domingo, 26 de fevereiro de 2012

Incêndio na Base Antártica Comandante Ferraz coloca em risco o Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR)



 Incêndio na Estação Antártica Comandante Ferraz 
Imagem capturada na Internet (Fonte: Terra Notícias)

Texto atualizado às 08h48

Como muitos ficaram sabendo, a Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF) sofreu um incêndio de grandes proporções na madrugada de ontem (25/02), sábado, às 2h (horário de Brasília), destruindo quase tudo da base brasileira (80% de sua instalação), segundo informações de pesquisadores e dados divulgados na mídia.

O incêndio começou na Praça de Máquinas, onde ficam os geradores de energia. Até o momento, o que se sabe é que dois militares morreram (o suboficial Carlos Alberto Vieira Figueiredo e o sargento Roberto Lopes dos Santos) e um ficou ferido (não corre risco de vida), o sargento Luciano Gomes Medeiros, que foi transferido junto com outros brasileiros para Punta Arenas, no Sul do Chile.
De Punta Arenas, os brasileiros embarcarão em uma aeronave da FAB (Força Aérea Brasileira) e devem chegar ao Rio de Janeiro, mais especificamente, na Base Aérea do Galeão entre a tarde de hoje (26/02) e a madrugada de amanhã, segunda-feira (27/02).

Havia outras pessoas na estação brasileira, entre pesquisadores, militares e visitantes. Segundo dados divulgados na imprensa, totalizavam 60 pessoas.

Este número elevado é justificável até mesmo porque é, sobretudo, nesta estação do ano (verão) em que os trabalhos se intensificam e o número de pessoas envolvidas direta e/ou indiretamente nas atividades de pesquisa aumenta, já que, no inverno, as condições atmosféricas e o clima rigoroso (Frio Polar) acabam sendo fortes obstáculos à permanência do homem no continente e fora das estações cientificas.
Além das temperaturas baixas, os ventos são bastante fortes - sobretudo - durante o inverno. Estes conseguem desprender e transportar pequenos pedaços de gelo da superfície congelada, afetando diretamente os olhos das pessoas. De acordo com leituras já realizadas, mas sem a lembrança da fonte, os mesmos podem até cegar durante esta estação do ano (inverno).

A Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF) é a base de pesquisa científica, na qual se desenvolve o Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR). Ela foi instalada na ilha do Rei George, a maior ilha do arquipélago das Shetlands do Sul, localizada no extremo norte do continente, estando a 130 km da Península Antártica, na baía do Almirantado. A montagem dos seus primeiros módulos (contêineres de aço corrugado) data de 1983 e, no ano seguinte, deu-se a inauguração da Estação, mais precisamente, no dia 06 de fevereiro de 1984.
 Ilha do Rei George, arquipélago das Shetlands do Sul
Imagem capturada na Internet (Fonte: Wikipedia) 
Atualmente, a base brasileira não era mais em módulos. Depois de muitas mudanças, esta passou a ser em compartimentos em aço carbono corrugado, de várias dimensões, podendo acomodar cerca de 60 pessoas. Além dos alojamentos, o seu espaço dispunha de banheiros, camarotes, sala de estar/jantar, copa/cozinha, biblioteca, sala de computadores, enfermaria, pequeno centro cirúrgico, sala de ginástica, oficinas de veículos, despensa e lavanderia. Os 13 laboratórios existentes eram destinados às ciências biológicas, atmosféricas e químicas.

 A Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF) antes do incêndio
Imagem capturada na Internet (Fonte: Terra Notícias)

Recentemente, entre dezembro de 2011 e janeiro deste ano, foi instalado e inaugurado, respectivamente, o módulo autônomo Criosfera 1, no interior da Antártida,  a  2.500 km de distância da Base Antártica Comandante Ferraz, avaliado em meio milhão de reais. Este localiza-se, também, a 670 km do Polo Sul Geográfico.


