quarta-feira, 30 de abril de 2014

30 de Abril: Dia Nacional da Mulher





Embora, anualmente, eu comente e publique matéria sobre o Dia Nacional da Mulher, pouco ainda se vê em termos de divulgação e propaganda, nos meios de comunicação, tal como vemos por ocasião das comemorações do Dia Internacional da Mulher, comemorado no dia 08 de março.

 
Se alguém tiver interesse em saber mais de sua história, neste meu espaço, há diversas matérias publicadas a respeito da data e da mulher inspiradora para a criação do Dia Nacional da Mulher, ou seja, Jerônima Mesquita (1880-1972).
 
 Imagem capturada na Internet (Fonte:GeneAll.net)

O DIA NACIONAL DA MULHER foi sancionado pelo então Presidente da República, João Figueiredo, através da Lei nº. 6.791/80, com referência à data natalícia da mineira Jerônima Mesquita, que se destacou no quadro político e social do nosso país, principalmente, em relação à situação e o papel da mulher na sociedade brasileira.
 
Filha de José Jerônimo de Mesquita (Barão do Bonfim) e de Maria José Villas Boas de Siqueira Mesquita (Baronesa do Bonfim), Jerônima Mesquita nasceu na cidade de Leopoldina, em Minas Gerais, no dia 30 de abril de 1880.
 
Jerônima Mesquita e seus cinco irmãos ao atingirem o Ensino Secundário, partiram para estudar na Europa, sendo que ela o concluiu em Paris (França).
 
Casou com um primo seu, aos 17 anos, por imposição da família, com o qual teve um único filho. Dois anos mais tarde, o casal se separou e ela nunca mais voltou a se casar.
 
Vivendo na Europa e se dividindo entre a França e a Suíça, ela presenciou a eclosão da I Guerra Mundial (1914) e, nesta época, ingressou como voluntária na Cruz Vermelha de Paris e, depois, ajudou também na Cruz Vermelha da Suíça.

Contribuiu diretamente na implantação do Escotismo no Brasil, divulgando propaganda do Escotismo e a Fundação de uma Associação de Escoteiros em São Paulo.

Ao retornar ao Brasil, Jerônima Mesquita não se conformou com a situação preconceituosa que a mulher brasileira era submetida. Engajou-se em diversas atividades de assistência social e beneficente, tendo em vista a situação caótica da capital do Brasil, a cidade do Rio de Janeiro.
 
Convicta de seus ideais foi, nessa época, que ela mais atuou. Junto com sua mãe e a amiga Stella Guerra Durval, Jerônima participou da Associação das Damas da Cruz Verde, oferecendo assistência às vítimas das epidemias que afligiam à cidade do Rio de Janeiro, nesta época.
 
Destacou-se, também, como uma das fundadoras da matriz do Hospital Pró-Matre, unidade hospitalar beneficente a gestantes carentes, pobres, localizada na zona portuária da cidade do Rio de Janeiro (hoje, desativado).
 
Foi uma das fundadoras da Federação das Bandeirantes do Brasil, em 1920.
 
Sua importância ultrapassou às questões assistencialistas, uma vez que ela também colaborou, ativamente, em movimentos sufragistas, isto é, pelo direito ao voto feminino.
 
Amiga de Berta Lutz, ela participou da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino (FBPF) desde a fundação da entidade (1922) e presenciou a legalização do direito ao voto feminino, que foi assegurado através do Código Eleitoral Provisório, de 24 de fevereiro de 1932.
 Jerônima Mesquita faleceu no Rio de Janeiro, em 1972.

Crônica: Eu nos Outros



 Imagem capturada na Internet
 
Em comemoração à data de hoje, 30 de abril, Dia Nacional da Mulher, escolhi a crônica "Eu nos Outros" de autoria de Martha Medeiros - recém-publicada em alguns meios de comunicação - que fala sutilmente do saber ser mulher, gostar de si própria do jeito de ser, mesmo fazendo uma comparação com outras mulheres, talvez, até melhores que a gente.
 
É só uma questão de amar a si mesmo e apreciar as outras mulheres, sem inveja, apenas pela admiração do jeito peculiar delas serem felizes também.    
 
EU NOS OUTROS
Martha Medeiros
Estava caminhando pela rua quando passei por uma mulher muito charmosa, e seu charme era consequência de diversas escolhas acertadas, a começar pelo cabelo. Um corte chanel repicado, rebelde, volumoso, e uma franja comprida e displicente que dava ao look um ar de “acordei assim e saí pra rua”, e deve ter acontecido mesmo, ela acordou e saiu pra rua sem nem se olhar no espelho antes, tinha um cabelo que não dava trabalho e a deixava com uma aparência moderna e jovial, mesmo com seus 40 e tantos. Pensei: adoro cabelo curto. Nas outras.
 
Como ela usava uma camiseta regata, vi que tinha uma grande tatuagem no braço. Era um desenho estilizado, parecia uma padronagem de tecido, não era uma frase, um bicho ou qualquer coisa distinguível – apenas um desenho abstrato que para ela, e só para ela, fazia todo o sentido e a personalizava num grau único. É provável que ela tivesse também tatoos mais delicadas atrás da nuca, no pulso ou no tornozelo, mas a do braço, imensa, era um ato de bravura. Era uma mulher tão colocada, tão escandalosamente ela mesma, que também me senti tudo isso pelo simples fato de apreciar nela o que não tenho a audácia de fazer em mim. Adoro tatuagens. Nos outros.
 
E ela carregava nas mãos uma jaqueta de couro vermelha. Eu nem precisava ver como ela ficaria vestida com a jaqueta, simplesmente todas as blogueiras de street style a perseguiriam com suas lentes se a vissem caminhando com aquela displicência de quem nasceu para desfilar com uma jaqueta de couro vermelha no meio da tarde de uma segunda-feira a caminho de um encontro com algum amante libanês (não parecia uma mulher que estava indo à missa). E lá se foi ela portando nas mãos aquela peça vermelha que eu achei incrível, eu que não tenho uma única peça vermelha no guarda-roupa, e indo ao encontro de um fantasioso amante libanês que tampouco faz parte do meu currículo.
 
O que me impede de tosar o cabelo, fazer uma tatuagem no braço e comprar uma jaqueta vermelha? Nada. Simplesmente acontece de a gente gostar muito de certas coisas, mesmo não tendo impulso suficiente para adotá-las como nossas. É um exercício elevado de apreciação: saúdo quem acorda às 5h da manhã para correr e também quem atravessa a noite dançando – não faço uma coisa nem outra. Admiro quem tira um ano sabático para meditar num ashram e também quem vai a Nova York de três em três meses. Quem decide não ter filhos e quem tem e ainda adota alguns. Quem coleciona amantes e quem mantém um único e eterno casamento. Quisera eu poder contar com sete vidas para abraçar todos os jeitos de ser e de estar no mundo, mas tendo uma vidinha só, faço as escolhas que melhor me identificam, sem deixar de aplaudir as minhas renúncias. A todas as outras mulheres que não sou – ou que não sou ainda – meu sorriso e uma piscadinha cúmplice.
 

Temperaturas Negativas e Boneco de Neve no Rio de Janeiro, isso é possível?



Aos alunos do 8º Ano do Ensino Fundamental e da 1ª Série do Ensino Médio...

Conforme comentei em sala de aula, os dois fatores principais que determinam o clima de uma região são Latitude, cuja relação com a radiação solar vai definir as Zonas Térmicas da Terra e a Altitude que, independente da localização geográfica (latitude) vai intervir no clima conforme a altitude aumente.
 
Pois bem, estou falando de...
 
LATITUDE
  
Imagem capturada na Internet (Google) 
 
 
ALTITUDE...
 
