalho:

. Fonte: Georgia;

. Tamanho da Fonte: 14 (para leitura na parede);

. Espaçamento entre linhas: 1,5 linhas (ver em parágrafo);

. Margens (superior, inferior, esquerda e direita): 1,5 cm (ver Configurar Página).

 
Vejam como deverá ser apresentada tanto a pesquisa Biográfica ( 7º Ano) quanto à Entrevista (8º e 9º Anos):    






30 de abril: Dia Nacional da Mulher


Mulheres - Imagem capturada na Internet (Fonte: Repórter Net)


Hoje, 30 de abril, é comemorado o Dia Nacional da Mulher, mas poucos sabem desta data comemorativa e a sua origem.

Embora, eu trabalhe há anos com a referida data e as questões que permeam a evolução do seu papel da mulher, sobretudo, a brasileira na sociedade e no mercado de trabalho, os alunos mais novos só conhecem o Dia Internacional da Mulher, que é comemorado no dia 08 de março.

Isso é até compreensível, pois as mídias divulgam muito esta segunda data, enquanto a primeira (referenciada em território nacional) nunca foi atrelada a um comercial ou comentário em telejornal, rádio ou programa.

Este ano, tal como havia comentado com as turmas, encaminhei pedidos para a inclusão da data na programação do dia de hoje, tanto em emissoras de rádio quanto de televisão. Não ouvi, ainda, nada a respeito e muito menos tive o retorno das minhas mensagens.

Bom, independente desta falta de informação acerca da data, eu faço a minha parte. Este ano, as turmas não trabalharam o Dia Internaciona, mas vão apresentar trabalhos de pesquisa e entrevistas em função do Dia Nacional da Mulher.

Para quem desconhece a origem da data e a personalidade principal, Jerônima Mesquita, acesse AQUI para saber mais sobre esta data comemorativa e a vida desta mineira da cidade de Leopoldina, que foi importante na história do Brasil, sobretudo, no universo feminino brasileiro.

                      Jerônima Mesquita - Imagem capturada na Internet (Fonte: GeneAll.net)

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Família Real Britânica: Mais um casamento entre o príncipe e a plebeia

O casal William e Kate Middleton - Imagem capturada na Internet (Fonte: Gente IG)


Entre os vários aspectos que envolvem o casamento mais esperado deste ano, ou pelo menos, o mais divulgado nos principais meios de comunicação que é a cerimônia de união entre Guilherme de Gales e Kate Middleton, amanhã (29/04), tem a ver com a forma de governo monárquico, com a globalização, com a Geografia, a velha história do casamento entre um membro da família real com uma plebeia e, talvez tenha, com o Brasil.

Exaustivamente explorado nas mídias e, sobretudo, na economia através da venda de imagens do casal sob a forma de diferentes tipos de souvenir, o cerimonial de amanhã vai ser realizado na Abadia de Westminster (Igreja do Colagiado de São Pedro), em Londres.


Palácio de Westminster, Abadia de Westminster e Igreja de Santa Margarida
Imagem capturada na Internet (Fonte: Wikipedia)

Conhecido, popularmente, como Príncipe William, seu nome completo é William Arthur Philip Louis. Tem 28 anos de idade (completará 29 anos no dia 21 de junho).

Ele é o segundo nobre na linha de sucessão da monarquia britânica (logo depois do pai), filho primogênito do Príncipe de Gales, Charles Philip Arthur George Mountbatten-Windsor (Príncipe Charles) e da princesa Diana Frances Spencer (falecida em 1997, em um acidente automobilístico em Paris, na França).


Princesa Diana com os dois filhos Harry (esq) e William (dir) - Imagem capturada na Internet (Fonte: Caras)

Neto da rainha Elizabeth II, o príncipe William graduou-se como oficial militar pela Real Academia Militar de Sandhurst, devendo ingressar no regimento de cavalaria Blues and Royals da Household Cavalry do Exército Britânico.

