sexta-feira, 8 de junho de 2018

08 de Junho: Dia Mundial dos Oceanos


Disposição dos Oceanos na Superfície Terrestre
Imagem capturada na Internet
Fonte: Náutico

  
Hoje, comemoramos o Dia Mundial dos Oceanos e, também, a nível de Brasil, o Dia Nacional dos Oceanógrafos.
 
Antes mesmo de focar o maior problema enfrentado, hoje, em relação aos mares e oceanos no que diz respeito à poluição, gostaria de ressaltar uma questão básica sobre os mesmos, tendo em vista que há duas correntes divergentes acerca do número dos oceanos da superfície terrestre. Inclusive, eu já publiquei sobre isso neste espaço, após uma pessoa me perguntar qual seria o número exato dos oceanos da Terra.
 
Pois bem, alguns autores não consideram o Glacial Ártico e o Glacial Antártico como oceanos. Eles os classificam como mares (no meu tempo de escola, no antigo ginásio, era assim também a classificação dos mesmos). No entanto, a Organização Hidrográfica Internacional (International Hydrographic Organization) segue a classificação de 5 oceanos, ou seja, o Pacífico, o Atlântico, o Índico, o Glacial Ártico e o Glacial Antártico.
 
A Organização Hidrográfica Internacional (OHI) é um organismo intergovernamental, fundada em 1921, cuja sede se encontra localizada no Principado de Mônaco. O Brasil é um dos seus membros-fundadores, participando sempre das Conferências Hidrográficas Internacionais.
 
International Hydrographic Organization
Imagem capturada na Internet
Fonte: Náutico
 
Polêmicas à parte, se são três ou cinco oceanos, o que mais nos preocupa – hoje em dia – não é o número exato a ser considerado, mas o que vem acontecendo com essas grandes extensões de águas, salgadas e profundas, que cobrem a maior parte da superfície terrestre. O que vem acontecendo em termos das ações antrópicas quanto ao descarte inadequado do lixo e outros resíduos contaminantes, causadores da poluição hídrica (fluvial, lacustre, marinha e oceânica).
 
Os problemas já são bastante visíveis e sentidos por seus diversos impactos ambientais não só nas águas, como de efeito em diferentes espécies de animais deste habitat ou que sobrevivem dos alimentos que estes oferecem.
 
Impactos ambientais estes, gerados pela grande quantidade de resíduos descartados e/ou lançados nas águas fluviais (rios) que desembocam nos mares, os quais vão ser levados pelas correntes marinhas e, por conseguinte, poluirão os oceanos.
 
Como o próprio cientista Charles Moore, que descobriu o chamado “Grande Lixão do Pacífico” em 1997, afirma,
 
O oceano é o destino final de todo o nosso lixo”.
 
São descartes e lançamentos de resíduos sólidos (madeiras, garrafas de vidro, plásticos etc.), como também óleo (vazamento de petróleo), esgoto, metais pesados, entre outros resíduos contaminantes.
 
Os registros de mortes, estrangulamentos e outros ferimentos em animais em consequência do lixo fluvial (rio), marinho e/ou oceânico foram divulgados nas mídias através de diversas imagens impactantes, mundo afora, tais como...
 
Tartaruga-marinha macho
com um canudo de plástico
no interior de uma de suas narinas
Fonte: Blog Animal 
 
 
Foca com anel de frisbee em volta do pescoço
Foto: BBC News Brasil
Fonte: Terra
 
 
Crocodilo (em rio) com pneu de moto em volta do pescoço
Foto: Mohamad Hamzah/Antara Foto/Reuters
 
Tartaruga que cresceu
com um anel de plástico em volta do casco
 
Cavalo marinho preso ao cotonete
Foto: Justin Hofman
Fonte: FolhaPE
 
 ... assim como, também, ficou comprovado que a poluição e a contaminação química decorrente dos resíduos sólidos e líquidos expõem toda a cadeia alimentar em perigo, desde o zooplâncton até outras espécies da fauna marinha maiores, chegando até ao homem, quando este consome alimentos marinhos.  
 
Por conclusões assim, a Suécia, em 1995, começou a recomendar que as mulheres em idade fértil limitassem o consumo de arenque e salmão do Báltico (...). Análises químicas mostraram que eles estavam muito contaminados com substâncias chamadas disruptoras endócrinas. Em peixes, elas causam hermafroditismo. Em humanos, câncer, aumento da próstata e puberdade precoce, entre outros distúrbios.”
                              (Revista Super Interessante, 2016)
 
De todos os resíduos descartados e lançados ao mar, o pior deles é o plástico. Embora, alguns especialistas afirmem que cerca de 60 a 80% dos resíduos lançados seja lixo plástico, dados divulgados durante o Fórum Mundial da Água, realizado em março deste ano, em Brasília, estimam que cerca de 25 milhões de toneladas de lixo que chegam ao mar, a metade é plástico, ou seja, 50%.
 
A Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), braço da Associação Internacional de Resíduos Sólidos (Iswa, sigla em inglês), afirmou que dos 25 milhões de toneladas de resíduos despejados, anualmente, nos oceanos, o Brasil fornece, pelo menos, 2 milhões de toneladas deste volume total. Isso equivale à uma área de 7 mil campos de futebol.
 
Nesse quantitativo, segundo a Abrelpe, não levou-se em conta os lixões irregulares do Pantanal e da Amazônia, que se localizam mais distantes da costa litorânea. Se os incluísse, o volume poderia chegar 5 milhões de toneladas.
 
E a cada ano, mais e mais lixos são descartados e lançados nos mares e oceanos, provenientes dos rios. E a maior parte do lixo plástico vem do continente asiático.
 
De acordo com Revista National Geographic Brasil (página 50),
 
"Quinze dos 20 piores rios poluentes estão em países asiáticos".
 
O plástico foi inventado no final do Século XIX, mas sua produção só se consolidou como relevante no mercado por volta da década de 50 (Século XX). Hoje, o maior produtor mundial de plástico é a China.
 
Os piores são os microplásticos, também chamados de plásticos ocultos ou invisíveis, que são pequenas partículas plásticas resultante da fragmentação de um produto plástico original (maior). Alguns especialistas os classificam como microplásticos até o tamanho máximo de 1 mm, enquanto outros os consideram até 5 mm.
 
Na verdade, estes microplásticos vêm se tornando o grande vilão do oceano, seu principal poluente, uma vez que ele altera a composição de certas regiões oceânicas, prejudicando os respectivos ecossistemas e, por conseguinte, a saúde humana.
 
Em breve postarei sobre a Grande Mancha de Lixo do Pacífico ou, como é mais conhecida, o Grande Lixão do Pacífico.
Fontes de Pesquisa:
 
 
. Revista National Geographic Brasil – Junho 2018
 

 

Nenhum comentário: