terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Mensagem de Final de Ano e de Natal



Final de ano... grandes expectativas para a festa de Natal e para a virada do ano. Alguns acreditando que a missão foi cumprida, outros na certeza de que deixaram "algo" para fazer.

Na escola, lágrimas e gritos marcaram o dia do Resultado Final. Muitos se mostraram responsáveis e compromissados com o seu próprio desenvolvimento e na construção do seu conhecimento, enquanto outros - talvez por imaturidade e/ou problemas adversos - se inclinaram num caminho sem uma única direção, preferindo entrar em alguns atalhos ou parando no acostamento da vida.

Lágrimas e gritos de alegria são sinais que marcam a vida tanto de alunos quanto de professores. Nós, professores, adoraríamos poder só presenciar gritos e lágrimas de alegria. Tentamos, incessantemente, fazer a nossa parte, mas a construção do conhecimento não depende só de nós.

O que fazer, se ambas as partes não conjugam os mesmos objetivos e metas?

A esperança está por vir... 2009! Ano Novo, expectativa de mudanças, de renovação, de reestruturação.

Vamos acreditar, mas acima de tudo fazer valer a nossa crença. Correndo atrás do que não foi alcançado, daquilo que acreditamos ser o melhor e em nós mesmos!

Desejo a todos, um Feliz Natal e um Ano Novo marcado com muito Amor, Paz, Saúde e Grandes Realizações Pessoais.

Obrigada pelo carinho demonstrado no ano inteiro! Beijos



Recados e Imagens - Natal - Orkut





Mil Desculpas...

Imagem capturada da Internet


Desculpe-me, mais uma vez, pela demora em postar. Mas, vocês sabem como a vida de professor se complica, mais ainda, no fim do ano letivo. E, levando em consideração que estou falando da minha pessoa, para quem me conhece, sabe que esta piora mil vezes mais.


Em razão disso, vou já informando que as postagens pendentes serão publicadas antes da virada do ano (2008-2009).


Tenho artigos semi acabado (rascunhos) e outros para escrever. Como, por exemplo, o resultado do Torneio Escolar (E.M. Dilermando Cruz); as entregas das doações das Campanhas de Solidariedade, entre outras.


Mas, podem ficar tranquilos! Em breve, o meu Blog estará atualizado.



Imagem capturada da Internet

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Torneio de Educação Física: Resultado Final

Dando prosseguimento às imagens que registram alguns momentos do Torneio de Educação Física da E. M. Dilermando Cruz, do primeiro turno (manhã), as fotos abaixo correspondem ao penúltimo e último dia das competições, ou seja, sexta feira, dia 05 de dezembro, quando foram realizadas as partidas finais dos Jogos Coletivos e a Dança e, segunda feira (08/12), quando houve o jogo final do Basquetebol.

Aproveito o espaço para postar as imagens das entregas das medalhas, que foi realizada no dia 11/12 (quinta feira).

Infelizmente, novamente, não pude registrar as imagens dos jogos e nem a entrega das medalhas do segundo turno (tarde). Motivo já explicado em outra postagem.

Vejamos as imagens capturadas...

05/12 (sexta-feira)











Danças

As Danças representaram um momento bastante interessante mediante a empolgação tanto dos participantes (dançarinos) quanto dos alunos que assistiam (torcidas organizadas ou não).

Júri de Professores
(da esquerda para direita, professora Érika, Fabiana, Marisa, Glaucia, Roberto e Marinete)


Equipe Azul


Equipe Verde



Equipe Preta








Equipe Preta (Vencedora)



Equipe Vermelha



A Inspetora Penha e a Profa Irlene

Resultados Finais dos Jogos Internos (Manhã e Tarde)

Os resultados finais dos Jogos Internos 2008 da E.M. Dilermando Cruz disputados pelos alunos do 6º ao 9º ano, nos dois turnos, foram os seguintes:





Entrega das Medalhas (Turno da Manhã)
11/12 (quinta feira)


Profa Márcia iniciando a entrega



Profa Áurea e as Medalhas



Os Premiados (Primeiro Turno: Manhã)


































































sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Mensagem: Sinto Vergonha de mim



Imagem capturada da Internet




Quis postar esta mensagem, dias atrás, em razão do Dia Internacional da Corrupção, mas perdi muitos arquivos meus devido a vírus no PC e demorei a achá-lo.

Trata-se de um poema muito sério e bonito a respeito da corrupção, da desonestidade, tão enraizadas em nossa sociedade e ensinadas aos jovens e crianças através de exemplos de vida de muitos adultos.

Infelizmente, a inversão de valores ganha força, cada vez mais, entre o público infanto-juvenil e os caminhos mais utilizados primam pela mentira, pela esperteza, pela maldade, pela desonestidade em detrimento aos valores humanos elevados e a ética.

O poema abaixo é de autoria da poetisa Cleide Canton. Muito conhecida e divulgada na Internet, seu poema é tratado, constantemente, de forma errônea, pois atribuem a sua autoria ao Ruy Barbosa.

No entanto, somente o trecho final que integra o poema da referida poetisa é que de autoria do escritor Ruy Barbosa de Oliveira.




"De tanto ver triunfar as nulidades

de tanto ver prosperar a desonra

de tanto ver crescer a injustiça,

de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus,

o homem chega a desanimar da virtude

a rir-se da honra

a ter vergonha de ser honesto".

Ruy Barbosa

Inclusive, a primeira vez que eu ouvi esta poesia foi no Programa do Rolando Boldrim e, a maneira como ele declama é linda! Ele mesmo confundiu a autoria do mesmo e, em um programa posterior, este retificou e atribui a autoria do poema à Cleide Canton e não a Ruy Barbosa, como ele havia citado.

Vale a pena conferir os vídeos tanto da Página Poética de Cleide Canton, a verdadeira autora, como no vídeo do Programa do Rolando Boldrim, disponibilizado no You Tube.





SINTO VERGONHA DE MIM

Cleide Canton




Sinto vergonha de mim…

por ter sido educador de parte desse povo,

por ter batalhado sempre pela justiça,

por compactuar com a honestidade,

por primar pela verdade

e por ver este povo já chamado varonil

enveredar pelo caminho da desonra.


Sinto vergonha de mim

por ter feito parte de uma era

que lutou pela democracia,

pela liberdade de ser

e ter que entregar aos meus filhos,

simples e abominavelmente,

a derrota das virtudes pelos vícios,

a ausência da sensatez

no julgamento da verdade,

a negligência com a família,

célula-mater da sociedade,

a demasiada preocupação

com o “eu” feliz a qualquer custo,

buscando a tal “felicidade”

em caminhos eivados de desrespeito

para com o seu próximo.

Tenho vergonha de mim

pela passividade em ouvir,

sem despejar meu verbo,

a tantas desculpas ditadas

pelo orgulho e vaidade,

a tanta falta de humildade

para reconhecer um erro cometido,

a tantos “floreios” para justificar

atos criminosos,

a tanta relutância

em esquecer a antiga posição

de sempre “contestar”,

voltar atráse mudar o futuro.





Tenho vergonha de mim

pois faço parte de um povo que não reconheço,

enveredando por caminhos

que não quero percorrer…





Tenho vergonha da minha impotência,

da minha falta de garra,

das minhas desilusões

e do meu cansaço.

Não tenho para onde ir

pois amo este meu chão,

vibro ao ouvir meu Hino

e jamais usei a minha Bandeira

para enxugar o meu suor

ou enrolar meu corpo

na pecaminosa manifestação de nacionalidade.





Ao lado da vergonha de mim,

tenho tanta pena de ti, povo brasileiro!

x x x x x x x x x x


"De tanto ver triunfar as nulidades,

tanto ver prosperar a desonra,

tanto ver crescer a injustiça,

de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus,

o homem chega a desanimar da virtude,

a rir-se da honra,

a ter vergonha de ser honesto".

(Ruy Barbosa)