segunda-feira, 16 de julho de 2018

E. M. Dilermando Cruz: Fim da Copa do Mundo 2018

França
Bicampeã da 21ª Edição da Copa do Mundo (Rússia, 2018)
Imagem capturada na Internet
Fonte: Pixabay

 
A Copa do Mundo acabou, depois de 30 dias, praticamente, de bola rolando no campo entre 32 equipes internacionais. Foram momentos de grande tensão, decepções, tristezas para muitos e, também, de superação, valorização e alegrias para outros.
 
Em minha opinião, os cariocas não estavam muito animados desde o início do referido evento esportivo (14 de junho), fato bastante visível na falta de decoração das ruas com bandeirinhas, faixas e tudo mais, nas cores verde e amarelo.

Para não dizer que não vi nada, pude observar em algumas ruas na Tijuca (nada que se compare a outros anos de Copa do Mundo) e, mais próximo a minha residência, na localidade das Cinco Bocas, em Olaria e, na Rua Santa Camila Pia, no Conjunto do IAPI da Penha.


  
 
  Rua Santa Camila Pia (IAPI da Penha)

 Pelo jeito, o desânimo – em especial - da torcida carioca mostrou-se mais como “sexto sentido” quanto à eliminação da nossa Seleção no Campeonato e, consequentemente, do adiamento da conquista do hexacampeonato da Copa do Mundo.

Até à próxima Copa do Mundo (22ª Edição), a ser realizada no Qatar (Oriente Médio, Ásia), em 2022, os nossos jogadores vão ter tempo de amadurecer sobre os seus próprios erros e acertos, assim como se espelhar nos acertos das outras Seleções, sobretudo, as que foram até às fases Semifinais e Finais. O mesmo digo do técnico, no caso do Tite continuar à frente da mesma.

Em termos de trabalho escolar, sobretudo, na minha área de conhecimento (Geografia), a Copa do Mundo é um tema bastante rico a ser abordado e explorado, tal como já fiz em edições anteriores deste grande evento esportivo. Este ano, no entanto, em razão da cobrança de outros trabalhos pertinentes ao Conteúdo Programático (Bacias Hidrográficas, Guerra Fria, Modos de Produção Industrial), tanto na rede municipal quanto na rede estadual, eu não solicitei nenhuma atividade sob o mesmo contexto.

Os alunos do Ensino Fundamental II, no entanto, enfeitaram as suas respectivas salas de aula e fizeram um “bolão” das possíveis Seleções campeãs da Copa 2018, com direito à escolha de duas equipes.

Cada atividade ficou valendo 0,5 (meio ponto), sendo que alguns alunos não participaram da decoração da sala. Já a escolha das Seleções para o referido Bolão da Copa do Mundo foi feito com todos os alunos através de votação.




Das minhas quatro turmas do Ensino Fundamental II, apenas a Turma 1802 não ganhou ponto no quesito decoração, pois não enfeitaram a sala no prazo determinado, ganhando pontos a grande maioria dos alunos das Turmas 1701, 1702 e 1801. O meio ponto (0,5) conquistado por esses últimos valeu para a nota do 2° Bimestre.

 
1701 

  
 
1702
 
 
 
1801
 
 
 
 
Aluno Kayke dos Santos Bonfim
 

O engraçado é que, em termos do Bolão da Copa 2018, a única a ganhar foi, justamente, a Turma 1802, ou seja, aquela que não obteve pontos pela falta de decoração da sala por questões internas, entre os próprios alunos.

Desta vez, todos eles vão ganhar 0,5 (meio ponto) no 3° Bimestre, pois escolheram as seguintes Seleções como possíveis campeãs da Copa do Mundo 2018: França e Brasil. Inclusive, colocando os franceses como primeira opção.
 

domingo, 15 de julho de 2018

Final da Copa 2018 e a Consagração do Bicampeonato da França

Copa 2018 - Rússia
Imagem capturada na Internet
Fonte: Pixabay


Hoje foi o dia da Final do grande evento esportivo internacional, que mobilizou a todos apaixonados pelo futebol, ou seja, encerrou-se o Campeonato Mundial de Futebol, isto é, a Copa 2018... E a França consagrou-se como bicampeã mundial ao vencer por 4 x 2 da Croácia. Devo confessar que eu estava torcendo pelos croatas.

Na verdade, a Final poderia ter sido definida de outra forma... Embora, a Seleção brasileira tenha sido apontada como favorita ao título por muitos especialistas (nacionais e estrangeiros), bem como nas mídias, em geral, infelizmente, ela não se classificou, colocando - “por terra” – a conquista do tão sonhado Hexacampeonato, sendo eliminada na fase das Quartas de Final, com a derrota para a Bélgica (2 x 1).

Com a interrupção desse sonho, ela só levou o mérito de ficar na 6ª posição do ranking da Copa do Mundo 2018, na frente de 26 equipes internacionais. O que chegou a ser frustrante...

Classificação final (Jornal Opção):

1°. França
2°. Croácia
3°. Bélgica
4°. Inglaterra
5°. Uruguai
6°. Brasil
7°. Suécia
8°. Rússia
9°. Colômbia
10°. Espanha
11°. Dinamarca
12°. México
13°. Portugal
14°. Suíça
15°. Japão
16°. Argentina
17°. Senegal
18°. Irã
19°. Coreia do Sul
20°. Peru
21°. Nigéria
22°. Alemanha
23°. Sérvia
24°. Tunísia
25°. Polônia
26°. Arábia Saudita
27°. Marrocos
28°. Austrália
29°. Costa Rica
30°. Islândia
31°. Egito
32°. Panamá


 
E, como muitos já comentaram, mais uma vez, o referido Campeonato assinalou a supremacia do futebol europeu e de suas respectivas Seleções, cuja disputa da Final ficou entre as Seleções da França e da Croácia.
 
Na disputa pelo 3° lugar, jogo realizado ontem, a vencedora foi a Seleção da Bélgica, que ganhou da Inglaterra por 2 x 0. Disputa também entre seleções europeias. 
 
Diversos comentaristas e especialistas discursaram sobre essa situação de supremacia do futebol europeu, embora muitos dos nossos jogadores (brasileiros) joguem em alguma equipe do referido continente (o nosso país é, na verdade, um grande exportador de talentos).
 
Vários argumentos foram usados como justificativas, tais como: a estatura alta dos jogadores europeus, jogo mais tático, esporte (futebol) mais valorizado, organizado, entre outros fatores, além de apontar os principais erros do técnico brasileiro, Tite (nome completo, Adenor Leonardo Bachi).
 
Fica aqui, o meu lamento e de milhões de brasileiros...
 
De acordo com A Tribuna, até a Copa de 2014 (20ª Edição do Campeonato, realizado no Brasil), metade das Edições teve, como finalistas dos respectivos Campeonatos, uma seleção europeia e a outra sul-americana.
 
Entre essas, a nossa Seleção se destacou em seis Finais: 1958 (Suécia), 1962 (Chile), 1970 (México), 1994 (EUA), 1998 (França) e 2002(Japão e Coreia do Sul), obtendo vitória em cinco delas, o que lhe garantiu o título de Pentacampeã. Entre essas, o Brasil só perdeu na Copa da França (1998), quando enfrentou e foi derrotado – na Final – pela “dona da casa”, ou seja, pela própria França por 3 x 0. Com esse resultado, a França foi consagrada campeã pela primeira vez.
 
Pois bem, ela – mais uma vez – se consagrou como a melhor Seleção e conquistou o bicampeonato da Copa do Mundo.

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Dica de Vídeo: Vida na Caatinga Seca e na Caatinga Verde

Vida e Morte na Caatinga (Calango-Lengo”)
Imagem capturada na Internet
Fonte: Estadão

Como dica de vídeo, contextualizado a um tópico geográfico abordado nas turmas do 7° Ano do Ensino Fundamental, estou compartilhando o desenho animado “Calango-Lengo”, dirigido por Fernando Miller, em 2008. Este é tratado como o primeiro desenho animado com tema nordestino. Não sei se isso procede.
 
O vídeo é bem interessante e o seu foco em um bioma típico do Sertão Nordestino (clima semiárido), a Caatinga. Sua história se desenvolve sob a relação de enfrentamento da vida com a morte diante do período de seca na Caatinga, representada por duas espécies da fauna local (a cabra e o calango, espécie de lagarto), assim como a forte religiosidade do povo do Nordeste (Católica).
  
Vida e Morte na Caatinga (Calango-Lengo”)
Imagem capturada na Internet
Fonte: YouTube

Com cerca de 800 Km2, a Caatinga ou Mata Branca ocupa 11 % do território brasileiro e 70 % da área da região Nordeste, ocorrendo nos estados da Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí, além de uma pequena parte de Minas Gerais, na região Sudeste.
 
Sua vegetação é resistente e adaptada às condições ambientais adversas do Sertão Nordestino, cujo clima é o semiárido, marcadas pela aridez do solo e pela escassez de chuvas. Os índices pluviométricos (chuvas) são baixos, concentrando o período de chuvas de 4 a 5 meses do ano.
 
Mas, ao contrário do que se pensa, sua vegetação não é pobre, caracterizando-se por uma grande riqueza de espécies vegetais, inclusive, em termos de endêmicas (específicas da região).
 