O príncipe William namora com Kate Middleton desde o ano de 2004. Eles se conheceram na Universidade de St. Andrews, localizada a norte de Edimburgo, na pequena cidade Fife, na Escócia, onde ambos ingressaram no curso de História da Arte.

Tornaram-se amigos no primeiro ano da graduação (2002) e, no mesmo ano, William enfrentou dificuldades para se adaptar ao referido curso. Por sugestão da própria Kate Middleton, segundo as fontes de pesquisa, ele mudou o seu curso de graduação para Geografia.

No início do 2º ano na Universidade, o príncipe William e mais três colegas foram morar em uma casa alugada da Hope Street, número 13C, no centro antigo de St Andrews. Entre estes colegas estava a sua atual noiva Kate Middleton (os outros dois eram Olivia Bleasdale e Fergus Boyd).

O fato de ambos morarem juntos levantou muita especulação sobre o tipo de relacionamento que ambos mantinham, mas – na época - nada fora confirmado pelos dois. Eles viviam longe da imprensa, em um verdadeiro casulo, que – como tal – fez a vida se transformar radicalmente.

O príncipe William se formou em St Andrews, em 2005, com nota 2:1 em Geografia. O curso de graduação o transformou em um dos membros da família real britânica mais bem sucedido academicamente.

O primeiro herdeiro do trono a ter um diploma foi o seu pai, o príncipe Charles, em Cambridge.

Kate Middleton (seu nome completo é Catherine Elizabeth Middleton) tem a mesma idade do noivo, isto é, 28 anos, sendo – contudo mais nova em meses, pois só fará 29 anos no dia 9 de janeiro de 2012 (o Príncipe William fará em junho).

Ela nasceu no sul da Inglaterra, em Reading.

Seu pai foi piloto de avião e sua mãe aeromoça. Ambos tornaram-se empresários e bem sucedidos com venda de artigos para festas infantis.

A sua admiração pelo membro da nobreza e seu atual noivo é antiga. Segundo fontes de pesquisa, quando adolescente, Kate Middleton tinha na parede de seu quarto um pôster do Príncipe William com uniforme de pólo.

Coincidência, coisas do destino ou não, hoje, eles vivem juntos no Norte de Gales (North Wales) e vão oficializar a união, amanhã.

O fato deles morarem juntos demonstra mudanças nos próprios conceitos da família Real, quando – por ocasião do casamento dos pais do príncipe William (Príncipe Charles e Lady Diana), a virgindade da noiva era considerada uma condição fundamental para o casamento. Mas, isso foi há 30 anos... Os conceitos mudaram.

O casal vai morar na ilha de Anglesey, localizado no norte do País de Gales, cuja população é de cerca de 70 mil habitantes.

Em termos de Globalização há dois aspectos a serem destacados... Primeiro, que a família real vem resgatando a sua imagem através do uso das chamadas TICs (Tecnologias de Informação e de Comunicação), investindo, sobretudo, na Internet, seja em redes sociais, como o Facebook (considerada, hoje, a maior rede social do mundo), no Youtube (desde 2007) e no Twitter (desde 2009).


Segundo, que o próprio evento vai ser transmitido para o mundo todo pela emissora pública de rádio e televisão BBC. A estimativa é que a audiência alcance cerca de 2,5 bilhões de pessoas.

É tempo de globalização, de inovações tecnológicas.

No que se refere ao Brasil, como mencionei no início deste post, eu não posso assegurar até porque não há confirmação oficial, mas de acordo com o que foi publicado nas mídias, o jornal The Guardian afirmou que o vestido escolhido pela noiva é assinado pela brasileira Daniella Helayel. Será mesmo? Muitos acreditam que não, mas há especulações no ar...

Para saber mais sobre os Ancestrais do Príncipe William ou os Sucessores da Coroa Britânica, acesse R7 Notícias.


Fontes de Pesquisa

. BBC Brasil

. Extra

. Revista Veja (edição 16/11/2010 e edição 17/11/2010)

. Wikipedia (várias edições)

domingo, 24 de abril de 2011

Crônica: Preparação para a Páscoa de 2011

Imagem capturada na Internet (Fonte: Belas Mensagens)

Texto atualizado às 8h18

Dia 23 de abril de 2011, 4h20 da madrugada, Sábado de Aleluia, véspera do Domingo de Páscoa e eu perdi o sono.

Perdi não por estar iniciando uma vigília Pascal ou simplesmente por ter tido um pesadelo com Judas Iscariotes ou com o coelhinho da Páscoa. Não!

Perdi o sono porque o céu – por diversa vezes – se iluminou e ecoou explosões de fogos de artifícios, muitos dos quais pareciam estourar dentro do quarto.

Remexi na cama, virando de um lado e do outro, mas o barulho estarrecedor dos fogos parecia não ter fim e a minha agitação também.

Por alguns momentos quis entender a razão de tantos fogos artifícios justamente no Sábado de Aleluia, mas antes que eu pré-julgasse e atribuísse um grau de insanidade mental nos religiosos fogueteiros, lembrei-me que o dia era também de outro santo, guerreiro e muito festejado pelos devotos católicos e praticantes de religiões afro-brasileiras: São Jorge.

A vontade de dormir e o meu desespero eram tão grandes, que eu cheguei a rezar ao próprio São Jorge, na tentativa dele interceder junto aos seus fiéis madrugadores e fogueteiros para que os fogos cessassem. Mas, é claro que eu não seria atendida; afinal era festa para ele.

Remexi na cama novamente e fiquei a pensar na minha infância, relembrando a magia da Páscoa com o coelhinho e seus ovinhos.

Na minha tenra idade, o significado religioso ficava em segundo plano, muito embora, eu participasse das celebrações da Semana Santa na Igreja Católica junto com a minha mãe e minhas irmãs.

O meu fascínio infantil pela data era por conta dos ovos escondidos e da curiosidade sobre o coelho; de como ele conseguia entrar em casa sem que o cachorro se importasse (latisse) com a sua presença...

Sendo assim, além de seguir os diversos ritos religiosos da Semana Santa, com a celebração da Paixão, da Morte e da Ressurreição de Jesus Cristo, desde o Domingo de Ramos até o Domingo de Páscoa, tínhamos também as brincadeiras de procurar os ovos de chocolate que o coelhinho havia deixado escondidos e a famosa bacalhoada no almoço em família.

Bacalhoada como tradição passada pelos meus avós paternos e maternos, portugueses.

A família toda reunida, preparando o seu prato com muito azeite, vinagre, sal, pimenta e mais... batatas, cebolas, ovos, couve e o famoso bacalhau.

Senti saudades da minha infância e uma vontade enorme de voltar no tempo. Diante do óbvio, não há milagre – nem de São Jorge – que nos faça retroceder no tempo, resolvi levantar, pois o sono já havia sido perdido mesmo.

Ainda sob o estopim dos fogos de artifícios, que continuaram até o raiar do dia, fiz café, comecei a limpar a casa e fiquei a pensar na bacalhoada do Domingo de Páscoa, dia em se comemora a ressurreição de Jesus. Afinal, a preparação da bacalhoada é – agora - de minha responsabilidade.

E, sob a benção do significado religioso do Domingo de Páscoa (a salvação dada com a morte de Jesus e sua vitória com a ressurreição), eu espero encontrar e compartilhar o almoço com os meus familiares.

Feliz Páscoa a todos! E viva São Jorge!

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Novidade no Blog: Serviço de Busca

Para facilitar a busca de temas e/ou tópicos de Geografia no Blog, eu implantei o serviço de busca na lateral esquerda, abaixo dos "Arquivos do Blog" e em cima da "Categorias".



Há tempo estou para colocar este serviço. Acredito que ele vai facilitar e ajudar em muito a navegação no Blog.
Quem quiser colocar em seu Blog, eu vou indicar o endereço no qual obtive o caminho... Foi através do Templates Novo Blogger.

22 de Abril: Dia da Terra

  
Ex-Senador Gaylord Nelson - criador do Dia da Terra
Imagem capturada na Internet (Fonte: The Wilderness Society) 

Hoje é comemorado o Dia Internacional do Planeta Terra ou, simplesmente, o Dia da Terra.

A ideia de criar uma data para o planeta Terra foi do senador dos EUA (Wisconsin) e ativista ambiental Gaylord Nelson (falecido em 2005), que desde o início dos 60 do século XX já se mostrava adepto às questões ambientais e, sobretudo, persistente nas tentativas de enfatizar a importância da conservação do meio ambiente no cenário político do país.

Porém, mesmo tendo certo apoio do então presidente Kennedy, o meio ambiente não foi focado como tal, ou seja, como um problema político nacional.

Sendo assim, em 1969, Gaylord Nelson teve a ideia de criar uma data comemorativa, a qual veio acontecer no ano seguinte (22 de abril de 1970) com uma enorme manifestação popular.

Segundo fonte de pesquisa, o primeiro Dia da Terra (22 de abril de 1970) foi um verdadeiro sucesso, pois conseguiu reunir cerca de 20 milhões de pessoas, principalmente, estudantes de universidades e de escolas em território estadunidense.

A manifestação popular deu certo e o governo dos EUA criou a Agência de Proteção Ambiental (Environmental Protection Agency) e uma série de leis visando a proteção do meio ambiente.

Gaylord Nelson conseguiu, assim, alcançar o seu objetivo e, mais... Desde então, vários países passaram a comemorar do Dia da Terra na data de hoje. Todavia, a Organização das Nações Unidas (ONU) não reconhece a data.

 Para tratar esta temática - no data de hoje - optei por dar um enfoque bastante resumido  à luz da própria evolução da Terra e do ser humano junto à revolução da técnica (e tecnológicas) e das Ciências.

Não é meu objetivo aprofundar a discussão, mas enfocar o nível e a relação temporal da ação predatória do homem com a natureza sob o contexto da sustentabilidade e vulnerabilidade ambiental. 



 HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA TERRA

A história da Terra ou da Natureza pode ser dividida – em linhas gerais - em dois períodos bastante distintos: “Primeira Natureza” e de “Segunda Natureza”.


* primeira espécie do gênero Homo (evolução humana; dos ancestrais do homem moderno)

. Primeira Natureza (ou Natureza Natural): corresponde ao primeiro período da história da Terra desde o surgimento dela há cerca de 4,5 bilhões de anos até, aproximadamente, 1,8 milhões de anos.

Foi o período mais longo da história do nosso planeta, caracterizado por uma dinâmica exclusivamente natural sob a ação de forças endógenas (internas) e/ou exógenas (externas).

O homem ainda não existia na face da Terra, neste período, daí a superfície terrestre não ter nenhum registro de intervenção antrópica (humana).

. Segunda Natureza (ou Natureza Humanizada): consiste no segundo período da história da Terra. O marco histórico do início deste período, que se estende de 1,8 milhões de anos, aproximadamente, até hoje foi o surgimento da primeira espécie do gênero Homo no âmbito da evolução humana na face da Terra (os hominídeos).

A produção do fogo é considerada o feito mais revolucionário na evolução dos nossos ancestrais. E estes evoluíram e as técnicas também...

Embora chamados de predadores, visto que eram caçadores, coletores e pescadores, os homens primitivos pouco alteravam a natureza.

Em geral, viviam em grupos e eram nômades, ou seja, migravam constantemente à procura de alimentos, quando estes se esgotavam na região onde se encontravam. No período Paleolítico (cerca de 2,5 milhões a.C. até aproximadamente 10.000 a.C.), os primeiros artefatos produzidos por eles eram em madeira, ossos e pedra lascada (na fabricação do machado de pedra, da ponta de lança, por exemplo).

O machado de pedra, além de ser para uso de corte, era empregado para defesa pessoal ou do grupo.

No período Neolítico, duas técnicas de sobrevivência se destacaram, as quais promoveram um aumento significativo da população em algumas regiões, tornando-os sedentários (com habitações fixas): a agricultura e a domesticação de animais.

Com a evolução humana, a técnica também se aprimorou, surgindo as tecnologias e fazendo com que o homem dominasse e alterasse mais ainda a natureza, de forma mais intensa e rápida.

Podemos considerar a I Revolução Industrial (Século XVIII) como o principal marco histórico desta relação dicotômica entre o homem x a natureza.

O que hoje presenciamos em termos de problemas ambientais resulta da dinâmica da natureza, onde fenôemnos naturais se misturam sob os efeitos de fenômenos desencadeados por ações antrópicas, na maior parte das vezes, de caráter negativo a ambos os elementos desta relação.

No período denominado de Segunda Natureza, a “Natureza Humanizada” se configura efetivamente a partir do desenvolvimento das tecnologias e do poder exploratório do homem sobre o meio físico.

A própria evolução Técnico-científica que deu bases para esta relação dissociativa entre o homem e a natureza foi capaz de provar ao primeiro que ele agiu erroneamente, ao longo do tempo. Primeiro, porque ele é um elemento da natureza e não extrapolado ao sistema e, segundo, as consequências desta relação dicotômica afeta ambos os elementos.

O pior de tudo é ver que muitos sabem disso, mas agem como se não soubessem...


quinta-feira, 21 de abril de 2011

França: Já está vigorando a Lei que proibe o uso de niqab ou burca em locais públicos

Mulher muçulmana usando um niqba - Imagem capturada na Internet
(Fonte: Último Segundo - Foto de Christopher Furlong/Getty Images)

Atualização às 07h44

Acredito que não tenha sido surpresa para ninguém a proibição oficial sobre o uso de véus islâmicos parciais por mulheres muçulmanas em lugares públicos da França, ou seja, aqueles que escondam apenas o rosto, como o “niqab” ou a “burca”.

A referida lei já havia sido aprovada, mas só passou a vigorar a partir do último dia 11 de abril.

Como eu já havia publicado neste, a multa para quem usar – em locais públicos - o niqba (vestimenta que deixa apenas os olhos à mostra) e/ou a burca (vestimenta em que os olhos são visíveis apenas através de uma tela/rede) é de € 150 (euros), podendo a infratora ser obrigada a participar de um curso de cidadania francesa.

A multa para quem obrigar uma mulher a usar o véu é na ordem de € 30 mil mais um ano de prisão.

Além dos imigrantes (residentes no país), a lei também será aplicada às turistas que forem flagradas, desrespeitando a referida legislação.

A França é o primeiro país da Europa a proibir o uso destes trajes às imigrantes muçulmanas, bem como as suas descendentes. Nações como a Bélgica, Espanha e Países Baixos (Holanda) também cogitam seguir as mesmas medidas proibitivas em seus territórios.

Em território francês, o uso de véus, crucifixos, quipás (solidéu usado pelos judeus) e outros símbolos religiosos, já eram proibidos nas escolas.

Segundo o discurso do presidente francês, Nicolas Sarkozy, a proibição do véu islâmico não tem nada a ver com a religião islâmica, sendo mais uma questão de princípio democrático, de cidadania, contra a falta de liberdade e a imposição por qual é submetida a mulher muçulmana.

Discurso bastante polêmico, afinal, democracia tem a ver com povo, seus interesses, direitos e deveres...  "Democracia é um conjunto de princípios e práticas que protegem a liberdade humana; é a institucionalização da liberdade" (Fonte: Embaixada dos EUA).

Liberdade esta, de decidir por qual caminho tomar... Nem por imposição religiosa e, muito menos, por proibição.

Há outros aspectos relacionados... Questão bastante controvérsia, não resta dúvida!
Para ilustrar, selecionei algumas imagens publicadas, recentemente, no Último Segundo/Zoom por Paulo Vitale...


