quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Coreia do Norte: Reencontro Histórico entre Familiares Separados desde o Fim da Guerra da Coreia


Imagem capturada na Internet para fins ilustrativo
Fonte: G1 Mundo


Há muito tempo, prometi aos meus alunos, publicar uma matéria acerca do encontro entre os parentes que foram separados em razão da Guerra da Coreia (1950-1953) e a divisão da península coreana em duas repúblicas (Coreia do Norte e Coreia do Sul). Como, na semana passada, a Coreia do Norte permitiu este reencontro aos sul-coreanos, por três dias, aproveitei para escrever e publicar, agora, neste espaço.  

 
Como muitos sabem, entre os cinco países que ainda se mantêm sob o sistema socialista (China, Coreia do Norte, Cuba, Laos e Vietnã), a Coreia do Norte é o mais fechado de todos e o que mais preocupa a comunidade internacional em razão das constantes ameaças de um ataque, principalmente, aos EUA e a sua vizinha na mesma península, a Coreia do Sul.
 
Recentemente, por ocasião do 70º aniversário do Partido dos Trabalhadores, ocorrido no dia 10 do mês em curso, o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, voltou a mencionar que o país está pronto para qualquer guerra contra os EUA.
 

Líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un
 Imagem capturada na Internet para fins ilustrativo
Fonte: Revista Veja


Por sua vez, os EUA e a Coreia do Sul realizaram e intensificaram exercícios militares, sobretudo, no mês de agosto, simulando tanto uma invasão à Coreia do Norte quanto uma situação em que esta atacava a fronteira com a Coreia do Sul. Tais testes foram considerados provocações por parte do governo norte-coreano.

 
Cobiçada pelas potências asiáticas, a península coreana foi colonizada pelos japoneses, no início do século XX (1910), contudo, com a rendição do Japão, assinalando o fim da II Guerra Mundial (1945), os japoneses foram expulsos da mesma.
 
Com o fim da II Grande Guerra, os EUA e a União Soviética (URSS) emergiram como superpotências, políticas e militares, respondendo pela Nova Ordem Mundial, bipolar. Com sistemas político-ideológicos totalmente contraditórios e conflitantes, capitalismo e socialismo, respectivamente, ambas vão protagonizar – logo depois – a chamada Guerra Fria.
 
Sob o contexto da Guerra Fria (1947-1991), a península coreana (Coreia) foi dividida em duas zonas de ocupação e de influência, uma pela União Soviética (porção norte socialista) e a outra pelos Estados Unidos (porção sul capitalista).
 
Em julho de 1948 foi constituída a Coreia do Sul e, logo depois, a Coreia do Norte.
 
O clima de estabilidade política e de paz entre ambas não durou muito, sendo rompida, em junho de 1950, quando os norte-coreanos invadiram a Coreia do Sul na tentativa de dominar toda a península coreana. Em razão disso, deu-se por início a Guerra da Coreia, que se estendeu de 1950 a 1953, considerado um dos mais violentos conflitos do Século XX, pois as atrocidades cometidas foram por ambos, os lados.
 
A divisão da península vai se consolidar, efetivamente, com o fim do referido conflito (Guerra da Coreia), com o armistício, em 1953. Contudo, mesmo com o cessar-fogo entre ambas as partes, não houve o estabelecimento de um tratado de Paz entre a Coreia do Norte e do Sul. Isso implica dizer que, oficialmente, a guerra não acabou.
 
Com esse armistício foi instituída a linha de demarcação (“fronteira”) entre as duas Coreias, definida no paralelo 38˚ e, ainda, que as respectivas tropas do Exército deveriam ficar 2 Km de distância da referida “fronteira”, delimitando - com isso – a chamada zona desmilitarizada da Coreia (ZDC), a qual existe até hoje, protegendo o limite territorial de trégua entre elas. 
 
Imagem capturada na Internet para fins ilustrativo
Fonte: Rusmea
 
Por conta da divisão geográfica da península coreana, no paralelo 38˚ e de formação dos dois Estados-Nações, de orientações político-ideológicas distintas, a República Popular Democrática da Coreia (Coreia do Norte) e República da Coreia (Coreia do Sul), milhares de pessoas foram separadas de suas respectivas famílias.
 
Imagem capturada na Internet para fins ilustrativo
Fonte: Nova Escola
 
Desde o final da Guerra da Coreia (1953), membros de uma mesma família foram deslocadas para a Coreia do Norte enquanto outros permaneceram no Sul. Em razão disso e do regime ditatorial norte-coreano, muitos sul-coreanos ficaram - por mais de seis décadas - sem ter e/ou manter contato com os seus familiares. De acordo com as fontes de pesquisa, a separação mexeu, muitas vezes, com famílias inteiras, tendo pais e filhos, maridos e esposas, irmãos e irmãs separados.
 

Imagens capturadas na Internet para fins ilustrativo
Fonte: G1 Mundo
 
No entanto, em 2000, durante uma cúpula bilateral, a Coreia do Norte deu início a um programa anual de reencontros familiares, mas apesar da ideia inicial pregar a periodicidade anual, o mesmo não foi cumprido em consequência das diversas tensões ocorridas entre ambas, as Coreias. Com isso, muitos dos encontros foram cancelados. Algumas vezes, a suspensão ocorreu em cima da data, o que deve ter provocado muitas angústias entre os familiares.
 
No último dia 20 de outubro, o governo da Coreia do Norte possibilitou o segundo Encontro entre os familiares de ambos os lados, o que beneficiou cerca de 400 sul-coreanos que cruzaram a fronteira na intenção de reencontrar seus parentes.
 
Ao todo foram três dias de visitas, divididos em seis ocasiões, cada qual durando 2 horas, ocorrendo de forma privada e publicamente.
 
A viagem dos sul-coreanos até a fronteira com a Coreia do Norte, no paralelo 38˚N, foi feita de ônibus e estes foram acompanhados por quatro carros da Cruz Vermelha, incluindo ambulâncias devido a saúde frágil de muitos. Não podemos esquecer que a faixa etária de todos os membros, tanto do lado da Coreia do Sul quanto da Coreia do Norte, ultrapassa – no mínimo 62 anos – tendo em vista que a separação ocorreu efetivamente no final da Guerra da Coreia (1953).
 
Muitos já devem ter morrido, em ambos os lados, sem ter tido esta oportunidade de reencontro.
 
O destino foi o complexo hoteleiro no Monte Kumgang, local do referido evento de três dias, que encerrou, com certeza, cheio de emoções, no dia 22 do mês em curso.
 
Imagens capturadas na Internet para fins ilustrativo
Fonte: G1 Mundo
 
 

Fontes de Consultas
 

. Norte-coreanos se despedem de familiares do Sul após visita histórica


 
. Um país fora do nosso tempo - Revista Nova Escola

Nenhum comentário: