segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Crônica: Vivenciando e a Minha Prática em Geografia

 Imagem do meu acervo particular


VIVENCIANDO E A MINHA PRÁTICA EM GEOGRAFIA
                                                        Marli Vieira de Oliveira da Silva

Texto atualizado em 20/09/2016 às 19h30

Ao acordar, pela manhã, meus olhos já contemplam a Geografia para, só depois, vivencia-la a partir de mim mesma e com os outros perante aos meus passos, a minha política de vida, as minhas relações interpessoais, o meu trabalho e em minha convivência social

Não há nada mais gratificante que constatar a compreensão do aluno acerca de um tópico trabalhado em sala de aula a partir da sua inter-relação com os fatos atuais. Ou quando, um aluno de outra turma pede autorização para assistir sua aula, como ouvinte, pois está em tempo vago ou saiu mais cedo.

E mais ainda, quando alguns alegam que optaram por uma formação universitária na mesma área de conhecimento da sua, porque foi à partir de suas aulas que os mesmos passaram a gostar da Geografia.

Sem dúvida alguma quando a gente ama o que faz, os resultados – por menores que sejam – já valem a pena.

Há muitos, quando era ainda professora do antigo primário (atual Primeiro Segmento do Ensino Fundamental I), uma professora relacionou a minha metodologia de ensino ao meu pouco tempo de docência... “É porque ela é nova no Estado”.

Com o passar dos anos, realmente, eu mudei sim e muito, quer seja a partir do meu desenvolvimento profissional na mesma área de formação em termos de especialização e outros cursos, quer seja em termos da metodologia de ensino junto às inovações tecnológicas, embora – na maioria das vezes – me vejo impedida de atuar mais efetivamente com a inserção das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) em minhas práticas escolares em razão de problemas técnicos e de logística nas escolas.

Mas, em nada mudou, quanto a minha vontade de ensinar e fazer com que os alunos compreendam e construam o conhecimento a partir dos conteúdos trabalhados em sala de aula ou fora desta, bem como nas diversas conexões dos mesmos aos fatos atuais e/ou sub-atuais.

Eu não me canso de destacar a importância do estudo da Geografia na compreensão da dinâmica do mundo contemporâneo - enquanto totalidade orgânica, social, econômica, política e ambiental - aos meus alunos, tanto da rede pública municipal quanto estadual de ensino, pois vivenciamos - direta e/ou indiretamente - o seu universo de sua área de abrangência.

E minha prática e discurso perpassam sob os seguintes princípios:

- Acredito ainda na Educação como mola-mestra da transformação social, cultural, política e econômica do indivíduo e do país;

- O que eu não quero para a minha filha, não vou agir e pensar diferente com os filhos dos outros, ainda mais que a relação existente e mantida entre nós ocorre a nível de professora x aluno;

- Muitos dos alunos da rede pública de ensino não têm grandes oportunidades concretas de obter autonomia em seus estudos ou, ao menos, ampliá-los para além dos muros da escola, dependendo exclusivamente da mesma em termos de construção do conhecimento, do exercício da cidadania e da promoção da socialização;

- Tanto eu quanto eles somos seres inconclusos, pois seremos sempre eternos aprendizes.


5 comentários:

Luiz Salazar De Couto disse...

Puras vdd,quando agente apenas vê a matéria ou algo do tipo logo nos desinteressamos,mas quando o professor fala com aquela vontade! Como se estivesse lutando para mostrar algo novo.
Ai nós alunos nos apaixonamos pela matéria! Gostei do post prof marli!

Marli Vieira de Oliveira disse...

Obrigada, Luiz Salazar!Muitas das vezes, o despertar dos alunos acerca desta relação entre a ciência geográfica e a realidade só acontece com o impulso do próprio professor. Obrigada por sua visita e comentário.

Anônimo disse...

Esta correto o seu argumento professora. Pois quando abrimos os olhos a geografia está por todos os lados nem que seja uma coisa banal como "o clima está frio" isto já está relacionado com geografia. E além disso se os alunos às vezes acharem chato geografia por estar entediado o professor explica a matéria e conversa sobre aquilo criando assim um laço de afetividade com os alunos e o professor na sala de aula. Nome: Edcarlos de Carvalho Soares Turma1803.

Ariane Vitória disse...

Exato, mas o que deixa a geográfica mais interessante são as suas explicações. É muito legal e bacana que coisas sobre geografia que não lembramos a Senhora explica de um modo tão incrível(não é puxando saco não).Mas eu fico muito feliz por ter uma professora como a Senhora - Ariane Vitória Souza( Turma:1901)

Marli Vieira de Oliveira disse...

Eu agradeço a vocês dois, Edcarlos e Ariane, pelas palavras! Mas, se não houver esta troca na relação professor x aluno, nada acontece de positivo. Obrigada por fazerem a diferença e por serem meus alunos. beijos