E esse aspecto relacionado a sua dinâmica ambiental é muito bem retratado no vídeo. No primeiro momento, ele mostra o referido bioma no período de estiagem, quando o mesmo é chamado de Caatinga Seca, tendo em vista que suas espécies arbustivas ficam praticamente sem folhas. No segundo momento, após os primeiros pingos de chuva, a vegetação renasce e mostra a sua grande riqueza e diversidade. É o período da Caatinga Verde.

Vale a pena assistir! Para assistir, clique AQUI!

Copa 2018: A Rússia sob todos os Olhares (Parte III)

Imagem capturada na Internet

 
Quanto à Rússia sabe-se ainda que...

 
- A maior parte da população russa vive no lado europeu (75% da população total);
 
- Sua cidade mais populosa é Moscou (capital) com cerca de 12,4 milhões de habitantes (estimativa 2018) e, segundo dados publicados no ano passado (2017), 15% de sua população é muçulmana;
 
- Existem oito mesquitas em Moscou e, embora o clero muçulmano tenha planos para construir novas mesquitas, há forte oposição local, o que obriga as autoridades a cancelar seus próprios decretos junto à comunidade muçulmana;
 
- As russas são conhecidas no mundo inteiro por serem muito bonitas e vaidosas. No entanto, vivem sob um regime de total submissão em casa, pois o país é, tradicionalmente, muito machista;
 
- No ano passado (2017), o Governo russo aprovou uma lei que descriminaliza alguns atos de violência doméstica no país, permitindo que o homem bata na mulher e/ou nos filhos. Segundo a mesma, só serão considerados crimes, os casos de lesões ou ferimentos muito graves, em que a vítima seja obrigada a procurar atendimento hospitalar ou se ausentar do trabalho, assim como se as agressões forem constantes. O principal argumento dos que são favoráveis e apoiam a referida legislação é que, em assunto familiar, o Estado não deve se intrometer;
 
- Por outro lado, as russas tiveram conquistas históricas e relevância no mercado de trabalho, tais como, foi o primeiro país a legalizar o aborto (1920); assegurar o direito ao voto às mulheres (1917) e, o país figura como o de maior percentual de mulheres em cargos executivos seniores;
 
- Em seu território existem aproximadamente 160 grupos étnicos, que falam cerca de cem idiomas. Contudo, a língua oficial é a russa;
 
- A escrita russa utiliza a versão moderna do alfabeto cirílico, com 33 letras;
 
- Moscou e São Petersburgo são as duas cidades que mais se destacam em termos de turismo (as mais visitadas). A primeira, capital do país, é o centro econômico, político, administrativo e cultural do país; a segunda foi a capital do dos czares, apresentando uma arquitetura que remete à nobreza e ao clima de glamour da época;
 
- O país possui a maior biblioteca da Europa e a segunda maior do mundo, a Biblioteca Estatal Russa (Moscou);
 
- Possui também a mais longa ferrovia do mundo, a Transiberiana, que abrange quase todo o território russo, de Moscou a Vladivostok;
 
- Ela tem uma das Companhias de ballet (balé de Bolshoi) mais renomadas do mundo, o Teatro de Bolshoi. No Brasil há uma filial da Companhia em Joinville (Santa Catarina);
 
- Entre os esportes, o mais popular no país, é o futebol, com destaque para os times mais populares do país como CSKA Moscou, o Spartak Moscou e o Zenit;
 
- Ela também é conhecida como o país da Vodca, a bebida mais famosa e tradicional russa desde o período czarista (Século XV), embora sua produção e comercialização tenha sofrido reverses ao longo do tempo (proibição, restrições, venda no mercado negro etc.);
 
- Um dos mais famosos símbolos da cultura russa é a Matrioska (produto artesanal). Trata-se de uma boneca de madeira, pintada, que tem em seu interior várias outras, menores, simbolizando a fertilidade;
 
- Entre os principais e típicos pratos da culinária russa tem-se o Frango á Kiev, Shashlyk, Pelmeni (massa com carne picada dentro), Pirozhki (pãezinhos assados recheados com carne ou legumes), Blini (panquecas) e a Salada Russa (legumes em cubo com maionese e outros ingredientes);
 
- Duas preocupações em termos de ameaças e riscos afligem o país. Um é o crime cibernético e, por isso, a recomendação é evitar o uso da rede wi-fi pública ou desprotegida, bem como de caixas eletrônicos em lugares desconhecidos ou o uso de cartões de crédito sem senha. O segundo consiste no alto risco de ataques terroristas (Grupos do Cáucaso Norte e do Oriente Médio, como o Estado Islâmico). Em abril de 2017, duas explosões, no metrô de São Petersburgo, mataram dez pessoas e feriram dezenas.
 
 
Fontes de Pesquisa