 Laboratório Avançado Criosfera 1 
Imagem capturada na Internet (Fonte: Ciência Hoje)


Este módulo avançado (laboratório) é autônomo, pois se encontra em separado do conjunto principal, mais no interior do continente e funciona 24 horas por dia, sem a presença do homem. Não há, também, a necessidade de emprego de combustível fóssil, pois este é equipado com geradores de energia alternativa (solar e eólica). Sua principal função é monitorar as condições meteorológicas (velocidade dos ventos e a umidade do ar) e coletar informações sobre o impacto das mudanças climáticas na Antártida.
Lamentavelmente, os trabalhos na Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF) não têm previsão de serem retomados em consequência do grande incêndio, mas a presidenta Dilma Roussef admitiu a importância do Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR) e demonstrou firme disposição para a reconstrução da mesma, segundo fontes de pesquisa.
Vamos esperar para ver!

Imagem capturada na Internet ( (Fonte: Terra Notícias)



Fontes de Consulta

. Instituto CH - Ciência Hoje

. Material didático particular

. Terra Notícias (várias edições/ver link nas imagens)

. Wikipedia

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Fim do Horário de Verão 2011/2012



Imagem do meu acervo particular


Para a alegria de uns, tristeza para outros, assim como é - também - o meu ponto de vista, hoje, à meia noite, o Horário de Verão acaba e os relógios devem ser atrasados em 1 hora. Há quem fica feliz em saber que vai ganhar mais uma hora de sono.
Eu, em particular, sempre manifestei a minha opinião acerca do mesmo, que – contrariamente da maioria que conheço – aprovo. Gosto de retornar para casa, após uma tarde de trabalho, com a sensação que o tempo deu uma parada e o Sol  nos convida a aproveitar mais alguns minutos de sua luz... Mesmo sabendo que, naturalmente, os dias são mais longos no período de sua vigência que abrange parte das estações primavera (23 de setembro-21 de dezembro) e verão (21 de dezembro-20 de março).
O início do atual Horário de Verão se deu no dia 16 de outubro de 2011 e deveria terminar no último domingo, dia 19 de fevereiro, tal como prevê a legislação vigente acerca das datas de início e término (Decreto no6.558, de  o8 de setembro de 2008):
Art.1oFica instituída a hora de verão, a partir da zero hora do terceiro domingo do mês de outubro de cada ano, até zero hora do terceiro domingo do mês de fevereiro do ano subsequente, em parte do território nacional, adiantada em sessenta minutos em relação à hora legal.”
No entanto, assim como também está previsto no mesmo Decreto e artigo referenciados, sob  a forma de Parágrafo Único que, havendo a coincidência do domingo do término do horário de verão ser o domingo de carnaval, a data de seu encerramento deve ser transferida para o domingo subsequente.
Daí, o período de sua vigência ter sido prorrogado até à zero hora do dia 26 de fevereiro.
Quanto à economia de energia que o sistema gerou, eu não li nada a respeito, ao menos de órgãos oficiais até o momento. Estima-se uma redução média de 4,5% a 5% no consumo de energia no horário de pico (19h a 22h, no horário de verão que seria de 18h a 21 h, no horário legal). 
Com certeza, amanhã ou até segunda feira, estes dados referentes à economia gerada serão divulgados nos principais veículos de comunicação. 
De acordo com a legislação vigente, o horário de verão é válido para os estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do país, assim como no Distrito Federal e o estado da Bahia. Tendo sido, este último, incluído a partir do Decreto de n° 7.584 (13/10/2011).   
Para saber mais acerca do Horário de Verão, leia AQUI!



terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Carnaval carioca: origem e evolução

 Entrudo de rua no Rio de Janeiro registrado por Debret - Brincadeiras com pó e seringa com líquido - Imagem capturada na Internet (Fonte:  Terra)



Cidade Maravilhosa
Cheia de Encantos Mil...
Cidade Maravilhosa,
Coração do meu Brasil!

Berço do samba e das lindas canções
Que vivem n'alma da gente...
És o altar dos nossos corações
Que cantam alegremente!

Este é um trecho do Hino da nossa cidade, Rio de Janeiro, composto pelo baiano Antônio André de Sá Filho, mais conhecido como André Filho.
Na verdade, ele é uma marchinha de carnaval que foi gravada, em 1934 (Odeon), na voz de Aurora Miranda (irmã de Carmem Miranda) e do próprio compositor (André Filho). No entanto, ela só fez sucesso no carnaval do ano seguinte (1935), assim como faz até hoje.  

Em 1960, ela passou a ser o hino oficial do estado da Guanabara (hoje, município e capital fluminense). A Guanabara existiu no período de 1960 a 1975, sendo extinta quando houve a fusão do referido estado com o estado do Rio de Janeiro.

Sua letra, além de referenciar os encantos da cidade, destaca a alegria e o gênero musical típico da cidade, o samba, considerado patrimônio cultural do Brasil a partir de 2007.

Embora, o carnaval carioca tenha obtido o título de o maior do mundo pelo Guinness World Records (o Livro Guinness dos Recordes), em 2010, ocupando a posição, anteriormente alcançada, por Salvador, o carnaval não é originalmente carioca e, muito menos, brasileiro.

É claro que hoje, diferentemente dos primórdios do carnaval em nosso país, este evoluiu e se adaptou, adquirindo peculiaridades - de cada região e/ou estado - reconhecidas mundialmente, seja pelo ritmo musical, seja pelos blocos de rua, pelas brincadeiras, pelos trios elétricos, pelos bailes ou pelos desfiles das escolas de samba.

Toda esta evolução teve como ponto de origem, a influência portuguesa no período colonial. De acordo com diversas fontes de pesquisa, o carnaval surgiu no século XI, na Europa, por ocasião das celebrações da chegada da Quaresma, cujo início se dá na 4ª feira de Cinzas e se estende até as comemorações da Ressureição de Cristo, no Domingo de Páscoa.

Durante a sua evolução, não podemos esquecer, também, das contribuições italiana e parisiense através da introdução de máscaras e dos bailes de fantasia. De onde se justifica a preferência por fantasias de pierrô, colombina e arlequim nos bailes de antigamente.

A tradição portuguesa data do século XV e a forma de se comemorar a chegada da Quaresma era através de brincadeiras, como jogar água e pó nas pessoas, por exemplo. Essa brincadeira recebia o nome de entrudo, que significa “início” (em relação à Quaresma).

No final do século XVIII, esta forma de celebração já era praticada em todo o território nacional, com pequenas diferenças locais.

Havia o entrudo de rua e o entrudo familiar. O primeiro, também denominado de entrudo popular, acontecia nas principais vias públicas, sob forte controle policial, pois as brincadeiras eram – em geral - grosseiras e até temidas por muitos, pois as mais habituais eram lançar pó nos rostos das pessoas e/ou banhos de água, misturada ou não com urina.

De uma maneira geral, o público que participava do entrudo de rua (ou popular) era de nível mais baixo, incluindo neste, os escravos e os libertos.

Já o entrudo familiar acontecia no interior das residências da parcela da sociedade de maior poder aquisitivo e social, ou seja, a elite. A brincadeira habitual consistia em jogar, um nos outros, limão de cheiro,  isto é, era um limão de cera contendo um líquido perfumado no seu interior (ou laranja de cera). Segundo o artigo publicado O Significado, foi esta brincadeira que deu origem ao conhecido lança perfume.

Com a presença da corte portuguesa no Rio de Janeiro e o temor da elite brasileira em sair de casa às ruas durante esta período do ano, várias tentativas surgiram a fim de acabar com o entrudo de rua, considerado muito grosseiro e violento, mas nem mesmo a importação dos bailes e dos passeios de máscara foi capaz de por fim, de imediato, às festividades populares do carnaval de rua.

As primeiras mudanças no carnaval do Rio de Janeiro aconteceram com a formação das sociedades carnavalescas, no século XIX (1830), além de iniciativas da baixa classe média e, também, das elites cariocas em brincar o carnaval, sem confrontar o entrudo de rua, surgem grupos organizados formando os ranchos, as grandes sociedades.   

Com o entrudo familiar extinto, durante décadas, o evento mais importante do carnaval das elites cariocas passou a ser os ranchos ou as grandes sociedades nas vias públicas, tendo ainda os clubes carnavalescos (grupos de amigos e parentes) que eram encarregados de organizar os bailes nos salões. Todos estes baseados no modelo de carnaval de Paris (França), com os bailes de máscaras e à fantasia.

Nesta época, as fantasias importadas dos membros das mais altas elites brasileiras eram exibidas durante o trajeto das carruagens, que eram abertas, em direção aos salões. A fim de se evitar um confronto entre as partes, ou seja, entre o povo e os referidos membros da elite carioca, as diversas carruagens se organizavam em verdadeiras comitivas.

Durante o seu percurso, a população curiosa assistia o desfile e os grupos fantasiados (elite) saudava o povo lançando limão de cheiro nas pessoas. O desfile e a exibição das fantasias importadas eram, de certo modo, bastante prazerosos para a elite brasileira, distinguindo-os das demais camadas sociais.
Começava aí, o carnaval das elites...

Durante décadas, estas grandes sociedades representaram o evento mais importante do carnaval carioca (desfile nas ruas até chegarem aos salões). De acordo com as fontes de pesquisa, muitos atribuem a este desfile das sociedades o foco de inspiração para o surgimento das escolas de samba.
De acordo com as fontes de pesquisa, esta mudança na forma de folia (sociedades, ranchos) atrelada, sobretudo, à repressão enérgica da polícia ao entrudo popular (entrudo de rua), os resultados a favor das elites brasileiras começaram a aparecer e, em 1854, o carnaval carioca foi marcado pela animação e tranquilidade, com o desfile de carruagens com famílias fantasiadas, com muitos foliões usando máscaras avulsas e alguns até montando cavalos arreados.

Para alguns autores, este ano marcou o fim do Entrudo de rua, pois a campanha ofensiva contra as brincadeiras populares, violentas, já estava tendo resultados positivos.

Desde 1852, o entrudo de rua já vinha perdendo o seu espaço e a sua expressividade popular. E, ainda, devido ao rigor do Chefe de Polícia, na época, Dr. Alexandre Joaquim de Siqueira, no cumprimento das leis, no combate ao crime, prostituição e, entre outros, ao referido entrudo popular, esta forma de folia acabou sendo reprimida, de vez, em 1854 (alguns autores fazem referência ao ano de 1856).

Em 1853, Mendes da Costa, fiscal da Freguesia da Candelária publicou, em todos os jornais, uma Portaria de combate ao entrudo de rua, sob determinação do Chefe de Polícia, Dr. Alexandre Joaquim de Siqueira, na qual determinava:
"Fica proibido o jogo do entrudo;
qualquer pessoa que jogar incorrerá na pena de quatro a doze mil réis;
e não tendo com que satisfazer, sofrerá de dois a oito dias de prisão.
Sendo escravo, sofrerá oito dias de cadeia,
caso o seu senhor não o mandar castigar no calabouço com cem açoites,
devendo uns e outros infratores serem conduzidos
pelas rondas policiais à presença do Juiz
para julgar à vista das partes ou testemunhas que presenciaram a infração.
As laranjas de entrudo que forem encontradas pelas ruas ou estradas serão inutilizadas pelos encarregados das rondas fiscais.
Aos fiscais com seus guardas fica pertencendo a execução desta pena.
E para constar faço público o cumprimento da citada portaria.
Rio de Janeiro, 4 de fevereiro de 1853.
(a) Mendes da Costa,
fiscal da freguesia da Candelária"

(Novo Milênio)
Em 1855, o simples trajeto das Grandes Sociedades se transformou em um evento maior, isto é, no famoso desfile de rua do primeiro Clube Carnavalesco do Rio de Janeiro e do Brasil, o Congresso das Sumidades Carnavalescas, com 80 sócios, tendo, entre estes, o romancista José de Alencar, que na época tinha 26 anos de idade.

Esta ideia de desfile nas ruas, segundo os modelos de carnaval de Paris, Roma ou Nice, partiu deste grupo de foliões e é considerado o marco histórico do carnaval brasileiro e, em especial, do Rio de Janeiro.

A partir deste, muitas outras sociedades carnavalescas se organizaram e passaram a desfilar nas ruas do centro da cidade. Em seguida, o mesmo modelo passou a ser seguido por diversas cidades brasileiras, como Recife (Pernambuco), Salvador (Bahia), Desterro (atual Florianópolis, capital de Santa Catarina), Porto Alegre (Rio Grande do Sul) e São Paulo (São Paulo).

Durante a segunda metade do século XIX, o desfile das grandes sociedades ainda continuava sendo a principal atração carnavalesca da cidade do Rio de Janeiro e no resto do país. Mas, outras formas de folias também já aconteciam nas cidades, sobretudo, nos festejos da cidade carioca.

No final do mesmo século, em 1877, além dos grupos carnavalescos (fantasiados) serem inúmeros e desfilarem nas ruas da cidade (ranchos, sociedades ou blocos), os bailes eram promovidos nos teatros, nos clubes e salões, assim como muitas pessoas se fantasiavam e pulavam o carnaval na rua.

O desfile das grandes sociedades continuou, até o início do século XX, sendo o principal evento carnavalesc0 da cidade. No entanto, este começou a declinar na década de 30 e encerrando-se nos anos 50 do mesmo século.
Não podemos esquecer que foi na década de 30 (século XX) que a cidade do Rio de Janeiro passou a realizar concurso oficial de escolas de samba. Já em 1929, o Deixa Falar ganhou o concurso de grupos de samba, mas este não foi considerado para efeito de concurso oficial entre escolas de samba.

O primeiro concurso oficial de escolas de samba ocorreu em 1932, sob o patrocínio do jornal O Mundo Sportivo. Neste concurso, a escola Estação Primeira de Mangueira foi classificada em primeiro lugar, seguida pelas seguintes agremiações: Segunda Linha do Estácio e Vai Como Pode (2º lugares); Para o Ano Sai Melhor (3º lugares) e Unidos da Tijuca (4° lugar).

Neste concurso não houve classificação para todas as escolas de samba participantes, só os quatro primeiros lugares foram registrados.

A partir disso, o carnaval passou a representar uma grande expressão popular da cidade do Rio de Janeiro, reconhecido nacionalmente e internacionalmente.

Com o tempo, outras mudanças se sucederam no carnaval carioca, assim como nos de outros estados, tanto na forma de folia quanto no regulamento do desfile das escolas de samba. Mas, não restam dúvidas, todas são verdadeiras festas de alegria e de empolgação popular, sem discriminação racial, de orientação sexual, status social e/ou nacionalidade, já que a festa reúne muitos turistas brasileiros e estrangeiros.

E, nestes aspectos, não podemos deixar de lembrar que o Brasil não é país de um, mas de vários carnavais... Onde a alegria do folião, a dança, os instrumentos e a música conduzem a festa ao jeito peculiar de seu povo, de sua cultura, seja através de trios elétricos (Bahia), nos desfiles das escolas de samba (Rio de Janeiro, Porto Alegre, Uruguaiana, Florianópolis, Vitória, Manaus e São Paulo), no frevo (Pernambuco) ou em diferentes blocos de ruas.

 
Fontes de Pesquisa

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Carnaval Carioca: E.M. Dilermando Cruz em ritmo de folia

Neste mesmo clima de folia, os alunos da E.M. Dilermando Cruz se envolveram durante o recreio da 6ª feira (17/02), cujo horário foi prorrogado com este propósito. Os alunos dos anos iniciais (1º ao 5º Ano) também participaram dos festejos carnavalescos durante o intervalo do recreio deles, como atividade extracurricular.
Embora, eu não tenha os registros dos mesmos, pois estava dando aula, posso assegurar que, devido a faixa etária, a riqueza de fantasia, tanto em número quanto variedade de modelos foi bem maior entre os mais novos.
Vejamos alguns registros dos alunos e profissionais do 6º ao 9º Ano.



























