terça-feira, 29 de abril de 2014

A importância da Cartografia no Ensino-Aprendizagem da Geografia

  
 Imagem capturada na Internet (Fonte: Diário de um Bobo da Corte)
 
 
Entre os diferentes recursos cartográficos, não resta dúvida que os mapas são de grande importância ao ensino de Geografia, uma vez que eles consistem em uma das formas de representação espacial mais adequada do espaço geográfico, bem como de fenômenos naturais e/ou sociais.
 
Além desta sua relevância em termos de representação espacial e de conhecimentos diversos sobre o espaço cartografado e tematizado, não podemos nos esquecer do seu valor estratégico como instrumento de poder (político, militar e econômico) tão enfatizado na obra de Yves Lacoste, “A Geografia – Isso Serve, em Primeiro Lugar, Para Fazer a Guerra” (1989, Papirus, SP).  
 
Daí, a importância da Cartografia, como ferramenta imprescindível no âmbito do ensino da Geografia. No entanto, o que se observa muito no ambiente escolar, sobretudo, no Ensino Médio é uma grande deficiência em termos de leitura cartográfica, de conhecimentos básicos sobre as diferentes informações cartografadas e de localização geográfica.
Esta dificuldade e deficiência residem, justamente, na falta de atrelamento do estudo geográfico à representação cartográfica.
Embora, no contexto de sua obra, sua análise se coloque de forma crítica à suposta “neutralidade” do ensino da geografia escolar, Lacoste enfatiza a importância dos mapas e afirma (op. Cit.), “ (...) É então que o papel do geógrafo-cartógrafo se torna essencial ...”
E, neste aspecto, não resta dúvida que os diferentes recursos cartográficos, sobretudo os mapas, são de grande importância no âmbito do estudo e do ensino da ciência Geográfica.

Ensinar Geografia sem mapa é o mesmo que ensinar a nadar sem água ou, como o referido autor afirma, "Cartas, para quem não aprendeu a lê-las e utilizá-las, sem dúvida, não têm qualquer sentido, como não teria uma página escrita para quem não aprendeu a ler" (1989, pag. 38).
 
Por isso, torna-se imprescindível trabalhar com mapas, a sua leitura e interpretação no Ensino Fundamental para que os alunos alcancem, pelo menos, o mínimo de compreensão da representação cartografada e tematizada quando estiverem no Ensino Médio.
 
Eu mesma pude comprovar esta deficiência, assim que comecei a dar aula no Ensino Médio, em 2011.
 
Eu sei que este quadro não é algo generalizado, uma vez que muitos de nós, professores, temos matrículas tanto no Ensino Médio quanto no Ensino Fundamental, mas não há como negar que a deficiência de conhecimentos e de trabalhar com mapas ou qualquer outra representação gráfica vem de anos anteriores, prejudicando o andamento das aulas no Ensino Médio.
 
Só para se ter uma ideia, na primeira prova do Saerjinho deste ano (1ª Série) caiu uma questão com mapa do Brasil dividido por regiões (IBGE), cujo objetivo principal era a leitura e localização geográfica das regiões referenciadas no texto.
 
Dos 32 alunos presentes no dia da prova apenas 6 (seis) acertaram a referida questão, sendo que um deles, alegou que chutou a resposta, após eu tê-los parabenizado em sala de aula. Vejam a referida questão abaixo:
 
 Cliquem para ampliar a imagem
 
Volto a salientar a importância de se trabalhar sempre com mapas, gráficos e dados estatísticos, tanto no Ensino Fundamental quanto no Ensino Médio, de forma a amenizar e/ou reparar possíveis deficiências de anos escolares anteriores.
Aproveitando esta postagem, já prometida aos alunos desde quando comentei sobre esse problema referente às dificuldades de localização geográfica e de leitura e interpretação cartográfica, estou compartilhando dois vídeos que, também, apresentei na Plataforma do curso de Formação Continuada em Geografia do CECIERJ.
 
Tirem as suas próprias conclusões...
    
 
 

Nenhum comentário: