quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Descoberta nova espécie de serpente em Iguaba Grande, Araruama, Rio de Janeiro



Imagem capturada na Internet (Ciência Hoje)



Uma espécie desconhecida de serpente, medindo 30 centímetros, foi encontrada por pesquisadores da Universidade Federal Fluminse (UFF), entre os quais estava o Professor e Pesquisador Sávio Freire Bruno e a estudante de Veterinária, Angele Martinsé, que a descobriu durante as atividades de campo.

A serpente, ainda sem nome, é venenosa, mas não ataca o ser humano.

Segue abaixo, o artigo (na íntegra) publicado no Portal da Universidade Federal Fluminense (UFF)


Nova espécie de serpente é descoberta pela Faculdade de Veterinária da UFF

13/1/2010


Ao fazer um levantamento das espécies de anfíbios e répteis presentes na restinga do Núcleo Experimental de Iguaba Grande, na Baixada Litorânea, uma aluna de veterinária da UFF, Angele Martins, descobriu uma nova espécie de serpente, a “Tantilla sp”.

O Brasil tem 708 espécies de répteis e 849 de anfíbios, o que coloca o país como o mais rico em número de espécies de anfíbios do mundo e o terceiro mais rico em número de espécies de répteis.

Embora esses números sejam impressionantes, o conhecimento atual ainda está distante da diversidade real do grupo, pois ainda existem áreas imensas não inventariadas. Para a quase totalidade das restingas brasileiras sequer há informações sobre a simples composição da fauna de répteis.

As restingas são ambientes característicos da Mata Atlântica, e Angele Martins estudou, sob a orientação do professor Sávio Bruno, o ambiente de restinga do Núcleo Experimental de Iguaba Grande, pertencente à universidade (Neig/UFF), e catalogou a existência de 19 espécies de anfíbios e 15 de répteis.

A grande surpresa foi encontrar uma serpente ainda não catalogada e não registrada no Museu Nacional, onde todas as espécies têm de estar depositadas, obrigatoriamente.

Por enquanto, a denominação do réptil é “Tantilla sp,”, pois, no mundo científico, animais e plantas são designados por dois nomes em latim, o primeiro se referindo ao gênero e o segundo, à espécie. Portanto, isso significa que ela é do gênero “Tantilla” e, como ainda não tem nome, coloca-se “sp,”, de “espécie”. O problema, diz a aluna, é que essa nova espécie teve seu registro no campus, ou seja, em uma área preservada, sendo assim, mal foi descoberta e já se enquadra na categoria “ameaçada”, uma vez que seu “hábitat” natural, de restinga, vem desaparecendo.

Isto reforça a importância, diz o professor Bruno, de estudos acerca das restingas como condição para conservação e preservação da fauna remanescente.

Angele Martins defendeu sua monografia no final de novembro e ela agora deverá publicar um artigo, provando que a serpente é de uma espécie até então desconhecida e dando um nome definitivo a ela. Foi o primeiro registro preciso da espécie, diz o professor Sávio Bruno.

A captura e coleta de animais em campo, que obteve permissão do IBAMA para ser realizada, durou um ano, de julho de 2008 a agosto de 2009, utilizando armadilhas em linha, compostas por oito baldes de 60 litros, enterrados ao nível do solo e ligados entre is por uma lona de plástico com 60cm de altura, distando cinco metros um do outro. As armadilhas ficaram abertas durante todos os dias nesse período, com inspeções diárias ou de, no máximo, dois dias, além das buscas ativas nas estradas do campus e nas trilhas já existentes. No total, foram capturados 623 exemplares de 34 espécies, sendo 19 anfíbios e 15 répteis.

3 comentários:

Anônimo disse...

Olá pessoal do blog geografia em foco, boa a materia sobre a nova especie de serpente, eu encontrei uma aqui em Palmas - TO, em breve vou colocar uma foto em meu blog.

meu blog: professorbolha.blogspot.com.

flw um abraço

Anônimo disse...

na cidade de Soledade no estado do Rio Grande do Sul, é bem facil encontrar exemplares dessa especie de serpente. no Vigilancia Sanitaria do Municipio algumas vezes foram recebidos material que é identico ao dessa materia. cobra acobreada, dourada e com a cabeça parecida com a cobra coral.

Bruno barbosa disse...

Acabei de capturar uma parecida. Porém em vez de marrom ela é cinza com a cabeça da mesma da foto. Medindo mais ou menos 13 centímetros.