 Mulher afegã olhando através de sua burca
Foto: Natalie Behring-Chisholm/Getty Images


 Modelos usam véu durante um desfile em Tekbir Giyim, Turquia (2008)
Foto: Yoray Liberman/Getty Images


 Mulheres cantam em concerto durante o "dia da paz", Afeganistão (2010)
Foto: Majid Saeedi/Getty Images


 Ministra dos Negócios Estrangeiros da Mauritânia, Naha Mint Mouknass em reunião em Sirte (outubro de 2010) - Foto: REUTERS/Asmaa Waguih



 Mulheres costurando no departamento de produção da Tekbir, Turquia (2007)
Foto: Yoray Liberman/Getty Images


 Mulher aprendendo a costurar em um centro de ONG em Xamar, Somália (2011)
Foto: REUTERS/Omar Faruk


 Médicas cuidam de uma recém-nascida no Hospital Hedayat, Irã (1999)
Foto: Kaveh Kazemi/Getty Images


Estudantes palestinas de engenharia participam da cerimônia de formatura
na Universidade Islâmica, Faixa de Gaza - Foto: Abid Katib/Getty Images


Oficiais femininas participam da cerimônia de graduação da primeira turma de mulheres,
Afeganistão (2010) - Foto: Paula Bronstein /Getty Images


 Irã celebra o segundo gol contra a Turquia durante os Jogos Olímpicos da Juventude,  Singapura (2010) - Foto: REUTERS/Vivek Prakash



 Lutadora afegã treina no Estádio Nacional, Cabul, Afeganistão (2010)
Foto: Majid Saeedi/Getty Images



 Mulher de véu joga sinuca em um hotel no Golfo Pérsico, Irã (2003)
Foto: Kaveh Kazemi/Getty Images



Manequins em loja de Beirute. Líbano (2010)
Foto: REUTERS/Asmaa Waguih



Uma mulher usando véu islâmico integral travessa a fronteira
entre o Paquistão e o Afeganistão (2002)
Foto: Chris Hondros/Getty Images

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Justificando...

Imagem capturada na Internet (Fonte: Fique Por Dentro!) 
 
Peço mil desculpas aos meus seguidores e leitores pela lentidão verificada no Blog. A cada ano que passa, acredito que as coisas vão melhorar, mas que nada!

Como muitos já devem ter observado, o número de postagens caiu significativamente neste ano, mas. há uma explicação e esta advém da minha própria profissão. Vou me explicar melhor...

Não tenho equipe nenhuma, sou a única responsável pelo Blog Geografia em Foco e mais ninguém. Por esta razão, tudo depende de mim. Selecionar temas, pesquisar, relacionar os fatos com o tópico da disciplina e vice-versa, buscar imagens, escrever arquivo etc. etc. etc. mais...

Este ano, estou lecionando em três escolas, com 14 turmas ao todo: alunos do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental e alunos do 1º ao 3º ano do Ensino Médio.

O tempo de locomoção entre uma escola e outra aumentou, bem como o trabalho de planejar aulas (anos distintos).

Além destes aspectos ligados ao número de turma versus número de alunos e a dimensão de conteúdos a serem trabalhados, comecei o Projeto “Somos Vilões ou Vítimas” com os alunos do 7º ano, das turmas 1704 e 1705, da E.M. Dilermando Cruz, bem como o Projeto da Campanha da Solidariedade com a turma 1601, a Comunidade Geografia em Foco no Orkut e, desde sábado passado, o Curso Avançado do E-proinfo, Mídias na Educação.

Fora isso, eu também sou humana, sou mãe, esposa e filha, pois cuido da minha mãe – sob sistema de rodízio com mais duas irmãs – tendo em vista que ela apresenta sequelas de um AVC (lado esquerdo é paralisado) e é cadeirante.

As ideias são muitas, a disposição ainda é grande (temo a redução em razão do avanço da idade), mas falta tempo disponível para me dedicar mais.

Em razão disso, as postagens diminuíram. Espero poder driblar as adversidades e as atividades pendentes a fim de dar outro ritmo neste espaço.


Primeiro Encontro Presencial do Curso Mídias na Educação (Eproinfo) realizado no dia 15/04, às 13 horas, no prédio da Reitoria da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).