quinta-feira, 12 de agosto de 2010

China, Paquistão e Índia sob os efeitos de desastres naturais




Distribuição de mantimentos às vítimas da cidade de Leh, Índia

(Fonte: Blog Olhar sobre o Mundo - O Estadão)



Dando continuidade ao assunto da última postagem, gostaria de ressaltar outros pontos da Terra que foram manchetes de jornais em virtude das chuvas torrenciais que vem caindo incessantemente e, sobretudo, no último final de semana.

Algumas cidades em situação bem mais grave daquelas registradas nos países da Europa Central. Assim não poderia deixar mencionar, entre outros, os casos extremos como o ocorrido no Paquistão, na Índia e na China, países do continente asiático.

De acordo com o que foi noticiado no Último Segundo, perto 2 mil pessoas já morreram, neste ano, vítimas das enchentes que afetaram o centro e sul da China. No final de semana passada, a região noroeste da China foi castigada pelas intensas chuvas, as quais continuaram nos dias subsequentes.

A situação se agravou em decorrência dos deslizamentos de terra que ocorreram no distrito de Zhouqu, na província de Gansu. O número de mortos já ultrapassou 1.100 pessoas e, segundo as autoridades locais, mais de 600 continuam desaparecidas.

Além das perdas humanas, os prejuízos materiais e econômicos são incomensuráveis. Mais de mil residências foram destruídas e outras três mil se encontram submersas, assim como terras produtivas foram inundadas.

As autoridades estão encontrando problemas para acomodar os desabrigados. De acordo com o que foi publicado, o condado de Zhougu recebeu mais de quatro mil barracas para os desabrigados, mas devido o terreno montanhoso há certa dificuldade à montagem das mesmas.

Os riscos de epidemias são eminentes e, por isso, as autoridades da área de Saúde lutam por medidas preventivas, pois na falta de água potável, o consumo de água imprópria e de comida estragada pode agravar mais, ainda, o quadro configurado. Várias pessoas já apresentam um quadro de diarréia

A grande quantidade de lama e de água dificulta os trabalhos de busca dos sobreviventes feito por bombeiros, soldados e médicos, os quais e outros somam mais de 4,5 mil profissionais trabalhando no resgate e na ajuda às vítimas. Estes também contam com o auxílio de cães farejadores.

A situação no noroeste da China é realmente desoladora... A tragédia na região piorou na madrugada desta 5ª feira (12/08), pois voltou a chover forte na província de Gansu e, como isso, inundações e novos deslizamentos ocorreram, com registro de três pessoas desaparecidas.

Do mesmo modo, pode-se falar das chuvas que castigaram o Paquistão e a Índia. Enchentes, deslizamentos de terras e áreas produtivas inundadas também marcaram estes países, que além de prejuízos econômicos e perdas materiais, aumentam as estatísticas quanto ao número de vítimas fatais.

As enchentes no Paquistão foram consideradas as piores dos últimos 80 anos. E os números assustam...

Cerca de 15 milhões de pessoas foram afetadas pelas chuvas e pelas enchentes em várias províncias do país, contabilizando aproximadamente 650 mil casas destruídas e, pelo menos, 550 mil hectares de terras produtivas foram inundadas. Também, estima-se que cerca de 10 mil vacas morreram em consequência das inundações.

O número de vítimas fatais no país chega a mais de 1600 mortos.

Em função dos prejuízos nas terras agrícolas, a escassez de alimentos já começou a ser sentida nas áreas afetadas. Problemas de saúde, como diarréias e infecções na pele, também, estão ocorrendo entre muitos dos desabrigados.

A Índia, também castigada pelas chuvas (06 de agosto), sofreu inundações e deslizamentos de terra, principalmente, na cidade turística de Leh, no estado da Caxemira indiana, que ficou coberta de lama. Outras cidades ao entorno de Leh também foram afetadas.

A destruição foi muito grande na cidade. Dezenas de casas, prédios públicos e a principal estação rodoviária foram inundados e devastados pelos deslizamentos de terra.

O número de mortos já chegou a 183. A maioria das vítimas é de origem indiana, mas há também nepaleses e tibetanos, além de cinco turistas europeus. Cerca de 200 pessoas continuam desaparecidas e mais de mil turistas se encontram isolados.

Leh, situada a uma altitude de 3.505 metros, é uma cidade turística, rica em monastérios budistas.

O mau tempo, incomum, que vários países do hemisfério Norte vem apresentando, neste verão de 2010, tem colocado em evidência um aumento gradativo dos índices pluviométricos e na força destrutiva das enchentes, ao longo dos anos. Serão meros eventos atmosféricos ou efeitos do aquecimento global?

Mapa de Localização - Imagem capturada na Internet (Fonte: Google)


Local de deslizamento em Zhouqu, no nordeste da China (Fonte: Último Segundo)



Inundação na região desértica do Himalaia na Caxemira indiana, Leh, Índia
(Foto: Indian Army/Reuters - Fonte: Blog Olhar sobre o Mundo - O Estadão)



Ahmedabad, Índia
(Foto: Amit Dave/Reuters -Fonte: Blog Olhar sobre o Mundo - O Estadão)




Casas destruídas pelas chuvas na cidade turística de Leh, Índia.
(Foto: Yawar Nazir/Reuters - Fonte: Blog Olhar sobre o Mundo - O Estadão)





Ahmedabad, Índia
(Foto: Amit Dave/Reuters -Fonte: Blog Olhar sobre o Mundo - O Estadão)





Lama em Leh, Índia.
(Foto: Yawar Nazir/Reuters - Fonte: Blog Olhar sobre o Mundo - O Estadão)






Homem tenta tirar gado de área inundada em Alipur, no Paquistão
(Fonte: Último Segundo)





Área inundada de Khyber Pakhtunkhwa, Paquistão
(Foto: Staff Sgt. Horace Murray/Reuters - Fonte: Blog Olhar sobre o Mundo - O Estadão)







Paquistão
(Foto: Akhtar Soomro/Reuters -Fonte: Blog Olhar sobre o Mundo - O Estadão)






Lal Pir, Paquistão
(Foto: MK Chaudhry/EFE -Fonte: Blog Olhar sobre o Mundo - O Estadão)








Paquistão
(Foto: Mohammad Sajjad/AP -Fonte: Blog Olhar sobre o Mundo - O Estadão)







Muzaffargarh, Paquistão
(Foto: Adrees Latif/Reuters -Fonte: Blog Olhar sobre o Mundo - O Estadão)





Fontes de Consulta
. Jornal O Globo (Impresso, diversas edições)

. Bom Dia

. Notícias R7

. Último Segundo

2 comentários:

João Lucas disse...

Eu acho que foi muito legal a conscientização de vários países se mobilizarem para ajudar o Haiti, devido ao terremoto!!!

Marli Vieira de Oliveira disse...

João,

Da mesma forma que muitos países ajudaram e ainda estão ajudando o Haiti, a ONU está pedindo que os países se mobilizem para ajudar o Paquistão devido às fortes chuvas e inundações que tratei no post.

Tanto estes quanto os terremotos são desastres naturais que levam ao caos e expõem a vulnerabilidade dos espaços do homem.

Neste caso e, mais especificamente, do Paquistão, eu não tenho tanta certeza se já houve a doação, mas o nosso presidente se comprometeu a doar dinheiro ao país em razão das inundações que atingiram o Paquistão (não sei já houve a doação).

Beijos