domingo, 15 de agosto de 2010

Bullying no Ambiente Escolar



Apresentadora da MTV, MariMoon - Imagem capturada na Internet (Fonte: Google)

Atualizado em 16/08/2010 às 23:16h

Um tema bastante polêmico e de difícil "solução" é o chamado Bullying, que implica em uma série de atitudes físicas e/ou verbais sobre uma pessoa, numa relação desigual de poder. Melhor traduzindo, a pessoa se acha superior à outra e, em razão disso, mantém e alimenta atos agressivos e ofensivos de forma intencional e constante.

Como não haveria de ser, mais uma vez, a prática de Bullying na escola vem apresentando efeitos agravantes em termos de relações interpessoais, cujos reflexos respondem pela infrequência de alguns alunos, no baixo rendimento escolar e, sobretudo, alimentam a baixa autoestima.

Com ou sem motivação aparente, a prática do Bullying deve ser abolido, seja na escola seja no trabalho ou em qualquer outro espaço onde se estabeleça relações sociais.

A faixa etária das vítimas pode variar de criança a adulto, mas - de uma forma geral - as crianças e os adolescentes são os alvos preferidos dos agressores (bulies).

Em setembro e novembro de 2008, eu postei sobre o Bullying no Blog e, inclusive, indiquei o site Eduquenet , que explora muito bem o tema. Outra sugestão é o livro "Bullying - Mentes perigosas nas escolas", de autoria de SILVA, Ana Beatriz Barbosa (Editora Objetiva, Rio de Janeiro, 2010).

A referida autora deixa bem claro, em sua obra, que na prática do bullying, a violência escamoteada ou não - através de brincadeiras - se desenvolve numa relação entre duas ou mais partes, na qual "os mais forte utilizam os mais frágeis como meros objetos de diversão, prazer e poder, com o intuito de maltratar, intimidar, humilhar e amedontrar suas vítimas." (...) produzindo, alimentando e perpetuando muita dor e sofrimento nestes últimos.

E, segundo a mesma, em razão destas suas características, o bullying deve ser reconhecido e tratado como um problema social complexo, cabendo a todos nós a responsabilidade quanto a ele.

Ela ainda destaca o papel relevante da escola em termos de reduzir o problema face o desenvolvimento de programas preventivos junto à Comunidade Escolar, bem como por meio de ações combativas nas práticas já vigentes no âmbito da escola.

No final de julho e início de agosto, eu solicitei a cada aluno da E. M. Dilermando Cruz uma avaliação quanto a minha matéria, justificando a média final obtida. Para a minha surpresa, cinco alunos citaram a prática de bullying na sala de aula como um dos problemas associados ao baixo rendimento escolar.

Uma aluna, inclusive, citou que já teve dúvidas na minha matéria, mas não me solicitou uma nova explicação, pois não queria passar por constrangimento na turma. De acordo com o seu relato, todas as vezes, que ela pergunta algo ao professor, os colegas encarnam e riem no seu modo de falar (a aluna usa aparelho nos dentes).

Uma outra aluna também mencionou temeridade a mesma situação. Levei ao conhecimento da Direção, pois a turma desta última já teve várias ocorrências de prática de bullying.

Realmente, as escolas precisam tomar as devidas providências tanto em termos de prevenção quanto no combate.

Muitos casos semelhantes, envolvendo pessoas famosas acabam virando notícia e o pano de fundo da fase de adolescência é o bullying. Exemplificando...

Na edição 1102, de 1 de agosto, da Revista Capricho, foi publicada uma entrevista com a apresentadora da MTV MariMoon, na qual ela revela que sofreu bullying na época do colégio.

Ela afirma que preconceito começou quando ela assumiu o seu jeito ser (curtia roupas diferentes, como calça rasgada e camiseta de banda). Ela ainda não pintava o cabelo (só começou a pintá-los aos 20 anos).

Segundo a mesma, "Ia bem na escola até o momento em que todo mundo decidiu sua personalidade. Então, as pessoas foram para um lado e eu pra outro. Até aí, ok. É uma fase natural do ser humano. O problema é quando começa o preconceito."