Abertura do Carnaval Carioca 2012


O Prefeito Eduardo Paes e o Rei Momo - Imagem capturada na Internet
(Fonte: G1 - Foto de Bernardo Tabak)

Texto atualizado em 19/02/2012 às 08h44

Como todo mundo sabe, depois do Natal e do Réveillon, a cidade do Rio de Janeiro pulsa no ritmo do samba, da correria das costureiras com as fantasias nos barracões, dos ensaios nas quadras das escolas de samba etc.
Na última 5ª feira (16/02), o Baile Oficial da Cidade do Rio de Janeiro, realizado no Jockey Club Brasileiro, foi considerado o evento de abertura do Carnaval carioca, mas somente ontem (17/02), o nosso prefeito Eduardo Paes fez a entrega da chave da cidade para a Corte Real, cortejo carnavalesco composto pelo Rei Momo (Milton Júnior), a Rainha (Cristina Alves) e as Princesas (Letícia Guimarães e Suzana Gonçalves).
 Baile Oficial da Cidade do Rio de Janeiro no Jockey Club Brasileiro 
Imagem capturada na Internet (Fonte: Bailes do Rio)

Cerimônia esta, que abre oficialmente os festejos carnavalescos da cidade e, de acordo com o quê prega a tradição, é o Rei Momo que declara a abertura oficial do carnaval, após receber as chaves da cidade, como também é ele que comanda a folia e a cidade do Rio de Janeiro durante os quatro dias da festa.
Quinta ou sexta feira, não importa, pois os turistas e, sobretudo, a população carioca quer mais diversão e alegria... Ainda mais em seu município, reconhecido como a cidade que tem o maior carnaval do mundo, segundo o Guinness World Records (o livro dos recordes) e, também, pelo samba, cujo gênero musical ganhou o título de patrimônio cultural do Brasil, em outubro de 2007.
Esperamos que a alegria contagie todos os foliões e a segurança pública seja capaz de garantir a ordem e o clima de total descontração e de confraternização na maior festa popular, sem discriminação.


Fontes:

. Bailes do Rio

. G1 (Globo.Com)

. Jornal O Globo (Edição impressa nº 28.684, 18/02/2012)

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Atividade Dirigida: Textos Reflexivos

Imagem capturada na Internet (Fonte: Colorir é divertido



Conforme, eu havia prometido aos alunos do C. E. Prof Sonia Regina Scudese, na semana passada (6ª feira), eu deixei os dois textos reflexivos na papelaria, hoje, no caso de alunos não terem como obtê-los através do Blog (alunos sem PC doméstico).  
O mesmo eu fiz em relação aos estudantes da E. M. Dilermando Cruz, cujas aulas tiveram início hoje (13/02). Deixei ambos os textos na papelaria da Tia Papa.
Quem quiser ler diretamente do Blog ou imprimir (após copiá-los), basta acessar a postagem do dia 9 de fevereiro de 2011, AQUI!
Para quem acha que os textos não têm nada a ver, realmente está correto em relação à Geografia, mas está errado quanto à importância da abordagem de temas conexos à formação ampla do cidadão.
Em razão disso e por acreditar que estes são necessários e relevantes para uma análise crítica dos alunos, eu compartilharei outros textos similares, ainda, neste 1º bimestre. Aguardem!

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Início do Ano Letivo de 2012



Imagem capturada na Internet (Fonte: 123 desenhos para colorir)


Semana passada, tanto na rede municipal quanto na estadual do Rio de Janeiro, os três primeiros dias do mês de fevereiro foram reservados para reunião geral (de apresentação) e planejamento, conforme já havia mencionado em outra postagem.
No entanto, esta semana ambas as redes de ensino não apresentaram a mesma estrutura. Na rede estadual houve o início das aulas, enquanto que na rede municipal houve o começo da semana de capacitação dos professores em 71 cursos de diversas disciplinas. Além dos 32.500 professores da rede, segundo o Portal da Secretaria Municipal de Educação, 3.000 merendeiras também participarão de cursos específicos.
Todos os cursos estão sendo oferecidos fora da Unidade Escolar. Somente os professores da Educação Infantil que trabalham em creches e os docentes do Programa de Educação de Jovens e Adultos (PEJA), noturno, é que participarão de Centro de Estudo (CE) dentro da própria escola.
Hoje, pela manhã, recebemos os responsáveis e alunos, na E.M. Dilermando Cruz, pois foi fixada - em cartaz – a listagem das turmas, já que as aulas começam na semana que vem (13/02). O meu dia de capacitação é amanhã (Geografia).
À noite, fui ao C.E. José Marti entregar o planejamento da 1a série do Ensino Médio, que eu acabei digitando e terminar o da 3a série. Neste estabelecimento de ensino, eu - agora - faço complementação de carga horária, pois eu passei a minha matrícula (lotação) para o C. E. Profa Sonia Regina Scudese no final do ano passado. 
Nesta última Unidade Escolar, eu darei aula na sexta feira e o planejamento já está pronto, também, assim como a Dependência para os alunos do ano passado. 
Abaixo, estou compartilhando a lista dos cursos de atualizações curriculares que fazem parte desta semana de capacitação. 
 
1. Projeto “Se Liga” Realfabetização 1A
2. Projetos “Acelera Brasil” Aceleração 1ª
3. Projetos “Fórmula da Vitória” – Realfabetização (voltado para professores novos)
4. Projetos “Fórmula da Vitória” – Realfabetização (voltado para professores veteranos)
5. Projeto Autonomia Carioca – Aceleração 3 – 7° e 8° Anos
6. Projeto Autonomia Carioca – Aceleração 2 – 6° Ano
7. Projeto Autonomia Carioca – Aceleração 2A
8. Reforço em Matemática 9° Ano – Autonomia Carioca
9. Alfabetização aos seis anos – Instituto Alfa e Beto
10. Mesa Redonda: Metodologia UERÊ Melo
11. MultiRio Programa 1 – Alfabetização 1°, 2°, 3° Anos
12. MultiRio Programa 2 – Linguagem Matemática no 4° e 5° Ano
13. MultiRio Programa 3– Dificuldade na Aprendizagem
14. MultiRio Programa 4 – Dinâmica e Prática de Sala de Aula
15. Palestra Matemática: Caderno Pedagógico e Orientações Curriculares
16. Palestras Linguagem da Matemática
17. Palestra Linguagem Portuguesa: Caderno Pedagógico e Orientações Curriculares
18. Mesa Redonda: Língua Portuguesa Momento de Reflexão sobre a Prática
19. Palestra: Linguagem – Mídias
20. Palestra: Desenvolvimento Infanto-Juvenil
21. Mesa Redonda: Currículo e Estratégia para o Ensino de Ciências
22. Mesa Redonda: Rio + 20 – Meio Ambiente e Sustentabilidade
23. Curso do Projeto Ciência Hoje de Apoio à Educação das Crianças
24. Curso Professores do Projeto Cientistas do Amanhã
25. Palestra Sustentabilidade: Ações Sociais Necessárias e Realizações Municipais para uma Vida Urbana Melhor
26. Palestra Sustentabilidades e Etnicidade: Reapresentações Culturais e Apreensões Espaciais no Uso da Lei 10.639 e a Cartilha de Sustentabilidade
27. Palestra História: África Uma Grande Questão
28. Minicurso para Professores Novos de Inglês do 1° ao 7° Anos e dos Projetos Aceleração 2, Aceleração 2A e Realfabetização 2B
29. Revitalizações de Professores Antigos de Inglês do 1° ao ° Anos
30. Encontros da Consultora das Orientações Curriculares com Professores antigos de Inglês do 6° ao 9° Anos
31. Encontros de Revitalização de Professores Antigos de Inglês do 6° e 7° Anos
32. Workshops com Professores Antigos de Inglês do 1° ao 5° Anos
33. Curso Projeto Gibi - Basquete
34. Cursos Projeto Vôlei em Rede
35. Curso Projeto Petrobrás – Esporte e Cidadania
36. Palestras Práticas e Intervenções Pedagógicas na Educação Física
37. Mini Cursos de Educação Física
38. Palestras para Professores de Educação Física – Instituto Compartilhar
39. Encontros de Formação de Professores do GEO
40. Ciclos de Palestras para Professores de Artes Plásticas – Visuais
41. Mini Curso Professores Artes Cênicas
42. Ciclos de Palestras Professores de Música
43. Encontros para Professores de Sala de Leitura Pólo e Bibliotecários
44. Encontros para Professores de Sala de Leitura dos GECs e GEO
45. Formações do Projeto Teatro das Letras
46. Mesa Redonda: As Principais Contribuições da Neuroeducação para a Educação de Jovens e Adultos: Início de Conversa
47. Fórum de Professores Ano II – Relato de Experiências Ano I do Programa de Educação de Jovens e Adultos
48. Palestra Educopédia: Um Instrumento a Favor dos Processos de Ensino e Aprendizagem do Programa de Educação de Jovens e Adultos
49. Centro de Estudos Locais – Educação Infantil
50. Seminário Práticas Pedagógicas da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusa
51. III Fórum de Práticas e Saberes no Núcleo Interdisciplinar de Apoio às Unidades Escolares - NIAP
52. Oficina Diversidade nas Escolas
53. Encontro Projeto Sesi Cidadania
54. Curso para Professores: Educação para Paz
55. Encontro de Professores: Projeto Discovery
56. Encontro de Formação “Aula Nota 10”
57. Ginásio Experimental Carioca – Formação no Modelo Pedagógico
58. Ginásio Experimental Carioca – Formação no Modelo Pedagógico
59. Ginásio Experimental Carioca – Formação em Eletivas e Estudo Dirigido
60. Ginásio Experimental Carioca – Projeto de Vida e Protagonismos Juvenil
61. Cine Adap
62. Círculo de Leitura
63. Professor – Ator: O Palco é a Sala de Aula
64. Encontro Professores do 6° Ano Experimental
65. Encontro sobre Avaliação – Desempenho da Rede
66. Encontro de Formação do Projeto UCA
67. Oficinas Educopédia
68. Um Dia de Educopédia na Escola
69. Encontro das Artes – Espetáculo Aula
70. Formação Para Professores do Projeto Escolas de Demonstração
71. Ciclo de Palestras para Merendeiros

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Mês de Fevereiro: Datas Comemorativas

01. Dia do Publicitário e do Eletricitário
02. Dia do Agente Fiscal
      Dia de Iemanjá
05. Dia do Datiloscopista

06. Dia do Agente de Defesa Ambiental
07. Dia do Gráfico

09. Dia do Zelador
10. Dia do Atleta Profissional
11. Dia Mundial do Enfermo
       Dia do Zelador (alguns atribuem o dia 09 de fevereiro como o Dia do Zelador)

14. Dia da Amizade (alguns afirmam que é o Dia do Amor)
16. Dia do Repórter
19. Dia do Esportista
21. Carnaval  
       Dia Internacional da Língua Materna
22. Criação do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente – IBAMA (Lei nº 7.735 de 1989)
23. Dia do Rotaryano
(Rotary Club)
24. Promulgação da primeira Constituição da República do Brasil (1891)
25. Dia da criação do Ministério das Comunicações (1967)
        Dia da criação do Ministério do Interior (1889)
        Dia da criação do Ministério dos Transportes (1967)
27.  Dia Nacional do Livro Didático
        Dia do Agente Fiscal da Receita Federal