                  A qual, em muitas regiões pode formar, inclusive, as chamadas "Neves Eternas"
 
  Imagem capturada na Internet (Fonte: Posts à Beira Mar) 
  
 
Imagem capturada na Internet (Fonte: Eye4Design
 
 
O título desta postagem pode até parecer surreal, mas não é , tendo em vista que embora o clima do Rio de Janeiro seja predominantemente tropical, em alguns pontos do estado a altitude interfere significativamente no clima, baixando a temperatura, sobretudo, no inverno.
 
Estou falando do Pico das Agulhas Negras, na Serra de Itatiaia, que faz parte da Serra da Mantiqueira, na divisa do nosso estados com São Paulo e Minas Gerais.

O Pico da Agulhas Negras é o pico culminante do nosso estado, com 2.792 m de altitude. Ele é o quinto mais elevado do Brasil, sendo superado apenas pelo Pico da Neblina (2.993 m), Pico 31 de Março (2.992 m), Pico da Bandeira (2.889 m) e Pico do Cristal (2.798 m).
 
Como pode-se observar, o fator climático determinante, neste caso, não é a latitude, pois, embora o clima do nosso estado seja o tropical (o nosso estado e a maior parte do território brasileiro se encontra localizado na chamada Zona Tropical ou Intertropical), os registros de temperaturas mais amenas e baixas, nesta localidade, por ocasião do outono e, sobretudo, no inverno, se deve à influência da altitude.
 
Como o Rio de Janeiro é um estado montanhoso ocorre, também, o clima tropical de altitude (regiões serranas), onde as temperaturas são mais baixas.
 
Por esta razão e dos registros verificados ao longo do tempo, o título "Temperaturas Negativas e Boneco de Neve no Rio de Janeiro, isso é possível? " não é nada surreal.
 
Realmente, a precipitação nival (neve) pode ser considerada como um evento atípico, mas esta ocorreu em junho de 1985, inclusive, com a construção de um boneco de neve.
 
No ano passado (2013), na madrugada do dia 12 de julho, os termômetros registraram dez graus negativos (-10°C) no Pico das Agulhas Negras.
 
As imagens abaixo e outras foram publicadas na Internet e capturadas para efeito ilustrativo desta matéria. Para vê-las diretamente da fonte original, bem como outras, acessem o Skyscraper City.
 
 


 
 


 Para ler outras matérias referentes à influência da altitude no clima local, acessem na Seção "Categorias", os tópicos "Influência da Altitude" ou "Pico das Agulhas Negras".  



terça-feira, 29 de abril de 2014

Dica de Site


Navegando na Internet encontrei um Blog que, à primeira vista, pareceu-me ser específico na exposição de imagens, cada uma mais bela do que a outra, inclusive, eu mesma fiz uso de uma delas para ilustrar a postagem "Curiosidades: Falésias e Fiordes" (com a devida citação da fonte).
 
Trata-se do Blog intitulado "Posts à Beira Mar" de autoria de Milton Alves, que é locutor, colunista, assessor de Comunicação Social e, por fim e para a nossa felicidade, tornou-se também um blogueiro.
 
No seu Blog podemos encontrar imagens, vídeos, músicas, curiosidades, entre outras coisas. Vale a pena conferir.
 
O endereço do Blog Posts à Beira Mar é:
 
 
 
Estátua da Liberdade (EUA)
 
 
 
Parque Nacional do Kilimanjaro (Tanzânia)
 
 
 Lagos Masúria (Polônia)
 
 
 
Torre Eiffel (Paris, França) 
 
 
 
 
 
Ilha de Santorini (Grécia)
 
 
 The Wave (EUA)
 
 
 
Angels Falls (Venezuela)
 
 
 
 
Deserto de Utah (EUA)
 

Curiosidades: Falésias e Fiordes


Aos alunos do 9º Ano...

"A Geografia trabalha com imagens,
recorre a diferentes linguagens na busca de informações
e como forma de expressar suas interpretações, hipóteses e conceitos."
(MEC, 1999)
 
 
Regiões Costeiras
 
 
COSTA ALTA
 
Imagem capturada na Internet (Fonte: Posts à Beira Mar)
Beachy Head, litoral da Inglaterra
 



Imagem capturada na Internet (Fonte: Posts à Beira Mar)
Austrália



 
 
COSTA BAIXA
 
Imagem capturada na Internet (Fonte: Notícias do Turismo PI)
 


Imagem capturada na Internet (Fonte: SOS Rios do Brasil)



 
 
 
FALÉSIAS
 Imagem capturada na Internet (Fonte: Rotas Capixabas)
 
 
 
 Imagem capturada na Internet (Fonte: Natureza)
 
 
 
 
FIORDES
 
 
Imagem capturada na Internet (Fonte: Lugares Fantásticos)
 
 
Imagem capturada na Internet (Fonte: Lugares Fantásticos)
 
 
 
Para saber a definição de falésias e fiordes, clique AQUI!

Dica de Jogo: Aprendendo Geografia





Falando sobre a importância dos mapas (Cartografia) no estudo e ensino da Geografia, aproveito para disponibilizar, neste espaço, não só o endereço de um site de jogos educativos, específicos à área da Geografia, mas também o seu acesso na Seção de Jogos do Blog, que foi a minha mais nova descoberta na Internet.
 
Trata-se, na verdade, de um site com vários jogos com foco em Geografia (Aprendendo Geografia) com uso de mapas (localização). Eles têm um certo grau de dificuldade, mas para quem gosta de desafios, nada como arriscar e... aprender cada vez mais!
 
A variedade de jogos perpassa desde a localização geográfica (países, cidades, capitais, continentes), Quiz (perguntas), pontos turísticos e gastronomia.  
 
 
 
Acessem o site SCHULTZ e comecem a jogar! 

A importância da Cartografia no Ensino-Aprendizagem da Geografia

  
 Imagem capturada na Internet (Fonte: Diário de um Bobo da Corte)
 
 
Entre os diferentes recursos cartográficos, não resta dúvida que os mapas são de grande importância ao ensino de Geografia, uma vez que eles consistem em uma das formas de representação espacial mais adequada do espaço geográfico, bem como de fenômenos naturais e/ou sociais.
 
Além desta sua relevância em termos de representação espacial e de conhecimentos diversos sobre o espaço cartografado e tematizado, não podemos nos esquecer do seu valor estratégico como instrumento de poder (político, militar e econômico) tão enfatizado na obra de Yves Lacoste, “A Geografia – Isso Serve, em Primeiro Lugar, Para Fazer a Guerra” (1989, Papirus, SP).  
 
Daí, a importância da Cartografia, como ferramenta imprescindível no âmbito do ensino da Geografia. No entanto, o que se observa muito no ambiente escolar, sobretudo, no Ensino Médio é uma grande deficiência em termos de leitura cartográfica, de conhecimentos básicos sobre as diferentes informações cartografadas e de localização geográfica.
Esta dificuldade e deficiência residem, justamente, na falta de atrelamento do estudo geográfico à representação cartográfica.
Embora, no contexto de sua obra, sua análise se coloque de forma crítica à suposta “neutralidade” do ensino da geografia escolar, Lacoste enfatiza a importância dos mapas e afirma (op. Cit.), “ (...) É então que o papel do geógrafo-cartógrafo se torna essencial ...”
E, neste aspecto, não resta dúvida que os diferentes recursos cartográficos, sobretudo os mapas, são de grande importância no âmbito do estudo e do ensino da ciência Geográfica.

Ensinar Geografia sem mapa é o mesmo que ensinar a nadar sem água ou, como o referido autor afirma, "Cartas, para quem não aprendeu a lê-las e utilizá-las, sem dúvida, não têm qualquer sentido, como não teria uma página escrita para quem não aprendeu a ler" (1989, pag. 38).
 
Por isso, torna-se imprescindível trabalhar com mapas, a sua leitura e interpretação no Ensino Fundamental para que os alunos alcancem, pelo menos, o mínimo de compreensão da representação cartografada e tematizada quando estiverem no Ensino Médio.
 
Eu mesma pude comprovar esta deficiência, assim que comecei a dar aula no Ensino Médio, em 2011.
 
Eu sei que este quadro não é algo generalizado, uma vez que muitos de nós, professores, temos matrículas tanto no Ensino Médio quanto no Ensino Fundamental, mas não há como negar que a deficiência de conhecimentos e de trabalhar com mapas ou qualquer outra representação gráfica vem de anos anteriores, prejudicando o andamento das aulas no Ensino Médio.
 
Só para se ter uma ideia, na primeira prova do Saerjinho deste ano (1ª Série) caiu uma questão com mapa do Brasil dividido por regiões (IBGE), cujo objetivo principal era a leitura e localização geográfica das regiões referenciadas no texto.
 
Dos 32 alunos presentes no dia da prova apenas 6 (seis) acertaram a referida questão, sendo que um deles, alegou que chutou a resposta, após eu tê-los parabenizado em sala de aula. Vejam a referida questão abaixo:
 
 Cliquem para ampliar a imagem
 
Volto a salientar a importância de se trabalhar sempre com mapas, gráficos e dados estatísticos, tanto no Ensino Fundamental quanto no Ensino Médio, de forma a amenizar e/ou reparar possíveis deficiências de anos escolares anteriores.
Aproveitando esta postagem, já prometida aos alunos desde quando comentei sobre esse problema referente às dificuldades de localização geográfica e de leitura e interpretação cartográfica, estou compartilhando dois vídeos que, também, apresentei na Plataforma do curso de Formação Continuada em Geografia do CECIERJ.
 
Tirem as suas próprias conclusões...
    
 
 

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Datas comemorativas: Mês de Abril



Imagens de diversas fontes, capturadas na Internet e trabalhada no Adobe Photoshop


ABRIL


01. Dia da Mentira

02. Dia do Propagandista

04. Dia Nacional do Parkinsoniano

07. Dia do Corretor
       Dia do Jornalismo
       Dia do Médico Legista
       Dia Mundial da Saúde

08. Dia da Natação
        Dia do Correio
        Dia Mundial do Combate ao Câncer

09. Dia Nacional do Aço

10. Dia da Engenharia
       Dia do Exército Brasileiro

11. Dia da Organização Internacional do Trabalho (OIT)

12. Dia do Obstetra

13. Dia do Office-Boy
       Dia dos Jovens
       Dia da 1º Execução do Hino Nacional Brasileiro (1831)

14. Dia Pan-Americano

15. Dia da Conservação do Solo
       Dia Mundial do Desenhista
       Dia do Desarmamento Infantil

18. Paixão de Cristo (2014 - data móvel)

       Dia Nacional do Livro Infantil  
       Dia de Monteiro Lobato

19. Dia do Índio


20. Domingo de Páscoa (2014 - data móvel)

21. Dia da Polícia Civil

20. Dia do Diplomata
        Dia do Disco

21. Dia de Tiradentes
       Dia da Latinidade 
       Dia do Metalúrgico 
       Dia do Café

22. Dia do Descobrimento do Brasil
        Dia da Força Aérea Brasileira (FAB)
        Dia da Comunidade luso-brasileira
        Dia do Planeta Terra

23.  Dia Mundial do Escoteiro

24. Dia do Agente de Viagem
       Dia Internacional do Jovem Trabalhador

25. Dia do Contabilista 
        Dia da Organização das Nações Unidas (ONU)

26. Dia do Goleiro
        Dia da 1ª Missa no Brasil

27. Dia da Empregada Doméstica
       Dia do Sacerdote

28. Dia da Educação
        Dia da Sogra

30. Dia do Ferroviário
        Dia Nacional da Mulher