Acerca das garotas da escola... "Muito patricinhas! A galera tinha muita grana e ia todo ano para Miami. Amava a escola (grifo meu), mas fiquei magoada com as pessoas, que eram minhas amigas. De repente, a galera começou a segregar total. Falavam que eu nunca ia ser do grupo deles, que eu era lésbica. Todas as meninas adoravam ir pra balada e ficar contando que pegaram sete pessoas. Eu nunca achei isso legal."

Grifei "Amava a escola", porque como se pode observar o Bullying sempre ronda o ambiente escolar. Isso decorre porque este é, antes de mais nada, um espaço social e de grande diversidade cultural.

MariMoon avalia que "Muitas pessoas que praticam Bullying não fazem por maldade. Eles acham engraçado e não têm noção do impacto que isso causa em quem está ouvindo."

Eu acredito que a pessoa tenha noção do teor de maldade imposto em sua atitude com o outro, contudo, o que acontece é que ela ignora a dimensão da reação interna da vítima.

Em geral, o bullying é intencional e o semblante da vítima já expressa os efeitos nocivos que a "brincadeira de mau gosto" causa. O detalhe é que muitas pessoas, as mais sensíveis e inseguras diante da coletividade, podem ter uma reação bem pior, isolando-se do grupo ou até mesmo evadindo-se da escola para não sofrer mais humilhações.

Caso semelhante a este último caso aconteceu com a cantora teen Demi Lovato, que por ser vítima de bullying, aos 16 anos (7ª série), largou a escola e começou a estudar em casa (com a sua amiga, na época, e também artista e cantora, Selena Gomez).

De acordo com o que foi publicado nas mídias, Demi Lovato participa de duas Campanhas voltadas para o combate ao bullying nas escolas ("Teens Again Bullying" e "Stomp Out Bullying"), após ter tomado conhecimento do depoimento de uma garota de 11 anos, que cometeu suicido por não suportar mais as provocações proferidas pelos seus colegas.

Demi Lovato - Imagem capturada na Internet (Fonte: Google)

Olha aí, a variação do nível de vulnerabilidade de cada um... Alguns sofrem, mas ignoram; muitos sofrem e se isolam cada vez mais e, outros, por sofrerem muito, cometem suicido...

Outra artista e cantora teen, famosa, que também já revelou ter sido vítima de bullying é a Miley Cyrus. Em sua autobiografia, "Hannah Montana e Eu" (minha filha tem o livro em inglês e em português), esta afirma que o assédio dos colegas começou quando ela cursava a 6ª série.

Enquanto a Demi Lovato sofreu apenas agressões verbais através de boatos infundados e maldosos sobre ela e sua aparência, a Miley Cyrus sofreu ameaças mais diretas e quase apanhou no refeitório por ter desobedecido uma ordem que não era para aparecer no recinto na hora do almoço. As meninas das escola que enviaram faziam parte da "Operação Miley Muito Miserável", segundo a mesma.

Ela relata no livro que havia certa inveja, por parte das suas agressoras, pelo fato dela ter um pai famoso, mas o próprio texto deixa bem evidenciado que a inveja era sobre ela.

As "inimigas" colegiais da protagonista de Hannah Montana destoavam dela, pois tinham estatura e porte bem maior que ela.

O medo que Miley sentia era tanto, que ela não se sentia segura na escola, nem para ir ao banheiro, andar na escola ou abrir o seu armário de costa para corredor. As agressoras fizeram de tudo para prejudicá-la: impediram a sua participação na equipe de torcida por meios de injúrias e fizeram até ameaças a quem quisesse ser sua amiga.

Resultado, Miley Cyrus ficou isolada, sozinha e sem amigas. "Eu me virei como pude. Comecei a ficar com um pessoal mais velho e tentei esquecer tudo, mas as meninas que me perseguiam continuaram dificultando minha vida todos os dias. Eu detestava a escola (grifo meu)."

Miley Cyrus - Imagem capturada na Internet (Fonte: Google)

Muitos casos de evasão escolar ou de infrequência se encontram associados à prática de bullying nas escolas e, daí este sentimento negativo ao espaço escolar.

Outra artista teen que passou por situações humilhantes na escola, sob os efeitos da prática de bullying foi Selena Gomez. Dela, eu pouco sei, mas pelo que eu pude constatar foi também a nível verbal.

Selena Gomez - Imagem capturada na Internet (Fonte: Google)

Mas, isso não importa, agressão física ou verbal tem um impacto muito forte nas pessoas. "O abuso de poder, a intimidação e a prepotência são algumas das estratégias adotadas pelos praticantes de bullying (os bullies) para impor sua autoridade e manter suas vítimas sob total domínio" (SILVIA, 2010).

A nível só de esclarecimentos, as atitudes que podem traduzir a prática de bullying são, segundo a autora acima citada:

. VERBAL: insultar; ofender; xingar; fazer gozações; colocar apelidos pejorativos; fazer piadas ofensivas e zoar;

. FÍSICO E MATERIAL: bater; chutar; espancar; empurrar; ferir; beliscar; roubar; furtar ou destruir os pertences da vítima; atirar objetos contra as vítimas;

. PSICOLÓGICO E MORAL: irritar; humilhar e ridicularizar; excluir; isolar; ignorar; desprezar ou fazer pouco caso; discriminar; aterrorizar e ameaçar; chantagear e intimidar; tiranizar; dominar; perseguir; difamar; passar bilhetes e desenhos entre colegas de caráter ofensivo; fazer intrigas, fofocas ou mexericos;

. SEXUAL: abusar; violentar; assediar e insinuar;

. VIRTUAL: feita através da Internet (e-mails, mensagens em redes de relacionamentos sociais etc).

Fontes de Consulta:

. Cyrus, Miley - Hannah Montana e Eu - Editora Panda Books, São Paulo, 2010;

. SILVIA, Ana Beatriz - Bullying - Mentes Perigosas nas Escolas - Editora Objetiva, Rio de Janeiro, 2010;

. Revista Capricho (Edição 1102, de 01 de agosto de 2010);

. Wikipedia

4 comentários:

Bruna kely 1901 disse...

Nossa professora, quando eu vi bullyng no titulo, me chamou atenção .. pois participo de debates as vezes .. E sinceramente, não sabia das cantoras teen que era assim .. Fiquei até asustada, rs
Mais foi legal me enformar, parabeéns pelo post .rs
Bjs.

Marli Vieira de Oliveira disse...

Bruna,

Em geral, as pessoas não revelam. Somente depois, quando já se sentem mais seguras de si. O pior é que muitos que foram vítimas de bullying acabam se tornando, no futuro, os agressores.

Realmente é um tema que deve ser bastante discutido em sala de aula. Eu já postei aqui acerca deste tópico e contei que já fui vítima, principalmente, na minha adolescência.

Beijos

Tamiris Neves disse...

Eu também desconhecia das atrizes. A única que tinha conhecimento era a MariMoon, pois em uma outra revista Capricho que tenho, a mesma dá relatos de sofrer bullying por ser diferente. "Não gostavam de você? A galera súper me excluía, eu não tinha grupo. Fazia os trabalhos de sala sozinha ou a professora me obrigava a fazer com alguém e me colocava em algum grupo.Aí, era aquela situção desagradável. Na aula de educação física, eu era sempre a última a ser escolhida no time.(risos) Mas eu não tinha crise. No começo, eu fiquei mal, mas depois vi que era isto: ou vou ter que ser igual a eles ou aceitar que esse é meu estilo."
Este problema acaba que cercando a maioria das crianças e adolescente em período escolar.

Marli Vieira de Oliveira disse...

É, Tamiris, o ambiente escolar é o espaço onde a prática de "bullying" fica mais em evidência, mas como os especialistas afirmam este não é exclusivo ao ambiente escolar. Acontece no trabalho, na própria família e em outros espaços sociais.

O silêncio das vítimas é que acaba fazendo com que atos, com esta intenção, permaneça acontecendo. É preciso reclamar, procurar um professor ou a própria Direção para denunciar ou relatar as agressões (verbais e/ou físicas) sofridas.

Ah, já ia me esquecendo... Sua revista ainda está comigo. Quando perguntei por você, os alunos disseram que a maioria da turma já havia saído (foi na hora da saída). Amanhã, eu lhe entrego.

Beijos