segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Poesia de Cordel sobre o Natal


Imagem capturada na Internet


Poesia de Cordel sobre o Natal
Bráulio Bessa

 
"Que você nesse Natal entenda o real sentido da data que veio ao mundo um homem bom, destemido, e que o dono da festa não possa ser esquecido.

Olhe, repare, vindo lá do polo norte num trenó cheio de luz, papai noel é lembrado muito mais do que JESUS.

Oh balança incoerente, onde um saco de presente pesa mais do que uma cruz.

Eu sei, eu sei que da presente é bom, mas bom mesmo ser presente, ser amigo, ser parceiro, ser o abraço mais quente, e permitir que nossos olhos não enxerguem só a gente.

Que você nesse momento faça uma reflexão, independente de crença, de fé, de religião, pratique o BEM sem parar, pois não adianta orar sem existir ação.

ALIMENTE um faminto que vive no meio da rua,

AGASALHE um indigente coberto só pela lua.

Sua parte é ajudar, e o mundo pode mudar, cada um fazendo a sua.

ABRACE um desconhecido,

PERDOE quem lhe feriu,

se ESFORCE pra reerguer um amigo que caiu e tente dar ESPERANÇA para alguém que desistiu.

Convença quem esta triste que vale a pena SORRIR,

ACONSELHE quem parou que ainda da pra seguir e pra aquele que errou da tempo de CORRIGIR.

Faça o bem meu povo, FAÇA O BEM POR QUALQUER UM, sem perguntar o porque, parece fora de moda, soa meio que clichê, mas quando se ajuda alguém o ajudado é você.

Que você possa ser bom começando de janeiro, e que esse sentimento seja firme e verdadeiro, que a gente viva o NATAL todo ano, o ano inteiro."

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Final do Ano Letivo 2017

Imagem capturada na Internet


Todo final de ano letivo, tanto para os alunos quanto para os professores significa um período bastante conturbado, pois o que está em “jogo” é o futuro do discente em termos de aprovação ou reprovação.
 
Recuperação, Segunda Época, Aulas de Reforço, Provas Finais... Tudo mexe com a tranquilidade emocional.
 
Por isso é que eu aconselho ao aluno, sempre, a se empenhar nos estudos desde o 1° Bimestre, a fim de assegurar notas boas no ano todo, capaz de garantir maior alívio no final do curso.
 
Da turma de alunos que não pensou desse jeito e que, por diferentes motivos, não alcançou uma média final suficiente à aprovação direta, a Recuperação e/ou a Segunda Época representam períodos de grandes lamentações, de solicitações de pontos extras ao professor e de medo mediante as ameaças proferidas por alguns responsáveis. Traduzindo ainda, para alguns, o aumento de sua fé religiosa, com promessas e mais promessas a um Santo específico, à Mãe ou à Divindade Maior, Deus. E, por que não, a toda a falange espiritual, como garantia de milagre efetivo.
 
A vida escolar do aluno está por um triz, ou seja, perto de cair de vez (reprovação) ou de escapar por seu empenho descomunal (aprovação).
 
Este ano, eu ouvi de tudo... Professora,

... se eu precisar de 0,5 ponto, a senhora dá?

... a prova pode ser com consulta?

... não dá para passar um trabalho só para ajudar?

... minha mãe vai me matar se eu não passar!

... se eu não aparecer, a senhora já sabe que minha mãe me matou.

... bagulho bom, parar de estudar! (comentário de um aluno do 9° Ano mediante a intervenção da colega que disse que o seu pai havia perguntado se ela queria parar de estudar).
 
Pode parecer engraçado e até se torna assim, pois não foi por falta de conselho e/ou de inúmeras advertências minhas durante o ano inteiro. Mas, de fato a situação é séria por demais.
 
Em ambas as Unidades Escolares que trabalho, os resultados já foram lançados nos respectivos sistemas online. Para alguns, eles se traduzem em alegrias por conta do empenho e esforço em superar a situação configurada durante o ano todo e, para outros, o insucesso escolar, confirmado por uma nota abaixo da média exigida para aprovação. Infelizmente, muitos alunos se mostram imaturos, precisando de maior compromisso e dedicação ao seu próprio processo educativo.
 
A nós, professores, nos resta apenas assinar embaixo do resultado que o mesmo admitiu para ele.
 

sábado, 16 de dezembro de 2017

II Campanha da Solidariedade da E.M. Dilermando Cruz

Logotipo da Campanha da Solidariedade da
E.M. Dilermando Cruz (Desenho de Kalina Matias)


Alguns alunos da E.M. Dilermando Cruz (Ensino Fundamental da rede municipal) me perguntaram – quando viram a postagem sobre a entrega de donativos com os alunos do Ensino Médio (rede estadual) – porque não houve Campanha da Solidariedade na escola, neste final de ano.
 
Realmente, foi um erro meu, e dos alunos da Turma 1701, não ter mencionado nada a respeito. Devido ao fato da entrega da I Campanha da Solidariedade de 2017 ter sido muito tardia, a segunda edição ficou prejudicada pelo período curto de tempo. Corríamos o risco de não obtermos sucesso nas  arrecadações. Em razão disso, em reunião com os alunos da Turma 1701, discutimos e decidimos suspender a Campanha do final do ano. Infelizmente...
 
E, tal como falei na postagem anterior, para o próximo ano faremos tudo mais organizado, inclusive, porque iremos realizar o Dia de Ação Social na escola.

 Alunos da Turma 1701
Responsável pela Campanha da Solidariedade
da E.M. Dilermando Cruz

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Turma 1008: Entrega dos Donativos da Campanha da Solidariedade II


  Da esquerda para direita, Anderson Israel dos Santos,
Tamires Costa Carvalho, Giovanna e Alexandre Felipe de Souza 


Nesta última 5ª feira (14/12), eu e três alunos da Turma 1008 fomos fazer a entrega dos donativos à outra Instituição beneficiada com a Campanha da Solidariedade do C. E. Prof.ª Sonia Regina Scudese, o Centro Terapêutico Maria Margarida (Brás de Pina, Rio de Janeiro).
 
Junto foi a minha irmã, Sueli Vieira de Oliveira, professora aposentada da rede municipal de ensino, que muito contribui com essas empreitadas.
 
Além dos donativos em gêneros alimentícios e de higiene, levamos material educativo, como lápis cera, massinha de modelar, livro de pintar e um brinquedo de armar, pois – diferentemente da Casa de Apoio à Criança com Câncer – São Vicente de Paulo (outra Instituição que a referida Campanha atende) – o  Centro Terapêutico Maria Margarida se encontra voltado ao atendimento de crianças e jovens portadores de algum comprometimento mental, como por exemplo, autismo, síndrome de Down e paralisia cerebral.
 
Quem nos atendeu foi a Professora  e Psicopedagoga Denise Nonato do Nascimento, responsável pela Instituição, que nos mostrou o espaço e as atividades que ali são desenvolvidas. Não restam dúvidas que o trabalho deles junto com as crianças e jovens é algo surpreendente e, ao mesmo tempo, gratificante a partir dos resultados positivos obtidos.
 
Tivemos a sorte de encontrar uma paciente, a Giovanna (Síndrome de Down), de 17 anos, que estava sendo atendida pela Psicopedagoga Solange Maciel, responsável também pelas áreas de Arteterapia e de pintura em tela.
 
Tempos atrás, eu tive a oportunidade de ver algumas telas pintadas pelos pacientes deste Centro Terapêutico e fiquei admirada pelas obras em si, pelos talentos e dedicação. A habilidade artística bem acentuada e estimulada entre eles me chamou muito a atenção. E, desta vez, conseguimos ver algumas telas expostas, inclusive, a de autoria da Giovanna. Brilhante!
 
Na hora de irmos embora chegaram mais dois pacientes, o Gabriel (14 anos) acompanhado por seu pai e outra aluna (não me recordo bem o nome) que veio com sua mãe.
 
O dia começou muito bem! Conhecemos a Instituição, tivemos contato com pacientes que são atendidos pela casa e entregamos os donativos arrecadados durante a Campanha da Solidariedade.
 
Embora, o quantitativo arrecadado para as duas Instituições beneficiadas (Casa de Apoio à Criança com Câncer – São Vicente de Paulo e Centro Terapêutico Maria Margarida) não tenha sido muito, por ser a primeira experiência com os alunos do Ensino Médio e da forma como foi (com algumas falhas), o pouco que conseguimos foi capaz de fazer a diferença e atender em parte a ambas. Assim como, parcialmente, atendeu as nossas expectativas.
 

Foram entregues: 05 Kg de Arroz; 07 Kg de Feijão; 06 Kg de Açúcar; 01 Kg de Farinha de Trigo; 04 Kg de Espaguete; 02 Pacotes de Massas; 01 Frasco de Óleo de Soja; 01 Lata de Milho em conserva; 01 Lata de Leite em pó Integral (400 gr.); 23 Unidades de Gelatina em pó (35 gr.); 03 Caixas de Creme Dental (70 gr.); 03 Sabonetes e 01 Detergente líquido. 
 

O mais gratificante é, sem dúvida nenhuma, estar junto às crianças e jovens. Essa troca e relacionamento faz muito bem aos nossos corações (acredito de ambas as partes).
 
Ano que vem, 2018, as Campanhas semestrais serão mais organizadas. Já conversamos previamente sobre isso, assim como na outra escola da rede municipal.

Donativos arrecadados durante a Campanha,
os quais foram divididos para as duas
Instituições



Donativos (material educativo)

Da esquerda para direita, os alunos Alexandre,
Anderson e Tamires
 
A paciente Giovanna e a Psicopedagoga Solange Maciel

Telas de outros pacientes
 
 
Giovanna e a sua tela





Da esquerda para direita, os alunos Tamires, Anderson e Alexandre,
minha irmã Sueli Vieira, uma paciente, a fisioterapêutica Luimar
e a Professora  e Psicopedagoga Denise Nonato do Nascimento

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Turma 1008: Entrega dos Donativos da Campanha da Solidariedade


Da esquerda para direita, os alunos Alexandre, Anderson,
Patrick, João Victor (camisa preta), Prof. Jorge e a aluna Tamires

Ontem, vivenciamos um momento bastante especial, pois foi o dia em que fizemos a entrega dos donativos, em gêneros alimentícios, arrecadados junto à Comunidade Escolar do C.E. Profa. Sonia Regina Scudese.
 
Na verdade, não foi especial só o momento em si, mas todo o seu contexto...
 
Primeiro, pelo envolvimento de outra turma de adolescentes em uma atividade altruísta, ou seja, em uma campanha solidária (Turma 1008).
 
 Turma 1008
 



 
 

Segundo, por seu objetivo principal ter sido atingido (a Campanha no Colégio e, consequentemente, as doações obtidas). Não foi muito, mas o pouco que conseguimos vai fazer a diferença.
 
 
 Da esquerda para direita, os alunos
Alexandre, Anderson, Júlia, Lucas e Patrick

 



 
Terceiro, por mostrar que o colégio não é apenas uma Instituição de Ensino, ela é mais do que isso! Ela é capaz de oferecer subsídios à formação mais ampla do educando no sentido de o tornar um cidadão responsável e solidário.
 

Os alunos com a Diretora do Colégio,
Profa. Daniela Dutra Ferreira

Os alunos com a Coordenadora,
Profa. Lídia Maria Nogueira de Oliveira

 
E, por fim, o quarto motivo, há muito tempo estávamos aguardando esse dia tanto pela entrega dos donativos quanto pelo contato com as crianças da Casa de Apoio à Criança com Câncer – São Vicente de Paulo.
 

 
Ao todo foram cinco alunos da referida turma, Alexandre Felipe de Souza, Anderson Israel dos Santos, João Vítor Dias da Costa, Patrick dos Santos Silva e Tamires Costa Carvalho, mais dois docentes, eu (Marli Vieira) e o Prof. Jorge Fernando de Moraes (História).
 

Da esquerda para direita, os alunos Alexandre, Anderson,
Patrick, João Victor (camisa preta), Prof. Jorge e a aluna Tamires
 
 
Além dos donativos arrecadados, nós ganhamos brinquedos da minha irmã, Sueli Vieira de Oliveira, professora aposentada, que muito contribui com as Campanhas da minha outra escola (da rede municipal) e os que eu comprei, com os meus próprios recursos.
 
Acredito que essa primeira experiência que os alunos tiveram foi positiva e não será a última ação deles nesse sentido. Ano que vem deverei acompanhá-los, como professora regente e responsável por esta Campanha da Solidariedade.


 



 


 

 

 

 
 

sábado, 9 de dezembro de 2017

Apresentação dos Seminários da Turma 1903

Imagem capturada da internet
Fonte: Dreamstime
 
 
Dando continuidade às postagens anteriores. desta vez, estou compartilhando as fotos das Apresentações dos Seminários dos alunos da Turma 1903.

Parabéns a todos!
 
Seminário: Coreia do Norte





Seminário: China


 

 
Seminário: Tigres Asiáticos


 
 
Seminário: Japão



 

 
Seminário: Índia
 

 
 
Seminário: Oriente Médio


 
 
Seminário: Coreia do Norte


 


 
 
 Seminário: Conflitos na Ásia