sábado, 11 de julho de 2015

Principais Grupos e/ou Associações Políticas e Econômicas do Mundo

 Imagem capturada na Internet
(Fonte: HEFFX)


Aproveitando a postagem sobre a VII Cúpula dos BRICS, que está sendo realizada na Rússia e, atendendo ao conteúdo dado no 8˚ Ano do Ensino Fundamental, é bom revisar alguns dos principais grupos e/ou associações de países sob a conotação econômica e/ou política (vide tópico publicado em 02/06/2010).
 
BRICS
. Definição: Grupo das nações que mais se destacaram, no cenário mundial, em termos de crescimento econômico. Não se trata de um bloco econômico, mas um agrupamento informal.
 
. Países-membros: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.
 
. Ano de criação: 2006. Em 2001 foi criado o termo, isto é, o acrônimo "Bric" com as iniciais dos quatro países Brasil, Rússia, Índia e China. Em 2010, a África do Sul passou a integrar o Grupo, sendo acrescentado “S” ao final do acrônimo em razão do nome do país em inglês (South Africa).
 
. Objetivos principais: promover o diálogo e tomada de decisões políticas e econômicas, entre os seus países-membros, sob a perspectiva de liderar o bloco dos países considerados emergentes e, com isso, superar as grandes potências mundiais em um período de, no máximo, cinquenta anos.
 
. Crítica (s): Alguns analistas políticos consideram o BRICS como uma forma de afronta à ordem geopolítica global, sob o comando e domínio dos EUA e da União Europeia.
 
Alguns dados socioeconômicos de seus países-membros
Fonte: G1 Economia 
 
BRASIL
. PIB (2012): US$ 2,246 trilhões
PIB per capita (2012): US$ 11.171
Desemprego (2012): 6,1%
População (2013): 201 milhões
Capital: Brasília
Moeda: Real
 
RÚSSIA
PIB (2013): US$ 2,096 trilhões
PIB per capita (2013): US$ 14.604
Desemprego (2013): 5,5%
População (2013): 144 milhões
Capital: Moscou
Moeda: Rublo
 
ÍNDIA
PIB (2013): US$ 1,726 trilhão
PIB per capita (2013): US$ 1.418
Desemprego (2012-2013): 5,3%
População (2011): 1,211 bilhão
Capital: Nova Delhi
Moeda: Rúpia
 
CHINA
. PIB (2013): US$ 9,185 trilhões
. PIB per capita (2013): US$ 6.768
Desemprego (2013): 4,1%
População (2013): 1,357 bilhão
Capital: Pequim
Moeda: Yuan
 
SOUTH AFRICA (África do Sul)
PIB (2012): US$ 382 bilhões
PIB per capita (2011): US$ 7.810
Desemprego (2012): 25,1%
População (2011): 52 milhões
Capital: Pretória
Moeda: Rand
 
Imagem capturada na Internet
 
GRUPO DOS SETE (G-7)
. Definição: Grupo dos sete países mais ricos do mundo (mais industrializados e desenvolvidos).
 
. Países-membros são: EUA, Canadá, Japão, Alemanha, Reino Unido, Itália e França.
 
. Ano de criação: 1970 (sua 1ª reunião ocorreu em novembro de 1975, na França).
 
. Objetivos principais: coordenar a política econômica e monetária mundial, inclusive, com intervenções para ajudar países mais pobres.
 
. Crítica (s): necessidade premente de expansão do grupo, com o ingresso de países em desenvolvimento (países emergentes). O G-7 é comparado como “clube dos ricos” e, as discussões e os interesses que permeiam as reuniões são fundamentadas apenas sob interesses deles.
 
 
Imagem capturada na Internet
(Fonte: Brasil Escola)
 
GRUPO DOS OITO (G-8)
. Definição: Grupo dos 8 países mais poderosos do mundo.
 
. Países-membros são: Ele é formado pelos países mais ricos do mundo (G-7) mais a Rússia.
 
. Ano de criação: 1998, com a aprovação do ingresso da Rússia (país, até então, só observador).
 
. Objetivos principais: discutir questões na esfera política (processo de globalização, problemas ambientais etc.).
 
. Crítica (s): Diante do seu poderio econômico e/ou político no cenário mundial, estes exercem grande influência em importantes Instituições e Organizações mundiais, como por exemplo, a Organização das Nações Unidas (ONU), o Fundo Monetário Internacional (FMI), a Organização Mundial do Comércio (OMC).
 
Em geral, suas reuniões são marcadas por protestos e manifestações de ONGs (Organizações Não-Governamentais) e outras entidades ligadas a movimentos sociais, ambientalistas e antiglobalização. Isso se dá, justamente, pela composição e perfil dos seus países-membros, cujos interesses não coincidem com que as demais nações mundiais enfrentam face a uma situação socioeconômica desigual e injusta.

 

Imagem capturada na Internet
 
GRUPO DOS VINTE (G-20)
. Definição: Grupo das 19 maiores economias do mundo (países desenvolvidos e em desenvolvimento) mais a União Europeia (bloco econômico).
 
. Países-membros: além da União Europeia, EUA, Canadá, Japão, Alemanha, Reino Unido, Itália, França, Rússia, Austrália, Brasil, China, Índia, México, África do Sul, Argentina, Indonésia, Arábia Saudita, República da Coreia e Turquia.
 
. Ano de criação: junho de 1999 e estabelecido formalmente em setembro do mesmo ano (surgiu face às crises financeiras da década de 90 do século XX).
 
. Objetivos principais: tratar de assuntos-chave relacionados à estabilidade econômica mundial (Conselho Internacional permanente de cooperação econômica desde 2009).
 
. Crítica (s): continua a corresponder aos interesses das elites capitalistas, tanto dos países centrais quanto dos seus aliados nos países periféricos (países em desenvolvimento ou emergentes).
 

Imagem capturada na Internet
(Fonte: Wikipédia)
 
GRUPO DOS CINCO (G-5)
. Definição: Grupo dos cinco líderes dos países emergentes (em desenvolvimento).
 
. Países-membros: Brasil, China, Índia, México e África do Sul.
 
. Ano de criação: 2005.
 
. Objetivos principais: promover o diálogo entre os seus países-membros e os países desenvolvidos do G8, a fim de fixar posições e iniciativas sobre questões globais relevantes, como a economia global, desenvolvimento sustentável e alterações climáticas, entre outras.
 
. Crítica (s): Maior participação direta, pois correspondem – para muitos - uma representação de controle da governança global pelos grupos dos países desenvolvidos (velha política do poder). Há certos problemas internos entre os seus integrantes, como, por exemplo, a China e a Índia que têm uma relação um pouco tensa, por conta de limites geográficos como vizinhos rivais (conflitos). Atualmente, o peso da economia mundial está migrando para o continente asiático, mais especificamente, para a China. E a escolha do G5 foi feita por países ocidentais (as grandes de ontem).

 

Nenhum comentário: