sábado, 30 de setembro de 2017

De olho nos fatos: Movimento Separatista entre Catalunha e Espanha

 
Catalunha
Imagem capturada na Internet
 
Não é de hoje que os nacionalistas catalães demonstram interesse na emancipação da Catalunha, comunidade autônoma da Espanha, a fim de torná-la um país independente. Na verdade, esse embate é antigo e envolve vários fatores intrínsecos, muitos quais não se sustentam por serem inverdades, segundo alguns especialistas.
 
Verdadeiras ou falsas, uma coisa é certa, esse embate acerca do movimento separatista da Catalunha e o posicionamento político contrário do Governo espanhol vêm alimentando intensamente a crise e o estado de tensão política entre ambas as partes, ainda mais, porque amanhã (1° de outubro) será realizado um referendo para consultar à população local sobre a independência da Catalunha.
 
De acordo com o historiador catalão, Joan Baptista Culla, o movimento separatista atual se fundamenta, sobretudo, por fatos mais recentes, acometidos nos últimos sete ou oitos anos, como por exemplo, em 2010, quando o Tribunal Constitucional da Espanha anulou uma parte-chave do novo Estatuto de Autonomia da Catalunha, que concedia a categoria de "nação" à região.
 
Embora, o referendo esteja marcado para amanhã, o governo espanhol afirma que o mesmo é ilegal perante a Constituição do país e que este não irá acontecer, tal como almejam os nacionalistas catalães. As tensões tendem a aumentar no início deste domingo...
 
O Generalitat, como é chamado o governo regional da Catalunha, ignorou os argumentos apresentados pelo Governo espanhol acerca da inconstitucionalidade do referendo e continuou apoiando e mobilizando a sociedade a ir às urnas, neste domingo.
 
Ademais, os catalães, ocupando a maior parte das cadeiras no Parlamento, desde 2015, aprovaram duas leis para proteger o referendo e estabeleceu uma série de procedimentos a serem seguidos até a independência.
 
No entanto, o governo espanhol já o advertiu que medidas judiciais contra a realização do referendo serão tomadas a fim de impedir que a população catalã vá às urnas.
 
De acordo com uma pesquisa realizada pelo próprio governo catalão, em junho deste ano, a sociedade catalã se mostra muito dividida, indicando que 49% da população eram contrários à sua independência e 41% a favor.
 
Catalunha é uma comunidade autônoma da Espanha, localizada a nordeste da Península Ibérica. Sua capital é Barcelona.
 
  Localização da Catalunha na Espanha
Imagem capturada na Internet
 
Sua área territorial é de aproximadamente 32.000 km² e esta faz limites com a França e Andorra, ao Norte; com a Comunidade Valenciana, ao Sul; o mar Mediterrâneo, a leste e, com Aragão, a oeste.
 
Se o referendo for realmente realizado e considerado legal, seu resultado favorável à separação, ou seja, à independência da Catalunha implicará riscos para ambos os lados, no entanto, mais para o lado da Catalunha.
 
Principalmente riscos políticos e econômicos, sem esquecer que o famoso futebol espanhol também será afetado, pois o Barcelona não poderá participar mais do Torneio Nacional da Espanha e nem da Liga dos Campeões.
 
Além da questão de sua ruptura com a União Europeia (bloco econômico) há a preocupação de que o mesmo venha incitar o desencadeamento de movimentos semelhantes a outras regiões, que almejam ter os seus próprios territórios emancipados, como o País Basco, a Irlanda do Norte, Escócia, Flandres etc. 
 
A apreensão do governo espanhol, em termos econômicos, também tem fundamento, uma vez que a Catalunha responde por um 1/5 (cerca de 19%) do PIB espanhol e, a sua separação implicará em perdas significativas à Espanha e a um agravamento à crise econômica que o país atravessa, assim como outros da chamada Zona do Euro.
 
Vamos aguardar para ver!
 
Para maior aprofundamento à matéria, recomendo "Dez Mitos sobre a Independência da Catalunha" - El País
 
Fontes de Consulta
 
 
 
 
 

Nenhum comentário: