domingo, 8 de maio de 2011

Escute sua mãe: Martha Medeiros

Hoje, segundo domingo de maio, é comemorado o Dia das Mães. Como estive ocupada neste final de semana com o casamento da minha sobrinha e afilhada, Flávia Aguiar, e com o almoço na casa da minha mãe, onde estive desde ontem à noite, após o casamento, não tive tempo de selecionar uma mensagem para o dia.

Mas, pela manhã, em sua casa, li uma crônica de autoria de Martha Medeiros, publicada na Revista O Globo, muito pertinente à data e ao papel das mães.

Talvez, muitos jovens só concordem com ela quando estiverem em sua fase adulta, mas o seu texto traduz - de forma magnífica - o que é ser mãe. Inclusive, sobre aquelas que falham em sua responsabilidade.

Sou mãe e filha, dois motivos importantes de se comemorar os 364 dias de convivência em um dia só, pois, na verdade,  não há um dia das Mães,  apenas... Todo dia é dia das mães.

Em razão disso e por achar pertinente como mensagem neste dia, compartilho com os filhos e filhas (mães, pais etc.), a crônica de Martha Medeiros. E para saber mais sobre a origem do Dia das Mães, leiam o post, publicado no dia 09 de maio de 2009, neste espaço. Clique AQUI



                              Imagem  capturada na Internet (Fonte: Palavras ao Vento)



                                                              ESCUTE SUA MÃE

                                                                                                     Martha Medeiros

Dois meses atrás, na noite de entrega do Oscar, o diretor Tom Hooper, do premiado O Discurso do Rei, subiu ao palco para receber sua estatueta e contou a todos, em seu agradecimento, que foi sua mãe que, assistindo certa vez a uma leitura dramática, se interessou pelo texto e incentivou o filho a fazer dele um filme. Portanto, não fosse a mãe de Tom Hooper, não haveria a consagração de Colin Firth nem nada do que estava acontecendo naquela noite. Hooper concluiu sua fala de forma bem-humorada, dando um conselho para o mundo inteiro: “Listen your mother”.

Não há personagem mais rico do que as mães. Elas, sim, são as rainhas do discurso, as diretoras de cena, as figurinistas do set. E é sempre delas o corte final. Podemos não concordar com muita coisa do que elas dizem, podemos até fazer um jogo duro para deixá-las malucas, mas suas palavras nunca entram por um ouvido e saem pelo outro. O que mãe diz é lei. Jamais desistem do posto de xerifes da casa.

Eu nunca me arrependi de ouvir minha mãe, mesmo quando o que ela dizia não fechava com o que eu pensava, e isso aconteceu algumas vezes. Desde a opinião sobre um filme que eu ainda não havia visto, até um conselho sobre como agir numa situação delicada, sempre confiei no bom senso dela, não porque seja uma sábia com PhD em Filosofia, Psicologia, Cinema ou Medicina, mas porque sua sapiência é congênita, foi outorgada pela simples condição de ter parido filhos um dia.

Posso falar assim porque também sou mãe e também sou sábia diante das minhas filhas, mesmo errando como toda mãe erra. No entanto, erros maternos possuem uma ternura que os transformam em acertos póstumos. Quando uma mãe morre, vira santa na mesma hora e tudo o que ela fez – de errado, inclusive – se dilui na lembrança de que um dia houve ali um cais.

Sei de filhos e filhas que não possuem essa complacência toda diante de suas mães. Quando pergunto o que essas mães fizeram para merecer tanto descaso, geralmente ouço como resposta: “o que elas não fizeram, você quer dizer”. Mães se omitem, é verdade. Mães são egoístas, também. Mães às vezes privilegiam o marido em detrimento dos filhos – as submissas, ao menos. Mães se atrapalham, mães se apaixonam, mães metem os pés pelas mãos, e isso nunca é retratado nos comercias de tevê. Mães são muito mais protegidas e mimadas pela sociedade do que as crianças. Mães são sempre sagradas, mesmo sendo tão triviais.

Se sua mãe é meio avoada e não enxerga um palmo na frente do nariz, ame-a, simplesmente. Mas se ela consegue ir além da página 2, não só a ame como a escute. Confie no seu sexto sentido, preste atenção no que ela diz nas entrelinhas, respeite sua vivência, acredite no quanto ela lhe conhece e lhe quer bem, aprenda com sua sensatez, aceite seus palpites. Não é preciso assinar embaixo de tudo o que ela diz, mas, ainda assim, leve em consideração suas dicas e impressões. Radar de mãe não se despreza.

Fonte: Revista O Globo, Ano 7, Nº 354 (08/05/2011)

2 comentários:

Amandiiiynhaa "! e Jujuubaa "!! disse...

AMO MINHA MÃE , MUITO GUERREIRA , E LINDAA , MÃE TE AMOO " Amanda beatriz turma 1903...

Shirlayne disse...

Minha mãe é demais. Amo muito ela! e quero muito que ela sempre sinta orgulho de mim com as notas e meu atos. Agradeço a Deus todos os dias por ter me dado uma família tão linda e feliz. Shirlayne Turma: 1903